Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Sentido Pessoal Atribuído à Atividade de Estudo no Ensino Fundamental

DOI: http://dx.doi.org/10.15348/1980-6906/psicologia.v18n1p141-151

http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/ptp/index 

downloadpdf

Edimar R. de L. Sartoro1 & Marli L. T. Zibetti2

 

Resumo: O objetivo do texto é discutir o sentido atribuído por alunos dos anos finais do Ensino Fundamental à atividade de estudo. Os dados foram obtidos em pesquisa com adolescentes de classes populares, multirrepetentes em uma escola pública no interior de Rondônia, utilizando‑se de encontros de grupo focal. Fundamentando‑se na Psicologia Histórico‑cultural, considera‑se que a educação escolar é uma atividade intencional que tem como função básica a socialização das conquistas humanas com vistas ao desenvolvimento pleno dos indivíduos. Os resultados indicam que, para os estudantes ouvidos, a escola não representa um local de aprendizagem, sendo o processo educativo significado como vazio, cansativo e repetitivo, no qual a aprovação passa a ter um fim em si mesma, enquanto o sentido do processo escolar é produzido pelas amizades e pelos encontros entre pares.

Palavras-chave: escolarização de adolescentes; psicologia histórico‑cultural; atividade de estudo; sentido pessoal; ensino fundamental.

 

Abstract: In this paper, we aim at discussing the meaning that elementary school students give to the study activity. Our research was conducted with lower class adolescents, students who had to repeat the school year in the state of Rondônia – Brazilian Amazon. For the conduct of our qualitative research, we used focus groups and interviews. Based on the Historical‑Cultural Psychology, we suggest that education is an intentional activity and its main function is to socialize human achievements in order to reach full development of individuals. Our study denotes that, for the students, school does not represent a place of learning, and the educational process is empty, tiresome and repetitive. The pass mark seems to be the only aim and the meaning of the school process is produced from friendships and encounters among school mates.

Key words: adolescents schooling; historic‑cultural psychology; study activity; meaning; elementary school.

 

1 Grupo Athenas Educacional, Ji‑Paraná – RO – Brasil
2 Universidade Federal de Rondônia, Porto Velho – RO – Brasil

 

Literatura Citada

Asbahr, F. da S. F., & Souza, M. P. R. de. (2014). Por que aprender isso, professora? Sentido pessoal e atividade de estudo na psicologia histórico‑cultural. Estudos de Psicologia, 19(3), 157‑238.

Davidov, V. V. (1988). La enseñanza escolar y el desarrollo psíquico: investigación psicológica teórica y experimental. Moscú: Editorial Progreso.

Duarte, N. (1998). Relações entre ontologia e epistemologia e a reflexão filosófica sobre o trabalho educativo. Perspectiva, 16(29), 99‑116.

Duarte, N. (1999). A individualidade para‑si: contribuições a uma teoria histórico‑social da formação do indivíduo. Campinas: Autores Associados.

Elkonin, D. B. (1987). Sobre el problema de la periodización del desarrollo psíquico e la infancia. In: V. Davidov, M. Shuare. La psicología evolutiva y pedagógica en la URSS: Antologia (pp. 104‑124). Moscú: Editorial Progresso.

Facci, M. G. D. (2008). Valorização ou esvaziamento do trabalho do professor? Um estudo crítico comparativo da teoria do professor reflexivo, do construtivismo e da psicologia vigotskiana. Campinas: Autores Associados.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP) (2014). Indicadores educacionais: educação básica. Recuperado em 12 março, 2013, de http://portal.inep.gov.br/inepdata.

Leontiev, A. (1978). O desenvolvimento do psiquismo. São Paulo: Centauro.

Marx, K. (1982). Para a crítica da Economia Política; salário, preço e lucro; o rendimento e suas fontes: a economia vulgar. São Paulo: Abril Cultura.

Moura, M. O., Araujo, E. S., Ribeiro, F. D., Panossian, M. L., & Moretti, V. D. (2010). A atividade orientadora de ensino como unidade entre ensino e aprendizagem. In M. O. Moura. (Org.). A atividade pedagógica na teoria histórico‑cultural (pp. 81‑110). Brasília, DF: Líber Livro.

Oliveira, F. A. F. (2012). O sentido pessoal da escola e o sofrimento em adolescentes com dificuldades no processo de escolarização. Dissertação de mestrado, Universidade Estadual do Paraná, Maringá.

Paulo Netto, J. (1989). Notas para a discussão da sistematização da prática e teoria em Serviço Social. Cadernos ABESS, (3), 141‑153.

Saviani, D. (2000). Pedagogia histórico‑crítica: primeiras aproximações. Campinas: Autores Associados.

Sforni, M. S. F. (2004). Aprendizagem conceitual e organização do ensino: contribuições da teoria da atividade. Araraquara: JM Editora.

Vigotski, L. S. (1995). Historia del desarrollo de las funciones psíquicas superiores. In L. S. Vigotski. Obras escogidas (pp. 11‑340, t. III). Madrid: Visor/MEC.

Vigotski, L. S. (1996). Paidologia del adolescente. In L. S. Vigotski. Obras escogidas. (t. IV). Madrid: Visor/MEC.

Vigotski, L. S. (2009). A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: WMF Martins Fontes.

Vigotski, L. S. (2010). A transformação socialista do homem. Recuperado em 17 julho, 2012, de http://www.pstu.org.br/cont/subjetividade_vigotski.doc.