Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Pós-Estruturalismo e Religião: As Novas Possibilidades Analíticas nos Estudos Sobre as Relações Sociais de Gênero

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-0985/mandragora.v21n2p207-236

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/MA/index 

downloadpdf

Robson Souza1

 

Resumo: O propósito deste artigo é fortalecer nossa compreensão acerca dos processos sociais que intervêm na construção e redefinição das identidades de gênero, seja no interior de dois grupos expressivos do protestantismo brasileiro (Assembleia de Deus e a Igreja Presbiteriana do Brasil), seja na interface entre os movimentos religiosos mais amplos e os contextos culturais que lhe servem de suporte. Após apresentar um breve histórico sobre a constituição da esfera dos direitos, pretendo fazer, à luz das dimensões comparativas dos contextos religiosos elencados, um balanço crítico de alguns modelos teóricos presentes nessas investigações acerca das relações sociais de gênero. Em seguida, reportando-me, no plano teórico, às possibilidades analíticas vinculadas ao pós-estruturalismo feminista e aos aportes teóricos pós-coloniais e da teoria do discurso em chave marxista e “pós-marxista”, ofereço à leitora e ao leitor uma possibilidade de abordagem pautada nos “processos discursivos” da vida social, isto é, nas “construções de linguagem”.

Palavras-chave: Pós-estruturalismo feminista; religião; direitos humanos.

 

Abstract: The purpose of this article is to enhance our understanding of the social processes involved in the construction and redefinition of gender identities, be it inside two significant groups of Brazilian Protestantism (Assemblies of God and Presbyterian Church of Brazil), or the interface between the broader religious movements and the cultural contexts that serve to support them. After presenting a short history of the constitution of the sphere of rights, I intend to carry out, in light of the comparative dimensions of the listed religious contexts, a critical assessment of some theoretical models present in these investigations on the social relations of gender. Then, from a theoretical standpoint, by making reference to the analytical possibilities associated with the feminist post-structuralism and post-colonial theoretical contributions and discourse theory in Marxist and “post-Marxist” key, I offer the readers a possibility of approach guided by “discursive processes” of social life, that is, the “language constructs”.

Key words: feminist post-structuralism; religion; human rights.

 

1 Doutor em Serviço Social pela UFRJ e licenciado em Ciências Sociais pela UMESP/ São Bernardo do Campo. Também possui graduação em Teologia pelo Bennett/RJ e mestrado em Ciências da Religião pela UMESP/ São Bernardo do Campo. Tem experiência em Sociologia, atuando principalmente nas seguintes áreas: Sociologia da Religião, Relações de Gênero e Teoria Política

 

Literatura Citada

ALEXANDER, J. O Novo movimento teórico. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 2, n. 4, p. 5-28, jun. 1987.

ALVES, Rubem. Dogmatismo e tolerância. São Paulo: Edições Paulinas, 1982.

ALVES, Rubem. O Suspiro dos Oprimidos. São Paulo: Paulus, 1999.

ALVES, Rubem. Protestantismo e repressão. São Paulo: Editora Ática, 1979.

ALVES, Rubem. Variações sobre a vida e a morte. São Paulo: Paulinas, 1985.

ANTUNES, Ricardo. Os sentidos do Trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo, SP: Boitempo, 2009.

ARAÚJO, Clara; SCALON, Celi (Orgs.). Gênero, Trabalho e Família no Brasil Contemporâneo. 1ª. ed. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 2005.

ARMSTRONG, Karen. Em nome de Deus: o fundamentalismo no judaísmo, no cristianismo e no Islamismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

BARRADORI, Giovanna. Filosofia em tempo de terror: diálogos com Jürgen Habermas e Jacques Derrida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2004.

BARRETT, Michèle. Ideologia, Política e Hegemonia: de Gramsci a Laclau e Mouffe. In: ŽIŽEK, Slavoj (Org.). Um mapa da ideologia. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996. cap. 11, pp. 235-264.

