Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

A Atuação do Psicólogo Jurídico na Alienação Parental

DOI: http://dx.doi.org/10.18256/2175-5027/psico-imed.v6n2p81-88

https://seer.imed.edu.br/index.php/revistapsico/index 

downloadpdf

Ariele F. da Luz1, Denise Gelain2 & Tatiana K. Benincá3

  

Resumo: A atuação do psicólogo na área de família é ampla e abrange várias questões, destacando-se os casos em que se constata a alienação parental. Neste sentido, este artigo tem como objetivo geral refletir sobre a importância da atuação da Psicologia Jurídica no Direito de Família, em especial, na questão da alienação parental. E como objetivos específicos investigar quais as medidas tomadas após o seu diagnóstico, compreender o comportamento e as características dos alienadores e verificar as suas consequências nas crianças e nos adolescentes vitimizados. Esta pesquisa consiste em um levantamento de cunho exploratório, realizada com seis psicólogos atuantes no Poder Judiciário do Rio Grande do Sul (Brasil) através de um questionário com perguntas semiabertas enviado por e-mail. Os dados foram organizados e sistematizados de acordo com os objetivos, utilizando o método de Análise de Conteúdo de Bardin. Os resultados da pesquisa evidenciaram uma valorização do trabalho do psicólogo jurídico nas Varas de Família e um conhecimento dos aspectos da alienação parental por parte dos profissionais, contribuindo para a adoção de medidas adequadas no combate da mesma.

Palavras-chave: Alienação parental, Psicologia jurídica, Direito de família.

 

Abstract: The performance of the psychologist in the family area is wide and covers a number of issues, including the cases where it turns out the parental alienation. In this sense, this article aims to reflect on the importance of the performance of forensic psychology in Family Law, in particular, on the issue of parental alienation. And as specific objectives to investigate what measures taken after your diagnosis, understand the behavior and characteristics of alienadores and check out their consequences in children and adolescents victimised. This research consists of a survey of exploratory nature, carried out with six psychologists operating in Judiciary of Rio Grande do Sul (Brazil) through a questionnaire with questions semi open submitted by e-mail. The data were organized and systemized according to the goals, using the method of Bardin’s Analysis Content. The survey results showed an appreciation of the work of the psychologist in the sticks of Legal Family and a knowledge of the aspects of parental alienation on the part of professionals, contributing to the adoption of appropriate measures to combat it.

Key Words: Parental alienation, Forensic psychology, Family law.

 

1 Acadêmica do 9º semestre da Escola de Psicologia da Faculdade Meridional (IMED). E-mail: <arielefl@outlook.com>;.
2 Mestre em Educação pela Universidade de Passo Fundo (UPF), especializações em Intervenções Psicossociais e Arteterapia, graduação em Psicologia pela Universidade de Passo Fundo (UPF). E-mail: <denigelain@terra.com.br>;.
3 Graduada em Psicologia pela Faculdade Meridional (IMED). E-mail: <tatianak79@hotmail.com>;.

 

Literatura Citada

Almeida, M. G. (2009). A síndrome da alienação e da morte parental: breves considerações. Revista Erga Omnes (5), 48-53.

Bardin, L. (2009). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Brasil. (2010). Lei da Alienação Parental: Lei nº 12.318, de 26 de agosto de 2010.

Costa, L. F.; Penso, M. A.; Legnani, V. N., & Sudbrack, M. F. O. (2009). As competências da psicologia jurídica na avaliação psicossocial de famílias em conflito. Revista Psicologia & Saúde, 21(2), 233-241.

Dias, M. B. (2010). Síndrome da alienação Parental: o que é isso?. Disponível em: www.mariaberenice.com.br. Acessado em 15 de novembro de 2013.

Falcão, V. N. L. (2012). A Lei da Alienação Parental como instrumento de proteção dos direitos fundamentais e dos direitos da personalidade da criança e do adolescente. (Trabalho de Conclusão de Curso). Centro Universitário de Brasília (UniCEUB), Brasília.

Farias, C. C. & Rosenvald, N. (2008). Direito das Famílias. Rio de Janeiro: Lumen Juris.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas. Hironaka, G. M. F. N. & Monaco, G. F. C. (2012). Síndrome de Alienação Parental. In: A. C. B. Teixeira, G. P. L. Ribeiro, A. C. M. Coltro, & M. C. O. Telles (Orgs.) Problemas da família no Direito. (p. 235-247). Belo Horizonte: Del Rey.

Kuroviski, C. (2011). A disciplina da psicologia jurídica na graduação dos cursos de psicologia. Comunicação apresentada no I Congresso Brasileiro e II Simpósio Sul-Brasileiro de Psicologia Jurídica. Porto Alegre.

Lago, V. M. & Bandeira, D. R. (2009). A Psicologia e as demandas atuais do Direito de Família. Psicologia Ciência e Profissão, 29 (2), 290-305.

Leiria, C. S. (2009). Síndrome da Alienação Parental. Ponto Jurídico. Disponível em: http://www.pontojuridico.com/modules.php?name=News&-file=article&sid=151. Acessado em 15 de novembro de 2013.

Martins, N. M. (2011). Perícias psicológicas na área de família. Curso de Psicologia Jurídica. Porto Alegre: Clínica de Psicoterapia e Instituto de Mediação – CLIP.

Paulo, B. M. (2011). Alienação Parental: identificação, tratamento e prevenção. Revista Brasileira de Direito das Famílias e Sucessões (19), 05-25.

Podevyn, F. (2001). Síndrome da Alienação Parental. Tradução para o português: Associação de Pais e Mães Separados (Apase). Disponível em: http://www.apase.org.br. Acessado em 15 de novembro de 2013.

Rangel, E. H. P. & Pinheiro, G. L. (2009). Alienação parental. Revista Eletrônica Pensar Direito, 3 (1), 1-10.

Rocha, P. R. M. (2012). A Lei de Alienação Parental e seus meios punitivos. (Trabalho de Conclusão de Curso). Centro Universitário de Brasília (Uni- CEUB), Brasília.

Rosa, F. N. (2008). A síndrome de alienação parental nos casos de separações judiciais no Direito Civil Brasileiro. (Trabalho de Conclusão de Curso). Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Porto Alegre.

Rovinski, S. L. R. & Cruz, R. M. (2009). Psicologia jurídica: perspectivas teóricas e processos de intervenção. São Paulo: Vetor.

Santos, L. A. S. (2012). Alienação Parental: consequências jurídicas e psicológicas. (Trabalho de Conclusão de Curso). Faculdade Capixaba de Nova Venécia, Nova Venécia.

Shine, S. K. (2009). Andando no fio da navalha: riscos e armadilhas na confecção de laudos psicológicos para a justiça. (Tese de Doutorado). Universidade de São Paulo (USP), São Paulo.

Silva, D. M. P. (2013) Dos tribunais para o divã. Associação de Pais e Mães Separados (Apase). Disponível em: http://www.apase.org.br. Acessado em 15 de novembro de 2013.

Trindade, J. (2010). Manual de Psicologia Jurídica Para Operadores do Direito. Porto Alegre: Livraria do Advogado Editora.

Velly, A. M. F. (2010). A síndrome de alienação parental: uma visão jurídica e psicológica. Comunicação apresentada no II Congresso de Direito de Família do Mercosul – IBDFAM. Porto Alegre.

Versiani, T. G.; Abreu, M.; Souza, I. G., & Teixeira, A. C. A. L. (2009). A síndrome da alienação parental na reforma do judiciário. Portal Síndrome da Alienação Parental (SAP). Disponível em: www.alienacaoparental.com.br. Acessado em 15 de novembro de 2013.