Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

Relações Espaciais entre Caulinita e Gibbsita e a Estabilidade dos Agregados de Latossolo

DOI: http://dx.doi.org/10.12702/I-SGEA-a32

 

downloadpdf

Lucas A. Cortez1, José Marques Júnior2, Rafael G. Peluco3, Gener T. Pareira4 & Lívia A. Camargo5

 

Resumo: Este trabalho teve como objetivo avaliar as relações espaciais entre a caulinita e gibbsita com a estabilidade dos agregados de Latossolo, utilizando técnicas da geoestatística. Os solos foram amostrados nos pontos de cruzamento de uma malha, com intervalos regulares de 10 m, na profundidade de 0,00-0,20 m para os atributos físicos totalizando (118 pontos) e mineralógicos totalizando (74 pontos). A estabilidade dos agregados do solo foi medida nas seguintes classes: C1 (maior que 4,0mm) e C2 (menor que 4,0 mm). As amostras foram submetidas às análises de laboratório para extração dos óxidos de ferro, e submetidas à DRX. Posteriormente os dados foram submetidos à estatística descritiva e geoestatística. Na área em estudo o atributo agregados da classe maior que 4 mm, foi o de maior ocorrência. Esta ocorrência está relacionada com a da presença de gibbsitas com maior área do pico (cm2).

Palavras-chave: geoestatística, variabilidade espacial, atributos físicos, mineralógicos

 

Abstract: This study aimed to evaluate the spatial relations between the kaolinite and gibbsite with the stability of aggregates of Oxisol, using techniques of geostatistics. The soils were sampled at the points of intersection of a grid at regular intervals of 10 m in depth of 0,00-0,20 m to physical attributes totaling (118 points) and mineralogical totaling (74 points). The stability of soil aggregates was measured in the following classes: C1 (greater than 4.0 mm) and C2 (lower than 4.0 mm). The samples were subjected to laboratory analysis for extraction of iron oxides, and subjected to XRD. Subsequently the data were submitted to descriptive statistics and geostatistics. At the study area the aggregate attribute class more than 4 mm, was the most frequent. This occurrence is related to the presence of gibbsite with greater peak area (cm2).

Key words: geostatistics, physical and mineralogical attributes, spatial variability

 

1 Graduando em Eng. Agronômica, FCAV-UNESP/Solos e Adubos,Via de Acesso Prof. Paulo Donato Castellane,Jaboticabal – SP, cortez.lucas@ig.com.br
2 PROF assistente doutor, FCAV-UNESP/Solos e Adubos marques@fcav.unesp.br
3 Graduando em Eng. Agronômica, FCAV-UNESP/Solos e Adubos,rgpeluco@hotmail.com
4 PROF assistente doutor, FCAV-UNESP/ciências exatas genertp@fcav.unesp.br
5 Eng. Agrônomo Mestre em Producao Vegetal Doutoranda em produção vegetal,FCAV-UNESP/Solos e Adubos li@arantes@hotmail.com

 

Literatura Citada

CAMBARDELLA, C. A., MOORMAN, T. B., NOVAK, J. M., PARKIN, T. B., KARLEN, D. L., TURCO, R. F., KONOPKA, A. E. Field scale variability of soil properties in Central Iowa soils. Soil Science Society of America Journal, v.58, p.1501-11, 1994.

CHAGAS, C. S.; CURI, N.; DUARTE, M. N.; MOTTA, P. E. F.; LIMA, J. M. Orientação das camadas de rochas metapelíticas pobres na gênese de Latossolos sob cerrado. Pesquisa Agropecuária Brasileira. Brasília, v. 32, n. 5, p.539-548, 1997.

EL-SWAIFY, S. A. Physical and mechanical properties of Oxisols. In: THENG , B. K. (Ed.) Soils with variable charge. Palmerstoon North: Society of Soil Science, 1980. p. 303-322.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA. EMBRAPA. Sistema brasileiro de classificação de solos. Rio de Janeiro, 1999. 412 p.

FERREIRA, M. M.; FERNANDES, B.; CURI, N. Influência da mineralogia da fração argila nas propriedades físicas de latossolos da região sudeste do Brasil. Revista Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa, v. 23, n. 3, p. 515-524, 1999.