BAUMAN, Zygmunt. O Mal-estar da Pós-modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

BERGER, Peter. O Dossel Sagrado: elementos para uma teoria sociológica da religião. São Paulo: Paulus, 1985.

BOURDIEU, Pierre. A Dominação Masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. 6 ed. São Paulo: Editora Perspectiva, 2007.

BUTLER, Judith. Cuerpos que importan: sobre los límites materiales y discursivos del “sexo”. Buenos Aires: Paidós, 2002.

BUTLER, Judith. Gender as Performance: An Interview with Judith Butler. Radical Philosophy, 67, Summer 1994. Disponível em: http://www.theory.org.uk/but-int1.htm. Acesso em: 10 fev. 2011.

BUTLER, Judith. Fundamentos contingentes: o feminismo e a questão do pós-modernismo. Cadernos Pagu, n. 11, p. 11-42, 1998.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CAMPOS, Breno Martins. Anatomia do poder religioso: um estudo do campo protestante brasileiro. Revista Nures. São Paulo, ano 2, n. 3, Mai./Set. 2006a. Disponível em: <http://www.pucsp.br/nures/revista3/3_edicao_breno.pdf>. Acesso em: 7 abril 2008.

CAMPOS, Breno Martins. Mulheres em Revista; uma sociologia da compreensão do feminino no Brasil presbiteriano (1994-2002). 2006b. 320p. Tese (Doutorado em Ciências da Religião) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

CAMPOS, Breno Martins. Trabalhar nos bastidores: ensaio acerca da condição feminina no puritanismo e fundamentalismo. Mandrágora, ano 14, n. 14, p. 40-54, 2008.

CAMPOS, Luciana. Competência Social e Religião: Refletindo sobre Resiliência e Habilidades Sociais nas Igrejas Cristãs Brasileiras. In: CAMPOS, Luciana (Org.). Reflexões Acerca de Suas Articulações e Seus Desdobramentos na Escola e na Vida. Curitiba: Appris, 2014. cap. 9, p. 205-228.

CAMPOS, Luciana. Tessituras de peregrinos: Análise do trânsito religioso entre pastores protestantes. 2013. 173p. Tese (Doutorado em Serviço Social) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, RJ.

CASTELLS, Manuel. O Poder da Identidade. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CAVALCANTE, Ronaldo. A Cidade e o Gueto: Introdução a uma Teologia Pública Protestante e o Desafio do Neofundamentalismo Evangélico no Brasil. São Paulo: Fonte Editorial, 2010.

CAVALCANTE, Ronaldo. Teologia Protestante brasileira: as “luzes” e as “sombras” de um discurso paradoxal do sagrado. In: LEONEL FERREIRA, João Cesário. (Org.) Novas Perspectivas sobre o protestantismo brasileiro. São Paulo: Fonte Editorial, 2009. cap. 2, pp. 47-92.

COHEN I. J. Teoria da estruturação e práxis social. In: GIDDENS, A.; TURNE, J. (Org.). Teoria social hoje. São Paulo: UNESP, 1996, p. 393- 446. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-026X2002000200006

COHN, Gabriel (org.). Max Weber: Sociologia. São Paulo, Ática, 2008. CORRÊA, Sonia. O conceito de gênero: teorias, legitimação e usos. In: BARSTED, Leila (Org.). O Progresso das Mulheres no Brasil 2003–2010. Rio de Janeiro: CEPIA ; Brasília: ONU Mulheres, 2011. pp. 339-345.

COUTO, Márcia Thereza. Na trilha do gênero: pentecostalismo e CEBs. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 10, n. 2, Julho 2002 . Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2002000200006&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 18 abril 2011. doi: 10.1590/S0104-026X2002000200006.

DAMASCENO, Caetana; DUARTE, Tatiane. Etnografia sobre rituais de politização pentecostal e valores de gênero em um município da Baixada Fluminense/RJ. Revista Espaço Plural, v. 21, n. 10, 2010. Disponível em: <http://e-revista.unioeste.br/index.php/ espacoplural/article/download/3558/2828>. Acesso em: 10 jan. 2011.

