Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Humanização em Unidades de Terapia Intensiva: A Importância da Análise de Estressores para Pacientes Internados. Revisão de Literatura

DOI: http://dx.doi.org/10.18606/2318-1419/amazonia.sci.health.v3n4p32-35

http://ojs.unirg.edu.br/index.php/2/ 

downloadpdf

Vanilson P. da Silva1 & Maria Z. B. Maia2

 

Resumo: Introdução: Constatado a gravidade do estado de saúde de um determinado paciente, o mesmo é encaminhado para uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Esse ambiente é um setor do hospital, caracterizado por oferecer tratamento específico e intensivo para pacientes em estado crítico. Contudo, apesar do atendimento oferecido, os pacientes não estão livres da exposição à eventuais fatores estressantes, potencialmente prejudiciais para a recuperação do mesmo. Objetivo: Visando otimizar as estratégias de humanização nas UTIs, objetivou-se verificar na literatura a importância da análise de estressores neste ambiente. Materiais e Métodos: Foi realizada uma revisão de literatura sistemática e descritiva baseada em busca de bases de dados online MEDILINE, LILACS e SCIELO. Os critérios de inclusão adotados foram: artigos publicados entre 2002 a 2014 em língua portuguesa e com os seguintes descritores: unidades de terapia intensiva, estresse psicológico e humanização da assistência. Resultados: De acordo com a literatura, a análise de estressores para pacientes internados em UTI’s é o ponto de partida para a melhora do atendimento prestado, visto que muitos dos estressores são passíveis de intervenções, e tais mudanças podem promover uma melhor adaptação do paciente ao ambiente, e consequentemente minimizar o desconforto advindo do período de hospitalização. Considerações Finais: Apesar das complexidades que envolvem o atendimento nas UTI’s, o processo de humanização desse ambiente se faz necessário visando acompanhar os avanços a nível tecnológico já implementados nestas unidades.

Palavras-chave: Unidades de terapia intensiva. Estresse psicológico. Humanização da assistência.

 

Abstract: Introduction: After verifying the seriousness of the health status of a particular patient, it is referred to an Intensive Care Unit (ICU). This environment is a hospital in the industry, characterized by offering specific and intensive care for critically ill patients. However, despite the care provided, patients are not free exposure to possible stressors, potentially harmful to the recovery of the same. Objective: In order to optimize the humanization strategies in ICUs, aimed at verifying the literature the importance of stressors analysis in this environment. Methods: A systematic literature review was conducted descriptive and based in search of online databases MediLine, LILACS and SciELO. Inclusion criteria were: articles published between 2002-2014 in Portuguese and with the following keywords: intensive care units, psychological stress and humanization of care. Results: According to the literature, stressors analysis for patients in ICUs is the starting point for the improvement of care given, since many of the stressors are amenable to intervention, and such changes can promote better patient compliance to environment, and consequently minimize the discomfort arising from hospitalization. Final Thoughts: Despite the complexities involving the care in ICU's, this environment humanization process is necessary in order keep up with advances in technology already implemented in these units.

Key words: Intensive care units. Psychological stress. Humanization of assistance.

 

1 Psicólogo. Mestrando do Programa de Mestrado Profissional em Ciências da Saúde da Universidade Federal do Tocantins, Palmas – TO. E-mail: vanilsonpsicologo@hotmail.com
2 Professora Adjunta do curso de Ciências Biológicas (Campus de Porto Nacional) e do Mestrado Profissional em Ciências da Saúde (Campus de Palmas) na Universidade Federal do Tocantins (UFT). Mestre e doutora em Educação. Palmas – TO. E-mail: zoreide@mail.uft.edu.br

 

Literatura Citada

Pasche DF, Passos E, Hennington EA. Cinco anos da Política Nacional de Humanização: trajetória de uma política pública. Ciênc saúde coletiva. 2011; 16(11): 4541-8. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011001200027

Caetano JA, Soares E, Andrade LM, Ponte RM. Cuidado humanizado em terapia intensiva: um estudo reflexivo. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2007; 11(2): 325-30. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-81452007000200022

Costa JB, Felicetti CR, Costa RLM, Miglioranza DC, Osaku EF, Versa GLGS, Solstoski J, Duarte PAD, Duarte ST, Ogasawara SM, Taba S. Fatores estressantes para familiares de pacientes criticamente enfermos de uma unidade de terapia intensiva. J bras psiquiatr. 2010; 59(3): 182-9. http://dx.doi.org/10.1590/S0047-20852010000300003

Gil AC. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas; 1991.

Nascimento AR, Caetano JA. Pacientes de UTI: perspectivas e sentimentos revelados. Nurs. 2003; 57(6): 12-17.

Nascimento KC, Erdmann AL. Cuidado transpessoal de enfermagem a seres humanos em unidade crítica. Rev enferm UERJ. 2006; 14(3): 333-41.

Pinho LB, Santos SMA. Dialética do cuidado humanizado na UTI: contradições entre o discurso e a prática profissional do enfermeiro. Rev Esc Enferm USP. 2008; 42(1): 66-72. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342008000100009

Marques RI, Souza AR. Tecnologia e humanização em ambientes intensivos. Rev bras enferm. 2010 Jan-Fev; 63(1): 141-4. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672010000100024

Santos-Filho SB. Perspectivas da avaliação na Política Nacional de Humanização em saúde: Aspectos conceituais e metodológicos. Ciênc saúde coletiva. 2007; 12(4): 999-1010. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232007000400021

Mota RA, Martins CGM, Véras RM. Papel dos profissionais de saúde na Política de Humanização Hospitalar. Psicol estud. 2006; 11(2): 323-30. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-73722006000200011

Lipp MEN. Manual de Inventário de Sintomas de Stress para adultos de Lipp (ISSL). Casa do Psicólogo. São Paulo: 2000.

Lucchesi F, Macedo PCM, Marco MA. Saúde Mental na Unidade de Terapia Intensiva. Rev SBPH. 2008; 11(1).

Rosa BA, Rodrigues RCM, Gallani MCBJ, Spana TM, Pereira CGS. Estressores em Unidade de Terapia Intensiva: versão brasileira do The Environmental Stressor Questionnaire. Rev Esc Enferm USP. 2010; 44(3): 627-35. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342010000300011

Bitencourt AMV, Neves FBCS, Dantas MP, Albuquerque LC, Melo RMV, Almeida AM, Agareno S, Teles JMM, Farias AMC, Messeder OH. Análise de estressores para o paciente em Unidade de Terapia Intensiva. Rev bras ter intensiva. 2007; 19(1): 53-59. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-507X2007000100007

Citado por

Sem citações recebidas.