Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Aspectos Epistemológicos Subjacentes a Escolha da Técnica do Grupo Focal na Pesquisa Qualitativa

DOI: http://dx.doi.org/10.18256/2175-5027/psico-imed.v1n2p260-268

https://seer.imed.edu.br/index.php/revistapsico/index 

downloadpdf

Luciane N. Smeha1

  

Resumo: Nas abordagens qualitativas de pesquisa, a técnica do grupo focal é muito utilizada e, portanto, é necessário aprofundar a reflexão sobre os paradigmas que orientam a escolha deste instrumento. Neste artigo, o objetivo é elucidar aspectos epistemológicos subjacentes à escolha da técnica dos grupos focais na pesquisa qualitativa, além da apresentação e discussão da utilização dessa técnica e os pressupostos éticos que embasam o pesquisador na prática de coleta de dados com grupo focal. Ao finalizar, salienta-se a necessidade de congruência e a interdependência entre os aspectos ontológicos, epistemológicos e éticos na escolha dos métodos e instrumentos de pesquisa.

Palavras-chave: Grupo focal, pesquisa qualitativa, epistemologia.

 

Abstract: In The research qualitative approaches, the focal group technique is often used and, thus, it is necessary to deepen the reflections about the paradigms that guide the choice of this instrument. In this article, the objective is to elucidate epistemological aspects underlying the choice of the focal group technique in the qualitative research, besides the presentation and discussion of the use of this technique and the ethical assumptions which support the researcher in the data collecting process with a focal group. At the end, the congruence necessity and the interdependence between the ontological, epistemological and ethical aspects are highlighted in the choice of the research method and instruments.

Key words: Focal group, qualitative  research,  epistemology.

 

1 Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Psicologia da PUCRS. Docente no curso de graduação em psicologia da UNIFRA.

 

Literatura Citada

Arendt, R. J. J. (1999). Investigações em torno do objeto da psicologia. Em A. M. JacóVilela & D. Mancebo (Orgs). Psicologia Social. Abordagens Sócio-Históricas e Desafios Contemporâneos. Rio de Janeiro: Ed. UERJ.

Bauer, M. W; Gaskell, G. & Allum, N. C.(2002). Qualidade, quantidade e interesses do conhecimento: Evitando confusões. In M.W. Bauer & G. Gaskell(Orgs). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som(pp.17-36). Petrópolis, Rio de Janeiro:Vozes.

Cassell, C. & Symon, G. (2004). Essential guide to qualitative methods in organizational research. London: Sage Publications.

Denzin,N. & Linconln,Y.(1994). Handbook of Qualitative Research. London: Sage Publications.

Gatti, B. A.(2005).Grupo focal nas pesquisas em ciências sociais e humanas. Brasília:Líber Livro.

Gomes,S.R.(2005). Grupo focal: uma alternativa em construção na pesquisa educacional.Cadernos de Pós-graduação,4, 39-45.

Gomes, W. (1993). As questões epistemológicas e a formação do pesquisador na pósgraduação brasileira. Em Pauta, 5 (7), 3-27.

Gondim, S. M. G. (2002). Grupos focais como técnica de investigação qualitativa: desafios metodológicos. Paidéa ,12 (24), 149-161.

Guba, E & Linconln, Y. (1994).Compenting paradigms in qualitative reseach. In N.Dezin & Y.Linconln (Orgs), Handbook of Qualitative Research.London: Sage Publications.

Mazza,V.A.;Melo,N.S.F.& Chiesa, A.M.(2009).O grupo focal como técnica de coleta de dados na pesquisa qualitativa:relato de experiência. Cogitere Enfermagem,14 (1),183188.

Kind, L. (2004) Notas para o trabalho com a técnica de grupos focais. Psicologia em Revista, 10 (5), 124-136.

Rasera, E. & Japur, M. (2001). Contribuições do pensamento construcionista para o estudo da prática grupal. Psicologia: Reflexão e Crítica, 14 (1), 201-209.

Ressel,L.B ;Beck,C.L.C; Gualda, D.M.R;Hoffmann,I.C;Silva,R.M;Sehnem,G.D.(2008).O uso do grupo focal em pesquisa qualitativa.Texto & Contexto Enfermagem, 17 (4),779786.

Rodrigues, H. B. C. (1999) Sobre as histórias das práticas grupais. Explorações quanto a um intrincado problema. Em A M. Jacó-Vilela & D. Mancebo (Orgs). Psicologia Social. Abordagens Sócio-Históricas e Desafios Contemporâneos (pp.111-165). Rio de Janeiro: Ed. UERJ.

Roso, A.(1997). Grupos focais em psicologia social: da teoria à prática. Psico, 28 (2),155169

Silva, R. C. (1998). A falsa dicotomia qualitativo-quantitativo: paradigmas que informam nossas práticas de pesquisa. In G. Romanelli & Z, M. M. Biasoli-Alves (Eds.), Diálogos metodológicos sobre práticas de pesquisa (pp.159-174).Ribeirão Preto, SP: Ed. Legis Summa.

Veiga, L. & Gondim, S.M.G. (2001). A utilização de métodos qualitativos na ciência política e no marketing político. Opinião Pública. 2 (1), 1-15.