Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Inclusão Escolar: Uma Reflexão Sobre a Transição da Educação Infantil para o Ensino Fundamental

DOI: http://dx.doi.org/10.15600/2238-121X/comunicacoes.v23n2p207-224

https://www.metodista.br/revistas/revistas-unimep/index.php/comunicacao 

downloadpdf

Cristiane M. Dyonisio1, Ida C. Martins2 & Roberto R. Gimenez1

 

Resumo: Reconhecidamente, o tema inclusão tem sido alvo de grande debate na Educação Básica brasileira, sobretudo após a década de 90. Em especial, podem ser identificados muitos dilemas e dúvidas acerca deste assunto. Um dos problemas que merecem destaque corresponde às eventuais dificuldades de adaptação apresentadas por crianças com deficiência em face das mudanças de ciclo. Este artigo tem como objetivo comparar o processo de inclusão de crianças com deficiência na Educação Infantil e no Ensino Fundamental I. Para tanto, é realizada uma discussão referente à educação inclusiva diante das recentes mudanças ocorridas na Educação Básica, como as mudanças de concepção para a Educação Infantil e a ampliação do Ensino Fundamental. São retratadas as diferenças programáticas entre esses níveis e suas respectivas implicações para a inclusão das crianças com necessidades especiais. De modo geral, também são destacadas distinções substanciais entre esses níveis de ensino, com ênfase para o relacionamento com a família, perfil dos professores, relação professor-aluno, orientação do projeto pedagógico e, até, as concepções dos diversos atores envolvidos no processo, destacando os seus efetivos impactos para a inclusão de crianças com necessidades educacionais especiais.

Palavras-chave: Inclusão; Educação Infantil; Ensino Fundamental.

 

Abstract: Admittedly, the theme inclusion has been the subject of great debate in the Brazilian Basic Education, especially after the 90s. In particular, can be identified many dilemmas and doubts on this. One of the problems corresponds to any adjustment difficulties presented by children with disabilities in face of the cycle change. This article aims to compare the process of inclusion of disabled children in kindergarten and Elementary School. Thus, a discussion on inclusive education is carried out before the recent changes in Basic Education, such as design changes to Children’s education and the expansion of primary education. We discuss programmatic differences between these levels and their implications for the inclusion of children with special needs. In general, are also highlighted substantial differences between these levels of education, with emphasis on the relationships with family, teachers profiles, student-teacher relations, orientation of the education program and even the conceptions of the different actors involved in the process, highlighting their actual impact on the inclusion of children with special educational needs.

Key words: Inclusion; Childhood Education; Elementary School.

 

1 Universidade Cidade de São Paulo (UNICID), São Paulo/SP – Brasil
2 Universidade Metodista de Piracicaba (UNIMEP), Piracicaba/SP – Brasil

 

Literatura Citada 

ABRIC, J. –C. A abordagem estrutural das representações sociais. In: MOREIRA, A. S. P.; OLIVEIRA, D. C. (Org.). Estudos Interdisciplinares de Representação Social, 2. ed., Goiânia, AB Editora, 2000, p. 27-38.

ALMEIDA, A. C. Ensino fundamental de nove anos: alfabetização e letramento com crianças de seis anos, 2012. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de São João Del-Rei; São João Del-Rei.

ALVES-MAZZOTTI, A. J. Representações Sociais: Aspectos teóricos e aplicação à Educação. Revista Múltiplas Leituras, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 18-43, jan./jun., 2008.

ARLERO, L. R. G. Ensino Fundamental no Brasil: avanço, perplexidades e tendências. Educação e Sociedade, Campinas, v. 26, n. 92, p. 1.039-1.066, 2005.

ASSIS, R. M.; SILVEIRA, S.; GONÇALVES, V. O. Inclusão escolar e educação infantil: a realidade jataiense. Inter-Ação: Revista Faculdade Educação Universidade Federal de Goiás, Goiânia, v. 33, n. 2, p. 487-507, jul./dez., 2008.

ÁVILA, C. F.; TACHIBANA, M.; VAISBERG, T. M. J. A. Qual é o lugar do aluno com deficiência? O imaginário coletivo de professores sobre a inclusão escolar. Paidéia, Ribeirão Preto, v. 18, n. 39, p. 155-164, 2008.

BASSEDAS, E., HUGUET, T., SOLÉ, I. Aprender e ensinar na educação infantil. Trad. Cristina Maria de Oliveira. Porto Alegre: Artmed, 1999.

BENAVENTE, A. P., 1995/2001: reflexões sobre democratização e qualidade na educação básica. Revista Iberoamericana de Educación, n. 27, p. 99-127, set./dez., 2001.