DUARTE, Luiz Fernando Dias. Ethos Privado e Justificação Religiosa: negociações da Reprodução na Sociedade Brasileira. In: HEILBORN, Maria et. al. (Orgs.) Sexualidade, Família e Ethos Religioso. Rio de Janeiro: Garamond, 2005. cap. 10, pp. 137-176.

DUARTE, Luiz Fernando Dias. Ethos privado e modernidade: o desafio das religiões entre indivíduo, família e congregação. In: Duarte, Luiz Fernando Dias; Heilborn, Maria Luiza; Lins de Barros, Myriam; Peixoto, Clarice. (Orgs.). Família e religião. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2006.

DUARTE, Luiz Fernando Dias. Família, moralidade e religião: tensões contrastivas contemporâneas em busca de um modelo. In: Duarte, Luiz Fernando Dias; Velho, Gilberto. (Orgs.). Gerações, família e sexualidade. Rio de Janeiro: 7Letras, 2009.

DUARTE, Luiz Fernando Dias et. al. Família, reprodução e ethos religioso: subjetivismo e naturalismo como valores estruturantes. In: Duarte, Luiz Fernando Dias; Heilborn, Maria Luiza; Lins de Barros, Myriam; Peixoto, Clarice. (Orgs.). Família e religião. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2006.

DURKHEIM, Émile. As formas elementares de vida religiosa: o sistema totêmico na Austrália. 2 ed. São Paulo: Paulus, 1989.

EAGLETON, T. As ilusões do pós-modernismo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1996.

EISENSTADT, S. N. “Modernidades múltiplas”. Sociologia, Problemas e Práticas, n. 35, p. 139-163, 2001. Disponível em: <http://repositorio-iul.iscte.pt/bitstream/10071/404/1/35.06.pdf>. Acesso em: 12. jan. 2011.

ESTEVES, Paulo Luiz Moreaux Lavigne. Cordialidade e familismo amoral: os dilemas da modernização. Revista Brasileira de Ciências Sociais[, 1998, v.13, n.36, 1998. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-69091998000100006. Acesso em: 12 dezembro 2014. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-69091998000100006

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. 25 ed. Rio de Janeiro: Graal, 2008.

FOUCAULT, Michel. Sexualidade e poder. In: FOUCAULT, Michel. Ética, Sexualidade, Política. Col. Ditos e Escritos V. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004, pp.56-76.

GAUCHET, Marcel. A democracia contra ela mesma. São Paulo: Radical Livros, 2009.

GIDDENS, Anthony. Capitalismo e moderna teoria social. Lisboa: Presença, 1984.

GIDDENS, Anthony. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, 4 set. 1998. Entrevista concedida em 1993 a José Maurício Domingues, Mônica Herz e Cláudia Rezende. Disponível em: <http://www.cpdoc.fgv.br/revista/arq/179.pdf>. Acesso em: 15 maio 2008.

GOUVÊA, Ricardo Quadros. A condição da mulher no fundamentalismo: reflexões transdisciplinares sobre a relação entre o fundamentalismo religioso e as questões de gênero. Mandrágora, ano 14, n. 14, p. 15, 2008. Disponível em: <https://www.metodista.br/revistas/revistas-metodista/index.php/MA/article/view/693/694>. Acesso em: 12 ago. 2009.

GOUVÊA, Ricardo Quadros. A Piedade Pervertida. São Paulo: Grapho Editores, 2006.

HABERMAS, Jürgen. Dialética da Secularização: sobre razão e religião. Aparecida, SP: Idéias & Letras, 2007.

HABERMAS, Jürgen. Fundamentalismo e terror – Um diálogo com Jürgen Habermas. In: BARRADORI, Giovanna. (Org.). Filosofia em tempo de terror: diálogos com Jürgen Habermas e Jacques Derrida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2004, pp. 37-56.

