Diversidade e dispersão das espécies lenhosas em áreas de cerrado sensu stricto, no período de 1996 a 2011, após supressão da vegetação em 1988

DOI: http://dx.doi.org/10.12702/VIII.SimposFloresta.2014.145-654-1 

 

downloadpdf

Lamartine S. B. de Oliveira1, Alba V. Rezende1, Gileno B. de Azevedo1, Edberto M. Lima1 & Nickolas M. de Matos1

 

Resumo: O Cerrado é considerado um bioma de grande importância ecológica. Contudo, continua sendo amplamente antropizado. O desmatamento é uma atividade antrópica comum nesse Bioma, visando não somente a mudança de uso da terra, como também o aproveitamento madeireiro. Dessa forma, avaliou-se, no período de 1996 a 2011, a diversidade e dispersão das espécies lenhosas em áreas de cerrado sensu stricto após remoção da vegetação em 1988. As avaliações foram realizadas com base nas espécies lenhosas (Db ≥ 5 cm) inventariadas em parcelas permanentes (20 x 50 m), sendo essas submetidas a seis tratamentos de supressão da vegetação. A partir de 2005 ocorreu sobreposição das curvas do Perfil de Diversidade, sendo similares em todos os tratamentos. A anemocoria, no primeiro ano de monitoramento, apresentou maior proporção de espécies. Entretanto, a partir de 2000, todos os tratamentos foram predominados pelas espécies zoocóricas. A eficiência no processo de dispersão das espécies contribui para que as áreas de cerrado sensu stricto, mesmo sendo submetidas a diferentes tratamentos por desmatamento, se tornem ao longo de 15 anos de monitoramento semelhante em diversidade.

Palavras-chave: Bioma cerrado, Perfis de diversidade, Síndrome de dispersão.

 

1 Universidade de Brasília (soareslt@gmail.com; albavr@unb.br; gilenoba@hotmail.com; edberto.moura@gmail.com; nickolas.matos@gmail.com)

 

Literatura Citada

LEINSTER, T.; COBBOLD, C.A. Measuring diversity: the importance of species similarity. Ecology, v. 93, p. 477-89, 2012. <http://dx.doi.org/10.1890/10-2402.1>.

MELO, A.S., O que ganhamos “confundindo” riqueza de espécies e equabilidade em um índice de diversidade? Biota Neotropica, São Paulo-SP, v. 8, p. 21–27, 2008. <http://dx.doi.org/10.1590/S1676-06032008000300001>.

REIS, S.M.A. et al. Síndromes de polinização e dispersão de espécies lenhosas em um fragmento de cerrado sentido restrito na transição Cerrado - Floresta Amazônica. Heringeriana, Brasília-DF, v. 6, n. 2 p. 28-41, 2012.

SILVA JÚNIOR, M.C. 100 Árvores do cerrado: guia de campo. Brasília: Rede de Sementes do Cerrado, 2005. 278p.

SILVA JÚNIOR, M.C.; PEREIRA, A.S.B. Mais 100 Árvores do cerrado: guia de campo. Brasília: Rede de Sementes do Cerrado, 2009. 288p.

TÓTHMÉRÉSZ, B. Comparison of different methods for diversity ordering. Journal of Vegetation Science, v.6, n. 2, p. 283–290. 1995. <http://dx.doi.org/10.2307/3236223>.

VIEIRA, D.L.M.; AQUINO, F.G.; BRITO, M.A.; FERNANDES-BULHÃO, C.; HENRIQUES, R.P.B. Síndromes de dispersão de espécies arbustivo-arbóreas em cerrado sensu strictodo Brasil Central e savanas amazônicas. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo-SP, v. 25, n. 2, p. 215-220. 2002. <http://dx.doi.org/10.1590/S0100-84042002000200009>.