Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

Germinação e vigor de sementes de Moringa oleifera Lam. procedentes de duas áreas distintas

DOI: http://dx.doi.org/10.12702/VIII.SimposFloresta.2014.67-628-1

 

downloadpdf

Talita G. F. Rocha1, Maria L. de S. Medeiros1, Mariana D. da Silva1, Guilherme V. G. de Pádua1, Fernando dos S. Araújo1, Rose C. F. da Silva1 & Márcio D. Pereira1

 

Resumo:  Moringa oleifera Lam. é uma espécie arbórea pertencente à família das Moringaceae, nativa da Índia e amplamente cultivada nos trópicos de todo o mundo. O objetivo deste trabalho foi avaliar o potencial fisiológico de sementes de M. oleifera em função da sua procedência. O trabalho foi desenvolvido no Laboratório de Morfologia Vegetal da Unidade Acadêmica em Ciências Agrárias da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). O delineamento experimental adotado foi inteiramente casualizado com dois tratamentos e quatro repetições de vinte cinco sementes, provenientes de: (1) Campus da UFRN, localizado no município de Natal, RN com 3 meses de armazenamento e (2) Município de Lagoa de Pedras, RN com 1 ano de armazenamento. Para avaliação do potencial fisiológico das sementes, as mesmas foram submetidas ao teste de germinação, índice de velocidade de germinação e condutividade elétrica. Os resultados indicam que, apesar de não haver diferença na germinação das sementes, os testes de vigor indicam que sementes provenientes do campus da UFRN e armazenadas por apenas 3 meses apresentam melhor qualidade fisiológica.

Palavras-chave: Qualidade fisiológica; Teste de condutividade elétrica; Vigor.

 

1 Universidade Federal do Rio Grande do Norte (talitageorocha@yahoo.com.br; luizamedeiros30@hotmail.com; mari.nutri08@gmail.com; guilhermegpadua@yahoo.com.br; nandosantos005@hotmail.com; ferreiraclaradasilva@gmail.com; marcioagron@yahoo.com.br)

 

Literatura Citada

CARVALHO, N. M.; NAKAGAWA, J. Sementes: ciência, tecnologia e produção. 4. ed. Jaboticabal: Funep, 2000. 588p.

HEPBURN, H. A.; POWELL, A. A.; MATTHEWS, S. Problems associated with the routine application of electrical conductivity measurements of individual seeds in the germination testing of peas and soybeans. Seed Science and Technology, Zürich, v.12, n.3, p.403-13, 1984.

KARADI, R. V.; GADGE, N. B.; ALAGAWADI, K. R.; SAVADI, R. V. Effect of Moringa oleifera Lam. root-wood on ethylene glycol induced urolithiasis in rats. Journal of Ethnopharmacology, v. 105, n.1-2, p. 306-311, 2006. <http://dx.doi.org/10.1016/j.jep.2005.11.004>.

LORENZI, H., MATOS, F. J. A. Plantas medicinais no Brasil: nativas e exóticas. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2002. p. 346-347.

MATOS, F. J. A. Farmácias vivas: sistema de utilização de plantas medicinais projetados para pequenas comunidade. 3. ed. Fortaleza: EUFC, 1998, p. 220.

POWELL, A. A. Cell membranes and seed leachate conductivity in relation to the quality of seed for sowing. Journal of Seed Technology, v.10, n.2, p.81-100, 1986. Disponível em: <http://www.jstor.org/stable/23432796>. Acesso em: 21 jul. 2014.

VIEIRA, R. D. Testes de condutividade elétrica. In: VIEIRA, R. D.; CARVALHO, N. M. (Eds.). Testes de vigor em sementes. Jaboticabal: FUNEP. 1994. p.103-132.

VIEIRA, R. D.; KRZYZANOWSKI, F. C. Teste de condutividade elétrica. In: KRZYZANOWSKI, F. C.; VIEIRA, R. D.; FRANÇA NETO, J. de B. (Eds.). Vigor de Sementes: conceitos e testes. Londrina: ABRATES,cap. 4, p.1-26. 1999.