Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Das Vassouras aos Ramos: O Arquétipo das Benzedeiras nas Antigas Bruxas Medievais

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-0985/mandragora.v21n21p119-133

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/MA/index 

downloadpdf

Gilson X. de Azevedo1

 

Resumo: O objetivo do presente artigo é considerar a figura das benzedeiras como agentes da magia contida no mundo e materializada por meio da cultura e da força presente na natureza, que lhes possibilita manipular plantas e rezas em função da promoção da cura que acreditam ser capazes de fazer. Tais considerações são abordadas a partir de uma distinção entre religião e magia fazendo-se toda uma contextualização em relação à possibilidade de as benzedeiras terem suas raízes históricas na figura das bruxas como agentes que tinham mais ou menos a mesma função social. O artigo é uma revisão de literatura que amplia o debate sobre o tema proposto.

Palavras-chave: religião; bruxas; benzedeiras; ramos; benzeções.

 

Abstract: The purpose of this article is to consider the figure of healers like magic agents contained in the world and materialized through culture and strength present in nature, allowing them to manipulate plants and prayers due to the promotion of healing they believe to be able to do. Such considerations addressed are from a distinction between religion and magic making up a whole context regarding the possibility of the healers have their historical roots in the figure of witches as agents who had more or less the same social function. The article is a literature review that widens the debate on the theme.

Key words: religion; witches; healers; sheets; blessings.

 

1 Doutorando em Ciências da Religião pela PUC-GO (2014-2016-BOLSISTA FAPEG). Mestre em Ciências da Religião pela PUC-GO (2014 - BOLSISTA FAPEG). Filósofo (Dom Felício, 1998/FAEME, 2007), Pedagogo (UVA-ACARAÚ, 2004) e Teólogo (FAETEL, 2002/MACKENZIE, 2006), Pós-graduado em Administração Escolar e Coordenação Pedagógica (UVA-RJ, 2006), Ética e cidadania (UFG, 2012) e Filosofia Clínica (Inst. Packter/PUC, 2013). Professor Titular de Filosofia do Direito e Filosofia Empresarial pela FAQUI (2006-12); Ex-Coordenador do curso de Pedagogia da UEG Quirinópolis (2011-12). (gilsoneduc@yahoo.com.br).

 

Literatura Citada

BOLTANSKI, Luc. As classes sociais e o corpo. Rio de Janeiro: Graal, 1989.

DELUMEAU, Jean. História do medo no Ocidente: 1300–1800. Uma cidade sitiada. Tradução: Maria Lúcia Machado. v. I. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

GERMINIANI, Haudrey. Profissionais do sagrado: sobre a correspondência entre religião, magia e consumo no fenômeno da benzeção. html s.p. Dissertação (Mestrado em Ciências da Religião) – ICHL, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2000.

HOFFMANN-HOROCHOVSKI, Marisete T. Velhas benzedeiras. Mediações – Revista de Ciências Sociais, volume 17, n. 2, pp. 126-140, jul./dez. 2012. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/mediacoes/article/view/14025/11836>. Acesso em: 29 jul. 2014.

LEFEBVRE, Henri. La production de l’espace. Paris: Anthropos, 1974.

LEMOS, Carolina Teles. Benzedura: uma forma de mito próprio das ruralidades. RICHTER REIMER, Ivoni; REIMER, Haroldo; FERREIRA, Joel Antônio (orgs.). In: ANAIS DO III CONGRESSO EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO MITOLOGIA E LITERATURA SAGRADA, 2010, Goiânia. Goiânia: Pontifícia Universidade Católica de Goiás, 2010. volume 1, n. 1, pp. 61-70, 2010.

LUPI, João (org.). Druidas, cavaleiros e deusas. Florianópolis: Insular, 2010. 288 p.

MAUSS, Marcel. Sociologia e antropologia. Tradução: Paulo Neves. São Paulo: Cosac & Naify, 2003.

MICHELET, Jules. A feiticeira. São Paulo: Círculo do Livro, 1989.

OLIVEIRA, Elda Rizzo de. O que é medicina popular. São Paulo: Brasiliense, 1984.

RIVIÈRE, C. Socioantropologia das religiões. Tradução Saulo Krieger. São Paulo: Ideias & Letras, 2013.

SANTOS, Francimário Vito dos. O ofício das rezadeiras: um estudo antropológico sobre as práticas terapêuticas e a comunhão de crenças em cruzeta/RN. 196 p. Dissertação (Mestrado – Programa de Pós-graduação em Antropologia Social, Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Rio Grande do Norte, 2007. Disponível em: <http://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/bitstream/123456789/12291/1/francimarioVS.pdf>. Acesso em: 29 jul. 2014.

SICUTERI, Roberto. Lilith: a Lua Negra. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

SILVA, Claudia Santos da. Rezadeiras: guardiãs da memória. In: V ENECULT – QUINTO ENCONTRO DE ESTUDOS MULTIDISCIPLINARES EM CULTURA, 2009, Salvador. Salvador: Faculdade de Comunicação, UFBA, 2009. 16 p. Disponível em: <http://www.cult.ufba.br/enecult2009/19161.pdf>. Acesso em: 29 jul. 2014.

SPRENGER, James; KRAMER, Heinrich. Malleus Maleficarum, o martelo das feiticeiras. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1991.

ZORDAN, Paola Basso Menna Barreto Gomes. Bruxas: figuras de poder. Revista Estudos Feministas, volume 13, n. 2, pp. 331-341, ago. 2005. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2005000200006&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 28 jul. 2014.