Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

Distribuição Espacial da Produção de Sedimentos, Aplicando-se Ferramentas Geoestatísticas

DOI: http://dx.doi.org/10.12702/III-SGEA-a16

 

downloadpdf

Luís G. F. Lessa1, Alessandra F. Silva2 & Célia R. L. Zimback3

 

Resumo: O objetivo deste trabalho foi avaliar a distribuição espacial, por geoestatística, da produção de sedimentos gerado pelo SWAT 2009 por modelagem espacial, da parte inicial da bacia hidrográfica do Rio Pardo – SP. Foi utilizado um Sistema de Informação Geográfica (SIG) associado a uma interface com o modelo SWAT para a confecção do banco de dados. A amostragem geoestatística foi representada por uma malha irregular georreferenciada com 43 pontos localizados na parte central de cada sub-bacia representando a média mensal de sedimentos produzido no período de 01 de janeiro de 1994 a 31 de dezembro de 1999. A análise geoestatística foi realizada pela construção do variograma e posteriormente a confecção do mapa interpolado por krigagem. Do resultado obtido observou-se que a média da produção de sedimentos apresentou dependência espacial de 2820,00 m. Os maiores valores para a produção de sedimentos foram encontrados no lado direito da bacia e o uso do solo promoveu a diferença na produção de sedimentos nas sub-bacias analisadas.

Palavras-chave: geoestatística; krigagem; SWAT

 

Abstract: The objective of this works was to evaluate the spatial distribution ofsediment yield generated by SWAT 2009 by geostatistical spatial modeling, in the initial part of Rio Pardo – SP basin. It was used a Geographic Information System (GIS) associated with an interface with the SWAT model for the database construction. The geostatistical sampling was represented by an irregular grid with 43 georeferenced points located in the central part of each sub-basin, representing the average monthly sediment yield in the period from January 1st, 1994 to December 31, 1999. The geostatistical analysis was performed constructing variograms and then interpolated map was obtained using kriging method. The result showed that the average sediment yield showed spatial dependence of 2820.00 m. The highest values for the production of sediments were found on the right side of the basin and the land use promoted the difference in sediment yield in sub-basins analyzed.

Key words: geostatistics; kriging; SWAT

 

1 Geólogo, Doutor em Agronomia (Energia na Agricultura), FCA / UNESP, Rua Nossa Senhora de Fátima, 553, Vila Antártica, 18.608-540, Botucatu, SP, luisgustavo_lessa@yahoo.com.br
2 Engenheira Agrônoma, Doutoranda em Agronomia (Energia na Agricultura), FCA / UNESP, Rua Humberto Milanesi, 159, Residencial Pimavera, 18.610-385, Botucatu, SP, alefagioli@hotmail.com
3 Engenheira Agrônoma, Profa. Dra. do Departamento de Solos e Recursos Ambientais, FCA / UNESP, C.P. 237, CEP 18610-307, Botucatu, SP, czimback@fca.unesp.br

 

Literatura Citada

BERTONI, J.; LOMBARDI NETO, F. Conservação do solo. 2. ed. São Paulo: Icone, 1990. 355 p.

CARVALHO, W. A.; JIM, J. Áreas de proteção ambiental: região da “Serra de Botucatu” e região da “Serra de Fartura”. Botucatu: Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências Agronômicas; Instituto Básico de Biologia, 1983. 47 p.

COELHO NETTO, A. L. Hidrologia de encosta na interface com a geomorfologia. In: GUERRA, A. J. T.; CUNHA, S. B. (Ed.). Geomorfologia: uma atualização de bases e conceitos. 3. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998. p. 93-148.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Secretaria de Planejamento da Presidência da República. Carta do Brasil – Quadrícula de Botucatu. Rio de Janeiro, 1969. 1 folha SF – 22 – R – IV – 3 – Botucatu. Escala 1:50.000.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Secretaria de Planejamento da Presidência da República. Carta do Brasil – Quadrícula de Bofete. Rio de Janeiro, 1982. 1 folha SF – 22 – Z – D – III – 1 – Bofete. Escala 1:50.000.

MARTINS, S. G.; SILVA, M. L. N.; CURI, N.; FERREIRA, M. M.; FONSECA, S.; MARQUES, J. J. G. S. M. Perdas de solo e água por erosão hídrica em sistemas florestais na região de Aracruz (ES). Revista Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa, MG, v. 27, n. 3, p. 395-403, mai./jun, 2003.

MENDIONDO, E. M.; TUCCI, C. E. M. Escalas hidrológicas II: diversidade de processos na bacia vertente. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, Porto Alegre, v. 2, n. 1, p. 59-122, 1997.

MERTEN, G. H.; MINELLA, J. P. Qualidade da água em bacias hidrográficas rurais: um desafio atual para a sobrevivência futura. Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável, Porto Alegre, v. 3, n. 4, p. 33-38, out/dez, 2002.

ROBERTSON, G. P. GS+: Geoestatistics for the environmental sciences – GS+ User´s Guide version 9.0. Plainwell: Gamma Desing Software, 2008. 152 p.

SHAW, K. An evaluation of the Basins 3.0 models including the procedural steps taken to evaluate the Barton Creek Watershed. Lexington: University of Kentuck, 2001. 22 p.

TUCCI, C. E. M. (Org.). Hidrologia: ciência e aplicação. 2. ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS; ABRH, 2001. 943 p. (Coleção ABRH de Recursos Hídricos, 4).

VIEIRA, S. R.; HATFIELD, T. L.; NIELSEN, D. R.; BIGGAR, J. W. Geostatistical theory and application to variability of some agronomical properties. Hilgardia, v. 51, n. 3, p. 1-75, 1983.

ZIMBACK, C. R. L. Levantamento semidetalhado dos solos da bacia do Rio Pardo nos municípios de Pardinho e Botucatu. Botucatu: UNESP, Faculdade de Ciências Agronômicas, 1997. 55 p.

ZIMBACK, C. R. L. Análise espacial de atributos químicos de solos para fins de mapeamento da fertilidade. 2001. 114 f. Tese de Livre-Docência (Livre-Docência em Levantamento do solo e fotopedologia)-Faculdade de Ciências Agronômicas, Universidade Estadual Paulista, Botucatu, 2001.