Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Efeito do Ultrassom Focalizado (HIFU) no Tecido Adiposo Abdominal

DOI: http://dx.doi.org/10.18606/2318-1419/amazonia.sci.health.v3n3p17-25

http://ojs.unirg.edu.br/index.php/2/ 

downloadpdf

Lara P. Brito1, Fernanda D. Fontenelle2, Sávia D. S. C. Herrera3, Ivandra M. Roiesk4, Cláudio F. Muniz5, Anny P. Rossone6 & Júlia S. Diniz7

 

Resumo: Introdução: O contorno corporal preocupa muitas mulheres e o ultrassom focalizado (HIFU) atua no tecido adiposo reduzindo-o. Objetivo: Comparar os efeitos do ultrassom focalizado sobre o tecido adiposo abdominal de mulheres praticantes e não praticantes de atividade física. Materiais e Métodos: A amostra foi composta por 22 mulheres voluntárias com sobrepeso, divididas igualmente em dois grupos (G1- não praticantes de atividade física e G2 praticantes), e subdivididas de acordo com a faixa etária em A de 20-29 anos e B de 30-39 anos. Foram avaliadas pré e pós o protocolo de tratamento através da bioimpedância, pregas cutâneas, perimetria, escala de satisfação da imagem corporal e lipidograma completo. Foram realizadas cinco sessões, sendo uma por semana, utilizando ultrassom focalizado durante 40 minutos, após aprovação do comitê de ética, sob o número 388.929/2013. Resultados: Todos os grupos apresentaram diminuição estatisticamente significativa na perimetria da região tratada, cintura e abdome, respectivamente, sendo G1A (p= 0,0052/ 0,0051), G1B (p= 0,0081/ 0,0090), G2A (p= 0,0197/ 0,0032) e G2B (p= 0,0132/ 0,0400), e somente o G1A (p= 0,0211) reduziu quadril. Na bioimpedância apenas em massa gorda (MG) o G1B apresentou redução (p= 0,0493). Nas pregas cutâneas houve redução significativa nas pregas biciptal em G1B (p= 0,0326) e G2A (p= 0,0218), e em G1A nas pregas escapular (p= 0,0395) e abdominal (p= 0,0408). Apenas o item “como se vê” da imagem corporal apresentou redução no G2A (p= 0,0041). No perfil lipídico, somente o G2B reduziu significativamente os valores de colesterol total e LDL. Conclusão: Conclui-se que o protocolo utilizado com HIFU reduziu a perimetria em praticantes e não praticantes de atividade física.

Palavras-chave: Impedância elétrica. Tecido adiposo. Ultrassom. Sobrepeso.

 

Abstract: Introduction: The body contour worries many women and the high-intensity focused ultrasound (HIFU) acts in adipose tissue reducing it. Objective: To compare the effects of focused ultrasound of the abdominal adipose tissue of female practitioners and not physically active. Methods: The sample consisted of 22 female volunteers overweight, equally divided into two groups (G1 not physically active and practicing G2) and subdivided according to age group of 20-29 years and the B 30-39 years old. Were evaluated before and after the treatment protocol by bioelectrical impedance, skinfold, girth, satisfaction scale of body image and complete lipid profile. Five sessions were held, one per week, using focused ultrasound for 40 minutes, after approval by the ethics committee, under the number 388.929/2013. Results: All groups showed statistically significant reduction in the circumference of the treated area, waist and abdomen, respectively, G1A (p = 0.0052 / 0.0051), G1B (p = 0.0081 / 0.0090), G2A (p = 0.0197/ 0.0032) and G2B (p = 0.0132 / 0.0400), and only G1A (p = 0.0211) reduced hip. In bioimpedance only in fat mass (FM) the G1B decreased (p = 0.0493). In skinfold significant reduction in bicipital G1B folds (p = 0.0326) and G2A (p = 0.0218), and the shoulder G1A folds (p = 0.0395) and abdominal (p = 0.0408). Only the item "as seen" body image decreased in G2A (p = 0.0041). Lipid profile, only the G2B significantly reduced total and LDL cholesterol levels. Conclusion: We conclude that the protocol used with HIFU reduced perimetry in practicing and not physically active.

