Dependência Espacial do pH de Um Latossolo Vermelho Distrófico na Região de Tietê-SP

DOI: http://dx.doi.org/10.12702/III-SGEA-a10

 

downloadpdf

Natália S. Martins1 & Paulo J. Ribeiro Junior2

 

Resumo: A geoestatística possibilita a detecção da variação espacial de elementos químicos do solo, buscando-se desta forma, maior velocidade e economia nas amostragens e análises do solo para a prática da Agricultura de Precisão (AP). O presente estudo teve como objetivo avaliar a dependência espacial dos níveis de potencial hidrogeniônico (pH) de um LATOSSOLO VERMELHO distrófico, situado em uma área agrícola no município de Tietê, SP. Coletaram-se 450 amostras de solo e o pH foi determinado em tempo real por meio de um sensor de íon seletivo. Os dados foram analisados por meio de estatísticas descritivas, exploratórias e com a análise geoestatística comprovou-se e quantificou-se o grau de dependência espacial entre as observações. O modelo teórico Matern foi ajustado e então o mapa da distribuição espacial do pH do solo foi construído por meio da técnica de krigagem. Os resultados ainda revelaram que os valores de níveis de pH nas bordas da área em estudo apresentam-se satisfatórios para a produção agrícola, porém, o centro da área deve receber um tratamento diferenciado, pois esta apresenta um pH o qual é capaz de gerar uma redução de absorção de nutrientes pelas plantas.

Palavras-chave: agricultura de precisão; geoestatística; Krigagem

 

Abstract: The geostatistics enables the detection of spatial soil chemical elements variation, providing greater speed and economy in the sampling and analysis of the soil to the practice of precision agriculture (PA). The present study aimed to evaluate the spatial dependence of hydrogen potential (pH) levels at an Oxisol located in an agricultural area in the city of Tietê/SP, Brazil. The 450 soil samples were collected and pH determined in the real time using selective ion sensor. The data were analyzed by descriptive statistics, exploratory and the geoestatistical analysis which proved and quantified the degree of spatial dependence between observations. The theoretical Marten model was fitted, and then, a map of the pH spatial distribution of the soil was built by Kriging techniques. The results also revealed the values of pH at the border area presented satisfactory levels for agricultural production. However, the central area must receive special treatment because it presented low pH levels which can reduce nutrients absorption by plants.

Key words: precision agriculture; geostatistic; kriging.

 

1 Bacharel em Estatística, ESALQ-USP/Departamento de Ciências Exatas (LCE), Piracicaba-SP, nsmbarreto@gmail.com
2 Engenheiro agrônomo, UFPR/Departamento de Estatística, paulojus@ufpr.br

 

Literatura Citada

BATCHELOR, B.; WHIGHAM, K.; DEWITT, J., Precision agriculture: introduction to precision agriculture. Iowa Cooperative Extension. Disponível em: http://www.extension.iastate.edu/Pages/precisionag/prec-ag.pdf. Acesso em 18 ago. 2012.

CAIRES, E.F.; BARTH, G.; GARBUIO, F. J.; CHURKA, S.. Surface application of lime for crop grain production under a no-till system. Agronomy Journal, n. 97, p. 791-798, 2005.

COELHO, F. S. Fertilidade do solo. 2. ed. Campinas: Instituto Campineiro de Ensino Agrícola, 1973. 384 p.

CRESSIE, N. Statistics for spatial data. New York: John Wiley, 1991. 928 p.

DIGGLE, P. J.; RIBEIRO JR, P. J. Model-based geostatistics. New York: Springer, 2007. 228p.

FARIAS, P. R. S.; BARBOSA, J. C.; VIERA, S. R.; SÁNCHEZ-VILA, X.; FERRAZ, L. C. C. B. Geoestatistical analysis of the spacial distribution off Rotylenchulus reniformis on cotton cultivated in crop rotation. Journal of nematology, Moscow, v10, p. 1-9, 2002.

GONÇALVES, A. C. A.; FOLEGATTI, M. V.; MATA, J. D. V. Análise exploratória e geoestatística da variabilidade de propriedades físicas de um Argissolo Vermelho. Acta Scientiarum Agronomy, Maringá, v. 23, n. 5, p. 1149-1157, 2001.

IHAKA, R.; GENTLEMAN, R. A language for data analysis and graphics. Journal of Computational and Graphical Statistics, São Paulo, v. 5, n. 3, p. 229-314, 1996.

LOPES, A.S. (trad. e adap.). Manual de fertilidade do solo. São Paulo: ANDA/POTAFOS, 1989. 153 p.

RIBEIRO JUNIOR, P. J.; DIGGLE, P. J. Geor: a package from geoestatistical analysis. R-New, v. 1, n. 2, p. 15-18, 2001.

SCHERPINSKI, C.; URIBE-OPAZO, M. A.; VILAS BOAS, M. A.; SAMPAIO, S. C.; JOHANN, J. A. Variabilidade espacial da condutividade hidráulica e da infiltração da água no solo. Acta Scientiarum. Agronomy. Maringá, v. 32, n. 1, p. 7-13, 2010.

VIEIRA, S. R.; HATFIELD, J. L.; NIELSEN, D. R. BIGGAR, J. W. Geostatistical theory and application to variability of some agronomical properties. Hilgardia, Oakland, v. 51, p.1-75, 1983.

WARRICK, A.W.; NIELSEN, D.R. Sapatial variability of soil physical properties in the field. In: HilleL, D., ed. Application of soil physics. New York, Academic Press, p.319-344, 1980.