HABERMAS, Jürgen. Teoria do Agir Comunicativo 1: Racionalidade da ação e racionalização social. Tradução: Paulo Astor Soethe. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2012.

_HABERMAS, Jürgen. Teoria do Agir Comunicativo 2: sobre a crítica da razão funcionalista. Tradução: Flávio Beno Siebeneichler. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2012.

HEFNER, Robert. Multiple Modernities: Christianity, Islam, and Hinduism in a Globalizing Age. Annual Review of Anthropology, v.. 27, pp. 83-104, 1998. Disponível em: <http:// www.jstor.org/stable/223364>. Acesso em: 25 jan. 2013.

HERVIEU-LÉGER, D. O peregrino e o convertido: a religião em movimento. Petrópolis: Vozes, 2008.

JACOB, César R et. al. Atlas da filiação religiosa e indicadores sociais no Brasil. São Paulo: Loyola, 2003.

LACLAU, Ernesto. Política e ideologia na teoria marxista. São Paulo: Paz e Terra, 1979.

LACLAU, Ernesto; MOUFFE, Chantal. Hegemony and Socialist Strategy – Towards a Radical Democratic Politics. 2. ed. London: Verso, 2001.

LESBAUPIN, Ivo. Marxismo e religião. In: TEIXEIRA, Faustino (Org.). Sociologia da religião: enfoques teóricos. Petrópolis: Vozes, 2003. cap.1, pp. 13-35.

LINS DE BARROS, Myriam. Autoridade e afeto: avós, filhos e netos na família brasileira. Rio de Janeiro: Zahar, 1987.

LIPOVETSKY, G.; CHARLES, S. Os tempos hipermodernos. São Paulo: Barcarolla, 2004.

LÖWY, M. A jaula de aço. Max Weber e o marxismo weberiano. São Paulo: Boitempo, 2014.

LYOTARD, J–F. A condição pós-moderna. Rio de Janeiro: José Olympio, 2001.

MACHADO, Maria das Dores. Carismáticos e pentecostais: adesão religiosa na esfera familiar. São Paulo: ANPOCS, 1996.

MACHADO, Maria das Dores. Identidade, globalização e secularização. In: LISZT, Vieira. (Org.). Identidade e Globalização. Rio de Janeiro: Record, 2009, p.173-204.

MACHADO, Maria das Dores. Mulheres, religiosidade e violência. In: Almeida, Suely. (Org.). Violência de Gênero e Políticas Públicas. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2007, pp. 89-105.

MACHADO, Maria das Dores. Pesquisa com líderes religiosos: questões éticas e metodológicas. Revista Estudos de Sociologia, nº 34, v.18, p. 39-56, jan.-jun. 2013. Disponível em: <http://seer.fclar.unesp.br/estudos/article/view/5972/0>. Acesso em: 17 out. 2013.

MACHADO, Maria das Dores. Religião e as assimetrias de gênero na América Latina. In: ORO, Ari Pedro. (Org). A latinidade da América Latina: enfoques sócio-antropológicos. São Paulo: Aderaldo & Rothschild, 2008.

ORO, Ari Pedro. Religião, família e individualismo. In: Duarte, Luiz Fernando Dias; Heilborn, Maria Luiza; Lins de Barros, Myriam; Peixoto, Clarice. (Orgs.). Família e religião. Rio de Janeiro, Contra Capa, 2006.

ORO, Ari Pedro. Representações e relações de Gênero nos grupos pentecostais. Estudos Feministas, n. 13 (2),, p. 387-396, 2005.

ORO, Ari Pedro et. al. Sexualidade e gênero: os discursos das lideranças religiosas. In: MACHADO, Maria das Dores Campos; PICCOLO, Fernanda Delvalhas. (Orgs.). Religiões e homossexualidades. Rio de Janeiro, FGV Editora, 2010. cap.1, pp. 40-79.