GHIDIN, A. A.; MELO, V. F.; LIMA, V. C.; LIMA, J. M. J. C. Topossequências de Latossolos originados de rochas basálticas no Paraná. II – Relação entre mineralogia da fração argila e propriedades físicas dos solos. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 30, n. 2, p. 307-319, 2006.

GOLDEN SOFTWARE. SURFER for windows, Realease 6.01. Surface Mapping System, 1995.

KEMPER, W. D.; CHEPIL, W. S. Size distribution of aggregates. In: BLACK, C.A.; EVANS, D. D., WHITE, J. L.; ENSMINGER, L. E.; CLARK, F. E. (Ed.). Methods of soil analysis: physical and mineralogical properties, including statistics of measurement and sampling. Madison: American Society Agronomy, 1965. part 1, p. 499-510.

MARTIN, J. P.; MARTIM, W. P.; PAGE, J. B.; RANEY, W. A; MENT, J.D. Soil aggregation. Advances Agronomy, v. 7, p. 1-37, 1955.

MEHRA, O. P.; JACKSON, M. L. Iron oxide removal from soils and clay by a dithionite-citrate system bulfered with sodium bicarbonate. Clays and Clay Minerals, Washington, 7:317-327, 1960.

MINITAB Release. Making Data analysis Easler. version 13.1, 2000.

MUGGLER, C. C.; CURI, N.; SILVA, M. L. N.; LIMA, J. M. Características pedológicas de ambientesv agrícolas nos chapadões do rio Corrente, sudoeste da Bahia. Pesquisa Agropecuaria Brasileira, Brasília, v. 31, n. 3, p. 221-232, 1996.

RESENDE, M. Aplicações de conhecimentos pedológicos à conservação de solos. Inf. Agropec., Belo Horizonte, v. 11, n. 128, p. 3-18, 1985.

RESENDE, M.; CURI, N.; REZENDE, S. B.; CORRÊA, G. F. Pedologia: base para distinção de ambientes. 2. ed. Viçosa: NEPUT, 1997. 367 p.

ROBERTSON, G. P. GS+: Geostatistics for the environmental sciences: GS+ user’s guide. Plainwell: Gamma Design Software, p.152, 1998.

SCHULZE, D. G. The influence of aluminium on iron oxides VIII. Unit-cel dimension of Al-substituted of goethites and estimation of Al from them. Clays Clay Miner., New York, v. 32, p. 36-44, 1984.

SILVA, M. L. N.; CURI, N.; MARQUES, J. J. G. S. M.; LIMA, L. A.; FERREIRA, M. M.; LIMA J. M. Resistência ao salpico provocado por impacto de gotas de chuva simulada em Latossolos e sua relação com características químicas e mineralógicas. Ciênc. Prát., Lavras, v. 19, n. 2, p. 176-182, 1995.

SILVA, M. L. N.; BLANCANEAAUX, P.; CURI, N., LIMA, J. M.; MARQUES, J. J. G. S. M.; CARVALHO, A. M. Estabilidade e resistência de agregados de Latossolo Vermelho-Escuro cultivado com sucessão milhoadubo verde. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 33, n. 1, p. 97-103, 1998.

WARRICK, A. W.; NIELSEN, D. R. Spatial variability of soil physical properties in the field. In: HILLEL, D. (Ed.). Applications of soil physics. New York: Academic Press, 1980. cap. 2, p. 319-344.

VIEIRA, S. R.; MILLETE, J.; TOPP, G. C.; REYNOLDS, W. D. Handbook for geostatistical analysis of variability in soil and climate data. In: ALVAREZ V.; V. H.; SCHAEFER, C. E. G. R.; BARROS, N. F.; MELLO, J. W. V.; COSTA, L. M., (Ed.). Tópicos em ciência do solo, Viçosa: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 2002, v. 2, p. 1-45.

VIEIRA, S. R. Geoestatística em estudos de variabilidade espacial do solo. In: NOVAIS, R. F.; ALVARES, V.H.; SCHAEFER, C. E. G. R. Tópicos em ciência do solo, Viçosa: Soc. Bras. da Ci do Solo, 2000. p. 1- 54.