Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

Umedecimento do substrato para condução do teste de germinação de sementes de Ceiba speciosa St. Hill.

DOI: http://dx.doi.org/10.12702/VIII.SimposFloresta.2014.35-691-1

 

downloadpdf

Francival C. Felix1, Danilo F. de Oliveira1, João P. C. G. de Queiroz1, Fernando dos S. Araújo1 & Mauro V. Pacheco1

 

Resumo: O objetivo com o presente trabalho foi avaliar o efeito do umedecimento da areia sobre o desempenho germinativo de sementes de Ceiba speciosa. Para tal, sementes desta espécie foram semeadas em areia umedecida com 50, 55, 60, 65 e 70% da sua capacidade de retenção de água. Avaliando-se as variáveis: porcentagem de germinação, índice de velocidade de germinação e comprimento da raiz/parte aérea de plântulas. O desempenho germinativo das sementes de Ceiba speciosa foi afetado pelo nível de umedecimento do substrato. Para condução do teste de germinação recomenda-se o umedecimento da areia com 58% da sua capacidade de retenção de água, pois possibilita respostas satisfatórias de germinação e vigor.

Palavras-chave: Análise de sementes; Paineira; Sementes florestais; Vigor

 

1 Universidade Federal do Rio Grande do Norte (francival007@gmail.com; flademir.oliveira@hotmail.com; paulcort@bol.com.br; nandosantos005@hotmail.com; pachecomv@hotmail.com)

 

Literatura Citada

ARMSTRONG, W.; BRÄNDLE, R.; JACKSON, M. B. Mechanisms of flood tolerance in plants. Acta Botanica Neerlandica, v.43, n.4, p.307-358, 1994. <http://dx.doi.org/10.1111/j.1438-8677.1994.tb00756.x>.

ALBUQUERQUE, A.N. et al. Umedecimento do substrato na emergência e desenvolvimento de plântulas de sucupira-preta. Enciclopédia Biosfera, Goiânia/GO, v.9, n.16; p.2050-2059, 2013. Disponível em: <http://www.conhecer.org.br/enciclop/2013a/agrarias/umedecimento%20do%20substrato.pdf>. Acesso em: 30 mai. 2014.

BEWLEY, J.D.; BLACK, M. Seeds: physiology of development and germination. New York/USA: Plenum Press, 1994. 445p.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para Análise de Sementes. Brasília: MAPA/ACS, 2009. 398p.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instruções para a análise de sementes de espécies florestais. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. Brasília: MAPA/ACS, 2013. 79p.

LEMES, E.Q.; LOPES, J.C. Temperaturas cardinais para germinação de sementes e desenvolvimento de plântulas de paineira. Scientia Forestalis, Piracicaba-SP, v.40, n.94, p.179- 186, 2012. Disponível em: <http://www.ipef.br/publicacoes/scientia/nr94/cap05.pdf>. Acesso em: 20 mai. 2014.

MAGUIRE, J.D. Speed of germination-aid in selection and evaluation for seedlig emergence and vigor. Crop Science, Madison, v.2, n.1, p.176-177, 1962. <http://dx.doi.org/10.2135/cropsci1962.0011183X000200020033x>.

MARCOS FILHO, J. Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. Piracicaba/SP: FEALQ, 2005. 495p.

MARTINS, C.C. et al. Umedecimento do substrato na emergência e vigor de plântulas de pupunheira. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal-SP, v.31, n.1, p.224-230, 2009. <http://dx.doi.org/10.1590/S0100-29452009000100031>.

PACHECO, F.V. et al. Crescimento inicial de Dalbergia nigra (Vell.) Allemão ex. Benth. (FABACEAE) e Chorisia speciosa A.St.-Hil (Malvaceae) sob diferentes níveis de sombreamento. Revista Árvore, Viçosa/MG, v.37, n.5, p.945-953, 2013. <http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622013000500017>.