MACHADO, Maria das Dores Campos; BARROS, Myriam Lins de. Gênero, geração e classe: uma discussão sobre as mulheres das camadas médias e populares do Rio de Janeiro. Revista Estudos Feministas, v. 17, n. 2, ago. 2009 . Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2009000200005&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 26 set. 2013. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-026X2009000200005.

MACHADO, Maria das Dores Campos; BURITY, Joanildo. A Ascensão Política dos Pentecostais no Brasil na Avaliação de Líderes Religiosos. Dados, v. 57, n. 3, p. 601-631, set. 2014. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S001152582014000300601&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 05 ago. 2015. http://dx.doi.org/10.1590/00115258201419

MARIZ, Cecília. A Sociologia da Religião de Max Weber. In: TEIXEIRA, Faustino. (Org.). Sociologia da religião: enfoques teóricos. Petrópolis: Vozes, 2003. cap.3, pp. 67-93.

MARIZ , C. L.: MACHADO, M. D. C. (1996), Pentecostalismo e a redefinição do feminino. Religião e Sociedade, 17/1: 140-59, 1996.

MARIZ , C. L.: MACHADO, M. D. C. (1996), Mulheres e prática religiosa nas classes populares: uma comparação entre as igrejas pentecostais, as Comunidades Eclesiais de Base e os grupos carismáticos. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 12, nº 34, pp.71-87, 1997.

MARTELLI, Stefano. A religião na sociedade pós-moderna. Entre secularização e dessecularização. São Paulo: Paulinas, 1995.

MENDONÇA, Antonio Gouvêa; VELASQUES FILHO, Prócoro. Introdução ao protestantismo no Brasil. São Paulo: Loyola, 2002.

MOLTMANN, Jürgen. Fundamentalismo e modernidade. Concilium, 241, p. 141-148, 1992.

MONTERO, Paula. Controvérsias religiosas e esfera pública: repensando as religiões como discurso. Religião & Sociedade, v. 32, n. 1, 2012 . Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-85872012000100008&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 29 maio 2014. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-85872012000100008.

MONTERO, Paula. Jürgen Habermas: religião, diversidade cultural e publicidade. Novos Estudos - CEBRAP n. 84, 2009 . Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-33002009000200011&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 17 abril. 2011. http://doi: 10.1590/S0101-33002009000200011.

MONTERO, Paula. Religião, pluralismo e esfera pública no Brasil. Novos Estudos -

CEBRAP n. 74, Mar. 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-33002006000100004&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 12 jun. 2011.

ORTNER, Sherry B. Subjetividade e crítica cultural. Horizontes Antropológicos, v. 13, n. 28, Dec. 2007. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-71832007000200015&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 26 out. 2011. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-71832007000200015.

PIERUCCI, Antônio Flávio. O Desencantamento do Mundo. São Paulo: Editora 34, 2003.

RIVERA, Paulo Barrera. Pluralismo Religioso e Secularização: Pentecostais na periferia da cidade de São Bernardo do Campo no Brasil. Revista de Estudos da Religião - REVER, ano 10, v.1, p. 50-76, mar. 2010. Disponível em: <http://www.pucsp.br/rever/rv1_2010/t_rivera. pdf>. Acesso em: 28 nov. 2011.

RORTY, Richard. Feminismo, Ideologia e Desconstrução. In: ŽIŽEK, Slavoj (Org.). Um mapa da ideologia. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996. cap. 10, p. 227-234.

SAFFIOTI, Heleieth I. B. Gênero, Patriarcado, Violência. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2004.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, v. 20, nº 2 ,jul./dez. 1995, pp. 71-99.

SILVA, Eliane M. Fundamentalismo Evangélico e Questões de Gênero: Em Busca de Perguntas. In: SOUZA, Sandra Duarte (Org.). Gênero e Religião no Brasil: Ensaios Feministas. São Bernardo do Campo: Universidade Metodista de São Paulo, 2006. cap. 1, p. 11-28.

SCHMIDT, Simone Pereira. Gênero e história no romance português: novos sujeitos na cena contemporânea. Porto Alegre: EDIPUCRJ, 2000.

