Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Núcleos Urbanos na Capitania de Minas Gerais: Artistas, Oficiais Mecânicos e Vida Cotidiana no Termo de Vila Rica

DOI: http://dx.doi.org/10.21491/2237-3217/mnemosine.v6n1p183-202

http://mnemosinerevista.wix.com/ppgh-ufcg 

downloadpdf

Jeaneth X. Araújo1 & Renato S. Dias2

 

Resumo: Pensar as vilas e arraiais mineiros no século XVIII e suas respectivas sedes, ou seja, o que poderíamos chamar de “núcleos urbanos”, pressupõe uma análise mais acurada dos elementos constitutivos desta cor local composta por homens livres, libertos e escravos. Todos estes conviveram, amistosamente ou não, em um mesmo espaço, território este hierarquizado, estamental e escravista, desempenharam funções várias: atividades administrativas, religiosas, artística e artesanais, sendo estas últimas obrigatoriamente ligadas à manutenção da vida citadina constituída a partir de finais do século XVII mineiro. Este artigo tem por objetivo propiciar uma reflexão sobre a organização da mão-de-obra artística e artesanal, em Vila Rica no setecentos e como estes estratos populacionais se inscreveram no espaço urbano da referida vila. Analisarse- ão aspectos socioculturais, através do estudo da composição ocupacional de seus habitantes: moradores, agentes administrativos municipais, militares, religiosos, comerciantes de “grosso trato”, mascates, artífices, artesãos, escravos, entre outros.

Palavras-chave: Núcleos Urbanos; Vila Rica; Século XVIII

 

Abstract: Thinking of towns and camps from Minas Gerais in the eighteenth century and their respective headquarters, or what we might call "urban centers", presupposes a more accurate analysis of the constituent elements of this local color composed of free, freedmen and slaves. All of these lived together amicably or not in the same space in this hierarchical stratified and slave-holding territory and took on administrative, religious, artistic and craft activities, being the two last connected necessarily with the maintenance of city life formed from the late seventeenth century in Minas Gerais. This article aims to provide a reflection on the organization of labor, arts and crafts work in in 17th century Vila Rica and how these population groups were organized in the urban space of this village. Sociocultural aspects will be analyzed through the study of the inhabitants’ occupational composition: residents, local administrative officials, military, religious, slave traders, peddlers, craftsmen, artisans, slaves, among others.

Key words: Urban Centers; Vila Rica; Eighteenth century.

 

1 Graduada, Mestra e Doutora em História pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Especialista em Cultura e Arte Barroca pela Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP). Professora da Graduação e do Programa de Pós- Graduação em História da Universidade Estadual de Montes Claro (UNIMONTES). Email: jeanethxavier@gmail.com
2 Graduado e Doutor em História pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Professor da Graduação e do Programa de Pós- Graduação em História da Universidade Estadual de Montes Claro (UNIMONTES). Email: dias.reno@gmail.com

 

Literatura Citada

ALVES, Rosana de Figueiredo. A venerável Ordem Terceira de Nossa Senhora do Carmo de Sabará: pompa barroca, manifestações artísticas e as cerimônias da Semana Santa (século XVIII a meados do século XIX). 1999. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal de Minas Gerais.

ANASTASIA, Carla Maria Junho; LEMOS, Carmem Silvia; JULIÃO, Letícia. Dos bandeirantes aos modernistas: um estudo histórico sobre Vila Rica. Oficina do Inconfidência, Ouro Preto, ano 1, p. 17-132, dez. 1999.

ARAÚJO, Jeaneth Xavier de. A pintura de Manoel da Costa Ataíde no contexto da época moderna. In: CAMPOS, Adalgisa Arantes (Org.). Manoel da Costa Ataíde: aspectos históricos, estilísticos, iconográficos e técnicos. Belo Horizonte: C/Arte, 2005, p. 31- 62.

ASSUMPÇÃO, Lívia Romanelli d’. Considerações sobre a formação do espaço urbano setecentista nas Minas. Revista do Departamento de História, Belo Horizonte, n. 9, p. 130-140, 1989.

ÁVILA, Affonso (Org.). Minas Gerais: monumentos históricos e artísticos. Barroco, Belo Horizonte, n. 16, 1995.

BARBOSA, Waldemar de Almeida. Dicionário da terra e da gente de Minas. Belo Horizonte: Imprensa Oficial, 1985.

BAZIN, Germain. A arte religiosa barroca no Brasil. Rio de Janeiro: Record, 1983. v. 1.

