Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Continuidade Espacial da Diversidade das Espécies Arbóreas em Um Fragmento de Campo Cerrado em Minas Gerais

DOI: http://dx.doi.org/10.12702/IV-SGEA-a39

 

downloadpdf

Batista1, A. P. B.; Raimundo2, M. R.; Reis2, A. A.; Louriene3, I. G.; Mello4, J. M.

 

Resumo: O objetivo deste trabalho foi verificar a estrutura de dependência espacial da diversidade de espécies arbóreas por meio de técnicas geoestatísticas em um fragmento de Campo cerrado em Minas Gerais. Foram utilizadas 40 parcelas de 1000 m², nas quais foram medidos todos os indivíduos arbóreos com circunferência a altura de 1,3 m do solo igual ou superior a 15,7 cm. Para cada parcela foi contabilizado o número de indivíduos e o número de espécies para o cálculo do índice de diversidade de Shannon (H’). Foi realizada análise exploratória dos dados e posteriormente o estudo variográfico. Os modelos analisados foram: esférico, exponencial e gaussiano para ajuste ao semivariograma experimental pelos métodos dos Quadrados Mínimos Ordinários (OLS), Quadrados Mínimos Ponderados (WLS). De forma geral, os modelos e métodos de ajuste dos semivariogramas foram satisfatórios com destaque para o modelo Exponencial (exp) que foi o escolhido entre os demais analisados com melhor desempenho para os dados de diversidade calculados pelo índice de Shannon (H’) para espécies arbóreas na fisionomia de Campo cerrado em Minas Gerais.

Palavras-chave: Índice de Shannon; geoestatística; semivariograma.

 

Abstract: This study aimed to verify the spatial dependence structure of tree species diversity, throught geostatistical techniques in a Cerrado path in Minas Gerais. There are 40 plots of 1.000 m² each. In every plot, the trees with a circumference of, at least 15.3cm were measured at 1.3 m from the ground height. For each plot was counted the number of individuals and the number of species to calculate the Shannon diversity index (H'). Exploratory data analysis was performed and then the study of variogram. The following models were analyzed: spherical, exponential and Gaussian. In sequence they were fitted to the experimental semivariogram through Ordinaries Least Squares (OLS) and Weighted Least Squares (WLS) method. In general the models and semivariograms adjustment methods were satisfactory. The one that presented the best performance was exponential. It was chosen among the other ones analyzed for diversity data calculated by the Shannon index (H ') for tree species in a Campo cerrado physiognomy in Minas Gerais.

Key words: Shannon index, geostatistics; semivariogram.

 

1 Doutorando em Engenharia Florestal, UFLA/LEMAF/Departamento de Ciência Florestal/ CEP:37200-000, Lavras, MG, anderson_pedro22@yahoo.com.br
2 Mestrandos em Engenharia Florestal, UFLA/LEMAF/Departamento de Ciência Florestal/ CEP:37200-000, Lavras, MG, marcelufla@gmail.com; alinyreis@hotmail.com
3 Graduanda em Engenharia Florestal, UFLA/LEMAF/Departamento de Ciência Florestal/ CEP:37200-000, Lavras, MG, iasmimlouriiene@gmail.com
4 Professor Doutor, UFLA/LEMAF/Departamento de Ciência Florestal/CEP:37200-000, Lavras, MG, josemarcio@dcf.ufla.br

 

Literatura Citada

AMARAL, L. P. et al. Variabilidade espacial do Índice de Diversidade de Shannon-Wiener em Floresta Ombrófila Mista. Scientia Forestalis, Piracicaba, v.42, n. 97, 2013.

ASSIS, A. L. et al. Development of a sampling strategy for young stands of Eucalyptus sp. using geostatistics. Cerne, Lavras, v. 15, n. 2, p. 166-173, 2009.

BURNHAN, K. P.; ANDERSON, D. R. Model selection and multimodel inference. 2ed. New York: Springer, 2002. 350 p.

CAMBARDELLA, C. A. et al. Field scale variability of soil properties in central Iowa soils. Soil Science Society of America Journal, Madison, v. 58, n. 5, p. 1501-1511, 1994.

DURIGAN, G. Estrutura e diversidade de comunidades florestais. In: MARTINS, S. V. Ecologia de florestas tropicais do Brasil. 2ed. Viçosa-MG, Editora: UFV, 2012, 371 p.

FELFILI, J. M.; REZENDE, R. P. Conceitos e métodos em fitossociologia. Brasilia: Universidade de Brasilia, 2003. 68 p.

MELLO, J. M. et al. Ajuste e seleção de modelos espaciais de semivariograma visando à estimativa volumétrica de Eucalyptus grandis. Scientia Forestalis, Piracicaba, v. 69, n. 4, p. 25-37, 2005.

MELLO, J. M. de. Geoestatística aplicada ao inventário florestal. 2004. 110 f. Tese (Doutorado em Recursos Florestais) Escola Superior de Agricultura de Luiz de Queiroz, Piracicaba, 2004.

MELLO, C. R. et al. Continuidade espacial de chuvas intensas no estado de Minas Gerais. Ciência e Agrotecnologia, Lavras, v. 32, n. 2, 2008.

OKSANEN, J. et al. Vegan: community ecology package. R package version 2.0-7. Disponível em: <http://CRAN.R-project.org/package=vegan >. Acesso em: 02 out. de 2014.

PELISSARI, A. L. et al. Geoestatística aplicada ao manejo de povoamentos florestais de Teca, em períodos pré-desbaste seletivo, no estado do Mato Grosso. Revista Brasileira de Biometria, São Paulo, v. 32, n. 3, p. 430-444, 2014.

RIBEIRO JÚNIOR, P. J.; DIGGLE, P. J. geoR: a package for geostatistical analysis. R-NEWS, Pelotas, v. 1, n. 2, p. 15-18, 2001.

RITTER, L. M. O.; RIBEIRO, M. C.; MORO, R. S. Composição florística e fitofisionomia de remanescentes disjuntos de Cerrado nos Campos Gerais, PR, Brasil – limite austral do bioma. Biota Neotropica, vol.10, n.3, p. 379-414, 2010. Disponivel em <http://www.biotaneotropica.org.br/v10n3/pt/abstract?inventory+bn04010032010>. Acesso em 02 dez. 2014.

R DEVELOPMENT CORE TEAM. R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna. Disponível em:< http://www.Rproject.org >. Acesso em: 08 jul. de 2014.

SCOLFORO, J. R. S.; MELLO, J. M.; OLIVEIRA, A. D. Inventário florestal de Minas Gerais: Cerrado: florística, estrutura, diversidade, similaridade, distribuição diamétrica e de altura, volumetria, tendências de crescimento e áreas aptas para manejo florestal. Lavras: UFLA, 2008.