BENNINGTON, A. Science and pre-school children with special educational needs: aspects of home-based teaching sessions. British Journal of Special Education, v. 31, n. 4, p. 191-198, 2004.

BOURDIEU, P.; CHAMPAGNE, P. Os Excluídos do interior. In: NOGUEIRA, M. A.; CATANI, A. (orgs.). Escritos da Educação, 16. ed., Petrópolis: Vozes, 2015, p. 244-255.

BRASIL. Declaração de Salamanca e Linhas de Ação sobre Necessidades Educativas Especiais. Brasília: Corde, 1994.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais/Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997, p. 126.

BRASIL. Referencial curricular nacional para a educação infantil. Brasília: MEC/ SEF, 1998.

BRASIL. Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil. Brasília: MEC, SEB, 2010.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Parâmetros básicos de infra-estrutura para instituições de educação infantil: Encarte 1. Brasília: MEC/SEB, 2006, 31 p.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei 9.394 de 20/12/1996. Brasília: Presidência da República, 1996.

BROTHERSON, M. J.; SHERIF, G.; MILBURN, P.; SCHERTZ, M. Mary Jans; Elementary School Principals and Their Needs and issues for Inclusive Early Childhood Programs. Topics in Early Childhood Special Education, v. 21, n. 1, p. 31-45, 2001.

BUELL, M. J.; GAME-MCCORMICK, M.; HALIAN, R. A. Inclusion in a childcare context: experiences and attitudes of family child providers. TESCE, v. 19, n. 4, p. 217-224, 1999.

CARNEIRO, R. U. C. Educação inclusiva na educação infantil. Práxis Educacional Vitória da Conquista, v. 8, n. 12 p. 81-95 jan./jun., 2012.

CERISARA, A. B. Educar e cuidar: por onde anda a educação infantil? Revista Perspectiva, Florianópolis, v. 17, n. especial, p. 11-21, jul./dez., 1999.

CORRÊA, B. C. Considerações sobre qualidade na educação infantil. Cadernos de Pesquisa, n. 119, p. 85-112, jul., 2003.

DE VITTA, F. C. F.; SILVA, K. P. L.; MORAES, M. C. A. F. Conceito sobre a educação da criança deficiente, de acordo com professores de educação infantil da cidade de Bauru. Revista Brasileira Educação Especial, Marília, v. 10, n. 1, p. 43-58, jan./abr., 2004.

DIDONET, V. Creche: a que veio, para onde vai. In: Educação Infantil: a creche, um bom começo. Em aberto/Brasília, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais, v. 18, n. 73, p. 11-28, 2001.

DOCKETT, S.; PERRY, B. Starting school: Perspectives of Australian children, parents and educators. Journal of Early Childhood Research, v. 2, n. 2, p. 171-189, 2004.

FERRAZ, C. R. A. Inclusão de crianças com síndrome de Down e Paralisia Cerebral no ensino fundamental I: comparação entre pontos de vistas entre pais e professores, 2010. Dissertação (Mestrado em Distúrbios do Desenvolvimento) – Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo.

FOUCAULT, M. Vigiar e Punir. Petrópolis: Vozes, 1977.

FOUCAULT, M. Arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009.

GARDNER, H. Inteligências Múltiplas: a teoria na prática, 1. ed., Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

GIMENEZ, R. A inclusão de crianças com dificuldades motoras nas aulas de educação física: o que fazer com o último a ser escolhido no time? In: GIMENEZ, R.; FREITAS, A. (orgs.). Educação física inclusiva na Educação Básica: reflexões, propostas e ações. Curitiba: CRV, 2015a., p. 245-258.

GIMENEZ, R. Percurso da Educação Física Adaptada: do paradigma teológico a uma prática inclusiva. In: GIMENEZ, R.; FREITAS, A. (orgs.). Educação física inclusiva na Educação Básica: reflexões, propostas e ações. Curitiba: CRV, 2015b., p. 9-20.

GIMENEZ, R. Corpo, movimento e cultura escolar: substrato para a autonomia e inclusão. In: MAFRA, J. F.; BATISTA, J. C. F.; BAPTISTA, A. M. H. Educação Básica: concepções e práticas. São Paulo: BT Acadêmica, 2015c, p. 80-93.

HADDAD, L. A creche em busca de identidade. São Paulo: Loyola, 1993.

IMBERNÓN, F. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza, 5. ed., Coleção Questões da Nossa Época, v. 77, São Paulo: Cortez, 2005.