BOXER, Charles R. Conselheiros municipais e irmãos de caridade. In: O império marítimo português. São Paulo, Companhia das Letras, 2002, p. 286-308.

BRESCIANNI, Maria Stella. História e historiografia das cidades: um percurso. In: FREITAS, Marcos Cezar de (Org.). Historiografia brasileira em perspectiva. 5. ed. São Paulo: Contexto, 2003, p. 237-258.

FREITAS, Marcos Cezar de (Org.). Lógica e dissonância, sociedade de trabalho: lei, ciência, disciplina e resistência operária. Revista Brasileira de História, São Paulo, n. 11, p. 7-44, 1985/1986.

BURKE, Peter. A cidade pré-industrial como um centro de informação e comunicação. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, n. 16, p. 193-203, 1995.

CAMPOS, Adalgisa Arantes. Aspectos da vida pessoal, familiar e artística de Manoel da Costa Ataíde. In: CAMPOS, Adalgisa Arantes (Org.). Manoel da Costa Ataíde: aspectos históricos, estilísticos, iconográficos e técnicos. Belo Horizonte: C/Arte, 2005, p. 64-82.

DIAS, Renato da Silva. Para a glória de Deus, e do rei? Política, religião e escravidão nas Minas do Ouro (1693-1745). Belo Horizonte, 2004. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal de Minas Gerais.

FONSECA, Cláudia Damasceno. Des terres aux villes de l´or: pouvoirs et territoires urbains au Minas Gerais (Brésil, XVIIIe Siècle). Paris: Fundação Calouste Gulbenkian, 2003.

FONSECA, Cláudia Damasceno. O espaço urbano de Mariana: sua formação e suas representações. In: TERMO de Mariana: história e documentação. Mariana: UFOP, 1998, p. 27-66.

GINZBURG, Carlo. Arte italiana. In: GINZBURG, Carlo; CASTELNUOVO, Enrico; PONI, Carlo. A micro-história e outros ensaios. Lisboa: Difel; Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1991, p. 5-93.

PONI, Carlo. Olhos de madeira: nove reflexões sobre a distância. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

PONI, Carlo. Ticiano, Ovídio e os códigos da figuração erótica no século XVI. In: Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. São Paulo: Companhia das Letras, 1989, p. 119-141.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. O semeador e o ladrilhador. In: Raízes do Brasil. 25 ed. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1993, p. 61-100.

IPHAN. Patrimônio urbano: a construção de um conceito. In: Inventário nacional de bens imóveis: sítios urbanos tombados. Brasília: Senado Federal, 2007, p. 145-147.

IPHAN. Referências historiográficas sobre o estudo das cidades brasileiras. In: Inventário nacional de bens imóveis: sítios urbanos tombados. Brasília: Senado Federal, 2007, p. 149-156.

KARASCH, Mary C. A vida dos escravos no Rio de Janeiro (1808-1850). São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

KLEIN, Herbert S. Escravidão africana: América Latina e Caribe. São Paulo: Brasiliense, 1987.

LEMOS, Carlos. No Brasil a coexistência do Maneirismo e do Barroco até o advento do Neoclássico Histórico. Barroco, Belo Horizonte, n. 15, 1990/1992.

LIBBY, Douglas Cole. Demografia e escravidão. LPH: Revista de História, Mariana, v. 3, n. 1, p. 267-294, 1992.

LIBBY, Douglas Cole. Habilidades, artífices e ofícios na sociedade escravista do Brasil colonial. In: LIBBY, Douglas Cole; FURTADO, Junia Ferreira (Org.). Trabalho livre, trabalho escravo: Brasil e Europa, séculos XVIII e XIX. São Paulo: Annablume, 2006, p. 57-73.

LIBBY, Douglas Cole; PAIVA, Clotilde Andrade. Alforrias e forros em uma freguesia escravista: São José D’El Rei em 1795. (mimeo).

MARAVALL, José Antonio. Uma cultura urbana. In: A cultura do barroco. São Paulo: Edusp, 1997, p. 187-215.

MARTINS, Judith. Dicionário de artistas e artífices dos séculos XVIII e XIX em Minas Gerais. Rio de Janeiro: IPHAN, 1974.

MATHIAS, Herculano Gomes. Um recenseamento na capitania de Minas Gerais. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1969.

MENESES, José Newton. Homens que não mineram: oficiais mecânicos nas Minas Gerais setecentistas. In: RESENDE, Maria Efigênia Lage de; VILLALTA, Luiz, Carlos. (Org.). História de Minas Gerais: as Minas setecentistas. Belo Horizonte: Autêntica; Companhia do Tempo, 2007. v. 1, p. 377-399.