Key words: Electric Impedance. Adipose Tissue. Ultrasonics. Overweigth

 

1 Graduada em Fisioterapia do Centro Universitário UnirG, Gurupi-TO. Email: lara_ponce@hotmail.com
2 Graduada em Fisioterapia do Centro Universitário UnirG, Gurupi-TO. Email: fernandavid1@hotmail.com
3 Fisioterapeuta. Especialista em Fisioterapia Respiratória/UNOPAR-PR e Fisioterapia Estética IBRAPE-SP. Profª. Assistente do Centro Universitário UnirG. Gurupi-TO. Email: saviadenise@hotmail.com
4 Nutricionista. Mestre em Motricidade Humana/UCB. Email: ivandra.roieski@yahoo.com.br
5 Biólogo. Mestre em ecologia e Conservação de Recursos Naturais/UFU-MG. Profº. Adjunto do Centro Universitário UnirG, Gurupi-TO. Email: cfmuniz@gmail.com
6 Fisioterapeuta Especialista em Fisioterapia Traumato Ortopedia com ênfase em Terapias Manuais/UCB. Profª. Assistente do Centro Universitário UnirG. Gurupi/TO. Email: anny.pires@hotmail.com
7 Fisioterapeuta. Mestre em Bioengenharia pela UNIVAP. Professora e Coordenadora da Pós Graduação em Fisioterapia Dermato Funcional da Faculdade de Estácio de Sá- Belo Horizonte- MG.

 

Literatura Citada

Masset KVB, Safon MP. Excesso de peso e insatisfação com a imagem corporal em mulheres. ArqSannyPesq Saúde, Natal. 2008;1(1): 38-48.

Tacani PM, Machado AFP, Souza DAA, Tacani RE. Efeito da massagem clássica estética em adiposidades localizadas: estudo piloto. Rev Fisioterapia e Pesq, São Paulo. 2010;17(4): 352- 7. http://dx.doi.org/10.1590/S1809-29502010000400013

Sulino RM, Silva AP, Ramos LE, Silva E, Freitas WZ. Comparação entre o índice de adiposidade corporal e a avaliação da composição corporal através de medidas de dobras cutâneas. Rev Coleção Pesq em Ed Física. 2011; 10(1): 63-8.

Mistério da Saúde. Estatística sobrepeso e obesidade. Site do mistério da saúde, 2011 [acesso em 2013 mar 25]. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/aplicacoes/noticias/default.cfm?pg=dspDetalheNoticia&id_area=124&CO_NOTICIA=11458.

Hernandes F, Valentini MP. Obesidade: causas e consequências em crianças e adolescentes. Rev Faculdade de Educação Física da UNICAMP.2010; 8(3): 47-63.

Mattia IM. Os efeitos da endermoterapia sobre a gordura abdominal: uma analise da plicometria e de bioimpedância. [monografia] [internet]. Criciúma: Universidade do extremo sul catarinense- UNESC; 2011 [acesso em 2013 mar 23]. Disponível em: http://200.18.15.27/bitstream/handle/1/325/IngriddeMouradeMattia.pdf?sequence=1.

Meyer PF, Carvalho MGF, Andrade LL, Lopes RNS, Delgado AM, Araújo HG, et al. Efeitos da ultracavitação no tecido adiposo de coelhos. Rev Fisioterapia Brasil. 2012; 13(2): 113-8.

Agne EJ. Eletrotermofototerapia. Santa Maria: Editora Agne; 2013.

Zucco F. A eficácia da técnica de ultracavitação na redução de gordura localizada abdominal. Rev Digital Nova Fisio, Rio de Janeiro. 2013 [acesso em 2013 abr 02]; 16(90). Disponível em: http://www.novafisio.com.br/artigos/dermatofuncional/a-eficacia-da-tecnica-de-ultracavitacao-na-reducao-de-gordura-localizada-abdominal.

Oliveira AS, Bressan J. Tecido adiposo como regulador da inflamação e da obesidade. Rev Digital, Buenos Aires. 2010 [acesso em 2013 mai 04]; 15(150). Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd150/tecido-adiposo-como-regulador-da-obesidade.htm.

