Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Bullying na Escola: A Compreensão do Aluno no Papel de Testemunha1

DOI: http://dx.doi.org/10.15348/1980-6906/psicologia.v17n3p164-176

http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/ptp/index 

downloadpdf

Maria T. C. Trevisol2 & Luana Uberti3

 

Resumo: Este artigo se propõe a analisar a compreensão de alunos adolescentes, na faixa de idade entre 12 e 16 anos, de uma escola pública e outra particular, sobre as razões promotoras do bullying, enfatizando o que sentem as testemunhas ao presenciarem essas situações. Quase 44% dos alunos da escola particular e aproximadamente 51,5% da escola pública revelaram preocupação para com aquele que está sendo agredido. Quanto às razões que levam o autor a agredir o alvo, sob a percepção da testemunha, 72% dos sujeitos da escola particular e 62% da escola pública consideram que o autor se “acha melhor” que os outros, e 53% da escola particular e 64,5% da escola pública indicam que ele quer ser mais popular.

Palavras-chave: bullying na escola; adolescentes do 8º ano do ensino fundamental; compreensão da testemunha; conflitos interpessoais; razões promotoras.

 

Abstract: This article aims to analyze the understanding of adolescent students in the age from 12 to 16 years, of a public school and one private school, about the promoting reasons for bullying, emphasizing what the witnesses feel when they witnessed these situations. Almost 44% of private school children and about 51.5% of the public school revealed concern for the one being assaulted. As for the reasons why the author would harm the target, in the perception of the witness, 72% of subjects in private schools and 62% of public school consider that the author “feels better” than others, and 53% of the private school and 64.5% of the public school indicate that he wants to be more popular.

Key words: bullying at school; teens 8th grade of elementary school; understanding witness; interpersonal conflicts; promoting reasons.

 

1 Este artigo é resultante de um trabalho de investigação que contou com bolsa do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq)
2 Universidade do Oeste de Santa Catarina, Joaçaba – SC – Brasil
3 Núcleo de Apoio à Saúde da Família, Concórdia – SC – Brasil

 

Literatura Citada

Avilés, J. M. (2006). Bullying: el maltrato entre iguales. Agresores, víctimas y testigos en la escuela. Salamanca: Amarú.

Avilés, J. M. (2013). Bullying: guia para educadores. (Coleção Psicologia e Educação em Debate). Campinas: Mercado de Letras.

Fante, C., & Pedra, J. A. (2008). Bullying escolar: perguntas e respostas. Porto Alegre: Artmed.

Maldonado, M. T. (2011). Bullying e cyberbullying: o que fazemos com o que fazem conosco? São Paulo: Moderna.

Moura, D. R., Cruz, A. C. N., & Quevedo, L. Á. (2011). Prevalence and characteristics of school age bullying victims. Jornal de Pediatria, 87(1), 19-23.

Rolim, M. (2010). Bullying: o pesadelo da escola. Porto Alegre: Dom Quixote.

Salgado, F. S., Senra, L. X., & Lourenço, L. M. (2014). Effectiveness indicators of bullying intervention programs: a systematic review of the international literature. Estudos de Psicologia, 3(2), 179-190.

Silva, A. B. B. (2010). Bullying: mentes perigosas nas escolas. Rio de Janeiro: Objetiva.

Silva, E. N. da, & Rosa, E. C. de S. (2013). Professores sabem o que é bullying? Um tema para a formação docente. Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, 17(2), 329-338.

Tognetta, L. R. P. (2005). Violência na escola: os sinais de bullying e o olhar necessário aos sentimentos. In A. Pontes & V. S. de Lima. Construindo saberes em educação. Porto Alegre: Zouk.

Tognetta, L. R. P. (2009). Violência na escola x violência da escola. Anais do Congresso Nacional de Educação da PUCPR e do Congresso Ibero-Americano sobre Violências nas Escolas,Curitiba, PR, Brasil, 8/3.

Tognetta, L. R. P. (2010a). A história da menina e do medo da menina: suplemente especial para pais e professores. Americana: Adonis.

Tognetta, L. R. P. (2010b). Bullying: de onde vem a violência que assola a escola? In A. Garcia (Org.). Pesquisas sobre o relacionamento interpessoal. Vitória: Editora da Abpri.

Tognetta, L. R. P. (2011). Um olhar sobre o bullying escolar e sua superação: contribuições da psicologia moral. In L. R. P. Tognetta & T. P. Vinha (Orgs.). Conflitos na instituição educativa: perigo ou oportunidade? (pp. 145-159). Campinas: Mercado de Letras.

Tognetta, L. R. P.; Faria, A. R.; Barbosa, B. de S.; Silva, F. A. da; Razera, I. C.; Rodriques, J. de O.; & Pereira, R. M. (2010). Quem assiste as ações de bullying: A co-responsabilidade dos que são espectadores do problema. In Á. M. Guimaraes; & D. D., Pacheco e Zan. Caderno de resumos do I Seminário Violar: Problematizando juventudes na contemporaneidade. Campinas, SP: FE/UNICAMP.

Tognetta, L. R. P., & Vinha, T. P. (2010a). Até quando? Bullying na escola que prega a inclusão social. Educação, 35(3), 449-464.

Tognetta, L. R. P., & Vinha, T. P. (2010b). Bullying e violência na escola: entre o que se deseja e o que realmente se faz (2010). In: Actas do Congresso Nacional de Psicologia da Saúde: Saúde, Sexualidade e gênero. ISPA – Instituto Universitário, Lisboa, Portugal. 8. Anais eletrônicos, p. 495-503.

Trevisol, M. T. C., & Uberti, L. (2013). Bullying na escola: inquirindo sobre as razões promotoras dos conflitos “entre” e “dos” alunos (Relatório de Pesquisa/2013), Joaçaba, SC, Universidade do Oeste de Santa Catarina.

Veiga, F. H. (2007). Indisciplina e violência na escola: práticas comunicacionais para professores e pais (3a ed.). Coimbra: Almedina.

Zluhan, M. R., & Raitz, T. R. (2014, janeiro/abril). A educação em direitos humanos para amenizar os conflitos no cotidiano das escolas. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 95(239), 31-54. Recuperado em 14 janeiro, 2014, de http://www.scielo.br/pdf/rbeped/v95n239/a03v95n239.pdf.