SORJ, Bila. O feminismo na encruzilhada da modernidade e pós-modernidade. In: Albertina de Oliveira COSTA & Cristina BRUSCHINI. Uma questão de gênero. Rio de Janeiro: Fundação Carlos Chagas/Rosa dos Ventos, 1992. p. 15-23.

SOUZA, Robson. Discursos e práticas fundamentalistas na Igreja Presbiteriana do Brasil (2002-2008): uma análise da pretensa posição de equidistância dos extremos fundamentalistas e liberais. 142p. Dissertação (Mestrado em Ciências da Religião) – Universidade Metodista de São Paulo, São Bernardo do Campo, 2009. Disponível em: <http://ibict.metodista.br/tedeSimplificado/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=1956>. Acesso em: 03 fev. 2009.

SOUZA, Robson. Gênero, Religião e Identidade Pentecostal no Brasil: Breves Considerações acerca da Condição Feminina e Habilidades Sociais nas Assembleias de Deus. In:

CAMPOS, Luciana. (Org.). Reflexões Acerca de Suas Articulações e Seus Desdobramentos na Escola e na Vida. Curitiba: Appris, 2014. cap. 8, p. 173-203.

CAMPOS, Luciana. Mulheres evangélicas e práticas religiosas: uma análise comparativa na perspectiva de gênero. 189p. Tese (Doutorado em Serviço Social) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, RJ, 2013. Disponível em:< www.minerva.ufrj.br/>. Acesso em: 19 nov. 2013.

CAMPOS, Luciana. Revista da Sociedade Auxiliadora Feminina/IPB – Uma abordagem na perspectiva de gênero. Mandrágora, ano 14, n.14, p. 99-109, 2008. Disponível em: <https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/MA/article/view/699/700>. Acesso em: 10 set. 2009.

SOUZA, Sandra Duarte. Religião e identidades de gênero. In: SILVA, Eliane et al. (Orgs.) Religião e sociedade na América Latina. São Bernardo do Campo: Universidade Metodista de São Paulo, 2010. cap. 10, p. 185-196.

SOUZA, Sandra Duarte. Religião e secularização: o gênero dos discursos e das práticas das mulheres protestantes. In: SOUZA, Sandra Duarte. (Org.). Gênero e Religião no Brasil: Ensaios Feministas. São Bernardo do Campo: Universidade Metodista de São Paulo, 2006. cap. 2, p. 29-44.

THERBORN, Göran. Do marxismo ao pós-marxismo? São Paulo: Boitempo, 2012.

THERBORN, Göran. Sexo e Poder – A Família no mundo: 1900-2000. São Paulo: Contexto, 2006.

TILLICH, Paul. A Era Protestante. São Paulo: Ciências da Religião, 1992.

WEBER, Max. A Ética Protestante e o “Espírito” do Capitalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

ŽIŽEK, Slavoj. A Marionete e o Anão – O Cristianismo entre Perversão e Subversão. Lisboa: Relógio D’Água Editores, 2006a.

ŽIŽEK, Slavoj. A Monstruosidade de Cristo – Paradoxo ou Dialética. Lisboa: Relógio D’Água Editores, 2008.

ŽIŽEK, Slavoj. As Metástases do Gozo – Seis ensaios sobre a Mulher e a Causalidade. Lisboa: Relógio D’Água Editores, 2006b.

ŽIŽEK, Slavoj. Bem-Vindo ao deserto do Real: cinco ensaios sobre o 11 de setembro e datas relacionadas. São Paulo: Boitempo Editorial, 2003.

ŽIŽEK, Slavoj. Em defesa das causas perdidas. São Paulo: Boitempo, 2011.

ŽIŽEK, Slavoj. Lacrimae Rerum. São Paulo: Boitempo, 2009.

ŽIŽEK, Slavoj. Menos que nada: Hegel e a sombra do materialismo dialético. São Paulo: Boitempo, 2013.

ŽIŽEK, Slavoj. O amor impiedoso (ou: Sobre a crença). Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2012.