crosscheckdeposited

Oralidade e Gênero na União do Vegetal, em Porto Velho/RO

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-0985/mandragora.v21n2p179-205

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/MA/index 

downloadpdf

Xênia de C. Barbosa1, Maria E. S. de Souza2 & João Baraldi Neto3

 

Resumo: A União do Vegetal apresentou-se a nós como instigante oportunidade de pesquisa no campo dos estudos de gênero e da oralidade, devido à beleza plástica de seus rituais. Nesses rituais percebemos que a palavra falada, os conselhos e as chamadas (cânticos e orações) ocupam lugar privilegiado na transmissão dos conhecimentos. A responsabilidade pela transmissão oral desses conhecimentos repousa, sobretudo, nos fiéis do sexo masculino, uma vez que determinados conhecimentos e o posto de mestre só são acessíveis aos homens. Diante da constatação, indagamo-nos sobre qual seria o papel e o lugar da mulher na União do Vegetal, que argumentos seriam utilizados para justificar a proeminência masculina dentro da religião e se haveria conflitos de gênero.

Palavras-chave: Religião; oralidade; gênero.

 

Abstract: The União do Vegetal has been introduced to us as an encouraging opportunity for research in the study field of gender and orality, due to the plastic beauty of their rituals. In these rituals we realized that the spoken word, the advice and the calls (chants and prayers) receive a privileged position in the transmission of knowledge. The responsibility for the oral transmission of this knowledge lies, above all, in the male believers, as some types of knowledge and the master’s position are accessible only to men. In light of this, we wonder what role would the women have and where the women would fit in União do Vegetal; which arguments would be used to justify the male prominence inside the religion, and if there were gender conflicts.

Key words: Religion; orality; gender.

 

1 Mestre em História pela USP. Doutora em Geografia pela UFPR. Docente de História do IFRO-Câmpus Porto Velho Calama.
2 Mestre em Linguística. Professora da faculdade Metropolitana.
3 Acadêmico do curso de Direitos da Faculdade Católica de Rondônia.

 

Literatura Citada

BARALDI, Patrícia Morato. Entrevista concedida a Xênia de Castro Barbosa, Porto Velho, 2014.

BERGER, P. L. The sacred canopy: elements of a sociological theory of religion. New York: Doubleday, 1967.

CALDAS, Alberto Lins. Transcrição em História Oral. Neho-História. São Paulo: n.1, USP/FFLCH/DH, p. 71-79, novembro 1999.

CEMIN, A. B. O poder do Santo Daime: ordem, xamanismo e dádiva. São Paulo: Terceira Margem, 2001.

COSTA, S. G. Gênero e História. In: ABREU, Martha; SOIHET, Rachel (Org.). Ensino de História: conceitos temáticos e metodologia. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC Editora, 1989.

MATOS, Raimundo José. Entrevista concedida a Xênia de Castro Barbosa, Porto Velho, 2014.

MEIHY, José Carlos Sebe Bom. Manual de História Oral. São Paulo: Loyola, 2005.

MELO, R. V. Encantamento e disciplina na União do Vegetal. In: Anuário Antropológico, 2013, p. 217-237.

ONG, Walter J. Oralidade e Cultura Escrita. Trad. Enid Abreu Dobránsky. São Paulo: Papirus, 1998. Há outro título de ONG no texto de 1999? A conferir

OTTO, R. O Sagrado. São Bernardo do Campo: Imprensa Metodista, 1985. Otto no texto é de 1992.

RECLA, Marilda Teixeira Entrevista concedia a Maria Enísia Soares de Souza, Porto Velho, 2014.

RESENDE, Eduardo Sarmento. Entrevista concedida a Xênia de Castro Barbosa, Porto Velho, 2014.

SALVIANO, Maria Letícia Costa. Entrevista concedida a João Barandi, Porto Velho, 2014.

UDV. União do Vegetal. Hoasca. s/d, disponível em http://www.uniaodoVegetal.org.br/burracheira/burracheira.html. Acesso em 20 set 2015.

UDV. União do Vegetal, União do Vegetal. União do Vegetal. 2014. Disponível em: http://www.uniaodovegetal.org.br/udv/ Acesso em 20/11/2015

WOODHEAD, L. As diferenças de gênero na prática e no significado da religião. Estudos de Sociologia Araraquara, v.18, n.34, p.77-100 jan.-jun. 2013.

WOODHEAD, L, L. Mulheres e gênero: uma estrutura teórica. Revista Estudos da Religião, n. 1, vol. 2, p.1-11, 2002.

ZUNTHOR, Paul. Introdução à poesia oral. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2010.