MIRANDA, Selma Melo. Uma cidade, uma praça e muitas histórias: o Largo do Rosário da Vila Real do Sabará. Revista do IAC (Instituo de Artes e Cultura), Ouro Preto: UFOP, v. 2, n. 1, p. 24-37, 1994.

MORAES, Fernanda Borges de. De arraiais, vilas e caminhos: a rede urbana das Minas coloniais. In: RESENDE, Maria Efigênia Lage de; VILLALTA, Luiz, Carlos. (Org.). História de Minas Gerais: as Minas setecentistas. Belo Horizonte: Autêntica; Companhia do Tempo, 2007. v. 1, p. 55-85.

OLIVEIRA, Eduardo Pires de. Entre Douro e Minho e Minas Gerais no século XVIII: relações artísticas. In: Labirintos e nós: imagem ibérica em terras da América. São Paulo: Editora UNESP; Imprensa Oficial, 1999, p. 147-179.

PASSOS, Zoroastro Viana. Em torno da história de Sabará. Belo Horizonte: Imprensa Oficial, 1942.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. Muito além do espaço: por uma história cultural do urbano. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, n. 16, p. 279-290, 1995.

RAMINELLI, Ronald. História urbana. In: CARDOSO, Ciro Flamarion; VAINFAS, Ronaldo (Org.). Domínios da História: ensaios de teoria e metodologia. Rio de Janeiro: Campus, 1997, p. 185-202.

RAMINELLI, Ronald. Simbolismos do espaço urbano colonial. In: VAINFAS, Ronaldo (Org.). América em tempo de conquista. Rio de Janeiro: J. Zahar Ed., 1992, p. 163-175.

RAMOS, Donald. A social history of Ouro Preto: stresses of dynamic urbanization in colonial Brazil, 1695-1726. Gainesville: The University of Florida, 1972.

REIS FILHO, Nestor Goulart. Contribuição ao estudo da evolução urbana do Brasil (1500-1720). São Paulo: Pioneira; Edusp, 1968.

REIS FILHO, Nestor Goulart. Notas sobre o urbanismo barroco no Brasil. Barroco, Belo Horizonte, n. 15, p. 229-236, 1990/1992.

RONCAYOLO, Marcel. Cidade. In: ENCICLOPÉDIA EINAUDI: Região. Lisboa: Imprensa Nacional; Casa da Moeda, 1986. v. 8, p. 396-487.

RONCAYOLO, Marcel. La ville et ses territoires. Paris: Galimard, 1997.

RUSSELL-WOOD, A. J. R. O governo local na América portuguesa: um estudo de divergência cultural. Revista de História, São Paulo, v. 55, n. 109, p. 25-79, jan./mar. 1977.

RUSSELL-WOOD, A. J. R. Fidalgos e filantropos: A Santa Casa de Misericórdia da Bahia, 1500- 1755. Brasília: Ed. da UNB, 1981.

SAMARA, Eni de Mesquita. Os agregados: uma tipologia ao fim do Período Colonial (1780-1830). Estudos Econômicos, São Paulo, v. 11, n. 3, p. 159-168, dez. 1981.

SILVA, Leonardo Viana. Redescobrindo as cidades mineiras oitocentistas. Anais do VII Seminário sobre Economia Mineira. Diamantina: CEDEPLAR, 1995, p. 109- 133.

SILVA, Maria Beatriz Nizza da. Ser nobre na colônia. São Paulo: Editora UNESP, 2005.

TELLES, Augusto Carlos da Silva. Alguns aspectos da arquitetura na segunda metade do século XVIII no Brasil. Barroco, Belo Horizonte, n. 15, 1990/1992.

VASCONCELLOS, Sylvio de. Arquitetura colonial mineira. Barroco, Belo Horizonte, n. 10, p. 7-26, 1987/1989.

VASCONCELLOS, Sylvio de. Vila Rica: formação e desenvolvimento, residências. São Paulo: Perspectiva, 1977.

VASCONCELOS, Salomão de. Ofícios mecânicos em Vila Rica durante o século XVIII. Revista do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Rio de Janeiro, n. 4, 1940.

VILLALTA, Luiz Carlos. O cenário urbano em Minas Gerais setecentista: outeiros do sagrado e do profano. In: TERMO de Mariana: história e documentação. Mariana: Editora da UFOP, 1998, p. 67-85.