Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

Variação do diâmetro tangencial de poros no lenho de tensão e oposto em Hevea brasiliensis (Willd. ex A. Juss.) Müll. Arg.

DOI: http://dx.doi.org/10.12702/VIII.SimposFloresta.2014.236-399-1

 

downloadpdf

Leticia M. A. Ramos1 & João V. de F. Latorraca1

 

Resumo: A seringueira, pertencente à família Euphorbiaceae, é a fonte mais importante de borracha natural no mundo. Entretanto, é possível utilizar sua madeira após o período de produção de látex, que dura em torno de 30 anos. Em algumas espécies de Euphorbiaceae pode ser observada a presença de lenho de tensão. Existem poucos estudos sobre lenho de tensão em espécies tropicais, sobretudo em seringueira. Portanto, o objetivo deste trabalho foi verificar as diferenças nos diâmetros tangenciais de poros na madeira de seringueira sob influência do lenho de tensão. Foram amostradas três árvores provenientes de plantio comercial, e delas coletados discos da altura correspondente à metade do fuste e neles identificadas a região de lenho de reação e lenho oposto para retirada dos corpos-de-prova. Os diâmetros tangenciais de poros do lenho de reação (171,1 μm ± 38,16) foram maiores que os do lenho oposto (164,7 μm ± 35,07). Os poros das seções transversais com fibras gelatinosas (169,0 μm ± 35,02) foram menores que nas seções com fibras normais (175,5 μm ± 38,95). Estas diferenças podem estar relacionadas com a presença de fibras gelatinosas nas amostras.

Palavras-chave: lenho de tensão, poros, seringueira

 

1 Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (leticiaalves.ramos@hotmail.com; latorraca@hotmail.com))

 

Literatura Citada

DICKINSON, W. C. Integrative plant anatomy. San Diego: Harcourt Academic Press, 2000. 533p.

JOUREZ, B., RIBOUX, A., LECLERQ, A. Anatomical characteristics of tension wood and opposite wood in young inclined stems of poplar (Populus euramericana CV “Ghoy”). IAWA Journal, v. 22, n. 2, p. 133–157, 2001. <http://dx.doi.org/10.1163/22941932-90000274>.

LEONELLO, E. C. et al. Classificação Estrutural e Qualidade da Madeira do Clone GT 1 de Hevea brasiliensis Muell. Arg. Floresta e Ambiente, Seropédica-RJ, v.19, n. 2, p. 229-235, 2012. <http://dx.doi.org/10.4322/floram.2012.027>.

OKINO, E. Y. A. et al. Chapa aglomerada de cimento-madeira de Hevea brasiliensis Müll. Arg. Revista Árvore, Viçosa-MG, v.28, n.3, p. 451-457, 2004. <http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622004000300016>.

SULAIMAN, O. et al. Effect of sanding on surface roughness of rubberwood. Journal of Materials Processing Technology, v. 209, n.8, p. 3949–3955, 2009. <http://dx.doi.org/10.1016/j.jmatprotec.2008.09.009>.

TOMAZELLO FILHO, M. Variação radial da densidade básica e da estrutura anatômica da madeira do Eucalyptus globulus, E. pellita e E. acmenioides. Revista IPEF, Piracicaba-SP, n. 36, p. 35–42, 1987.