Moraga JM, Alte´s TV, Riquelme AM, Marcosy MII, Torre JR. Body Contouring by Non-Invasive Transdermal Focused Ultrasound. Lasers in Surgery and Medicine, Madrid, Spain.2007; 39: 315–23. http://dx.doi.org/10.1002/lsm.20478

Eickemberg M, Oliveira CC, Roriz AKC, Sampaio LR. Bioimpedância elétrica e sua aplicação em avaliação nutricional. Rev Nutr. 2011; 24(6): 873-82.

American College of Sports Medicine. Percentual de Gordura Corporal Ideal [internet].[ acesso em 2013 abr 16]. Disponível em: http://www.saudeesportiva.com.br/gordura-corporal.php.

Martins MO, Lopes, MA. Perímetros. In: Petoski EL. Antropometria: técnicas e padronizações. 5. ed. Porto Alegre: E.L. Petroski; 2003.

Consensus Worldwide Definition of the Metabolic Syndrome. International Diabetes Federation – IDF; 2006.

Stunkard AJ, Sorenson T, Schlusinger F. Use of the Danish Adoption Register for the study of obesity and thinness. In: Kety SS, Rowland LP, Sidman RL, Matthysse SW, editors. The genetics of neurological and psychiatric disorders. New York: Raven, 1983;115-20.

Sabia RV, Santos JE, Ribeiro, RPP. Efeito da atividade física associada à orientação alimentar em adolescentes obesos: comparação entre o exercício aeróbio e anaeróbio. Rev Bras Med Esporte. 2004; 10(5): 349- 55. http://dx.doi.org/10.1590/S1517-86922004000500002

Krotkiewski M. Role of muscle morphology in the development of insulin resistance and metabolic syndrome. Presse Med.1994; 23(30): 1393-9.

Machado GC, Vieira RB, Oliveira NML, Lopes CR. Análise dos efeitos do ultrassom terapêutico e da eletrolipoforese nas alterações decorrentes do fibroedema geloide. FisioterMov. 2011; 24(3): 471-9. http://dx.doi.org/10.1590/s0103-51502011000300012

Louzada ER. Alterações em alguns aspectos da composição corporal em mulheres obesas após um programa de exercício físico. [dissertação de mestrado] [internet] São Paulo. 2007 [acesso em 2013 jul 19]; Disponível em: http://www.usjt.br/biblioteca/mono_disser/mono_diss/033.pdf.

BayrakciTunay V, Akbayrak T, Bakar Y, Kayihan H, Ergun N. Effects of mechanical massage, manual lymphatic drainage and connective tissue manipulation techniques on fat mass in women with cellulite. J Eur Acad Dermatol Venereol. 2010; 24(2): 138-42. http://dx.doi.org/10.1111/j.1468-3083.2009.03355.x

Francischi RPP, Pereira LO, Freitas CS, Klopfer M, Santos RC, Vieira P et al. Obesidade: atualização sobre sua etiologia, morbidade e tratamento. Rev Nutr. 2000; 13(1): 17-28. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-52732000000100003

Lima MSD. Relação da força, da flexibilidade e do nível de atividade física no equilíbrio motor em idosos [ trabalho de conclusão de curso ] [ internet ] Curitiba. 2011. [acesso em 2013 out 20]; Disponível em: http://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/bitstream/1/208/1/CT_COEFI_2011_2_02.pdf.

Paula RM, Simões NP, Picheth G. Efeitos da eletrolipoforese nas concentrações séricas do glicerol e do perfil lipídico. Fisioter Bras. 2007; 3 (Suplesp): 5-9.

Foss ML, Keteyian SJ. Bases fisiológicas do Exercício e do Esporte. 6ª edição. Rio de Janeiro: Ed. Manole; 2001.

Goldberg L, Elliot DL, Schutz RW, Kloster FE. Changes in lipid and lipoprotein levels after weight training. The Journal of the American Medical Association. 1984; 252(4): 504-6. http://dx.doi.org/10.1001/jama.1984.03350040034018

Citado por

Sem citações recebidas.