KRAMER, S. A política pré-escolar no Brasil: a arte do disfarce. São Paulo: Cortez, 1995.

KUHLMAN JR, M. Infância e educação infantil: uma abordagem histórica. Porto Alegre: Mediação, 1998.

MACHADO, M. L. A. Educação Infantil e sociointeracionismo. In: OLIVEIRA, Z. M. R. Educação infantil: muitos olhares. 9. ed.; São Paulo: Cortez, 2010, p. 25-50.

MANTOAN, M. T. E. Caminhos pedagógicos para inclusão: como estamos implementando a educação (de qualidade) para todos nas escolas brasileiras. São Paulo: Memmon, 2001.

MANTOAN, M. T. E. O direito de ser, sendo diferente, na escola. In: III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva PUC Minas – Ações Inclusivas de Sucesso, 2004, Belo Horizonte, Anais eletrônicos... 24 a 28 de maio de 2004. Disponível em: http://proex.pucminas.br/sociedadeinclusiva/sem3/maria_teresa_egler_mantoan.pdf Acesso em: 12 de setembro de 2015.

MANTOAN, M. T. E.; PRIETO, R. G.; ARANTES, V. A. Inclusão escolar: pontos e contrapontos. São Paulo: Summus, 2006.

MARTINS, I. C. As relações do professor de educação infantil com a brincadeira: do brincar na rua ao brincar na escola / Ida Carneiro Martins – Piracicaba, 2009, 169s. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação/Faculdade de Ciências Humanas – Universidade Metodista de Piracicaba.

MENDES, E. G. A radicalização do debate sobre inclusão escolar no Brasil. Revista Brasileira de Educação, v. 11, n. 33, set./dez., 2006.

NEVES, V. F. A.; GOUVÊA, M. C. S.; CASTANHEIRA, M. L. A passagem da educação infantil para o ensino fundamental: tensões contemporâneas. Educação e Pesquisa. São Paulo, v. 37, n. 1, p. 121-140, jan./abr., 2011.

ODOM, S. L. Preschool Inclusion: what we Know and where we go from here? TESCE, v. 20, n. 1, p. 20-27, 2000.

OLIVEIRA, M. K. Vygotsky: aprendizado e desenvolvimento: um processo sócio-histórico. São Paulo: Scipione, 1997.

PASCHOAL, J. D.; MACHADO, M. C. G. A história da Educação Infantil no Brasil: avanços, retrocessos e desafios dessa modalidade educacional. Revista HistereBr Online, Campinas, n. 33, p. 78-95, 2009.

PASSEGGI, M. C.; FURLANETTO, E. C.; CONTI, L.; CHAVES, I. E. M. B; GOMES, M. O.; GABRIEL, G. L.; ROCHA, S. M.; Narrativas de crianças sobre as escolas da infância: cenários e desafios da pesquisa autobiográfica. Revista Educação, Santa Maria, v. 39, n. 1, p. 85-104, 2014.

PURDUE, K.; BALLARD, K.; MACARTHUR, J. Exclusion and Inclusion in New Zealand Early Childhood Educacion: disability, discourses and contexts. International Journal of Early Years Education, v. 9, n. 1, 2001.

SANTOS, L. L. C. P.; VIEIRA, L. M. F. “‘Agora seu filho entra mais cedo na escola’: a criança de seis anos no ensino fundamental de nove anos em Minas Gerais”. Educação & Sociedade. Campinas, vol. 27, n. 96, p. 775-796, out., 2006.

SILVEIRA, F. F.; NEVES, M. M. B. J. Inclusão Escolar de Crianças com Deficiência Múltipla: Concepções de Pais e Professores. Revista Psicologia: Teoria e Pesquisa, jan./abr., v. 22, n. 1, p. 79-88, 2006.

STAINBACK, S.; STAINBACK, W. Inclusão: um guia para educadores. Tradução de Magna França Lopes. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.

TEDESCO, J. C. Igualdad de oportunidades y política educativa. In: Políticas educativas y calidad. Reflexiones del Seminario Internacional, p. 21-31, Santiago de Chile: Fundación Ford, Universidad Alberto Hurtado, UNICEF, UNESCO, 2004.

WALKER, S.; DUNBAR, S., MELDRUN, K., WHITEFORD, C.; CARRINGTON, S.; HAND, K.; BERTHELSEN, D.; NICHOLSON, J. The transition to school of children with developmental disabilities: views of parents and teachers. Australian Journal of Early Childhood, v. 77, n. 3, 2012.

WESLEY, P. W.; BUYSSE, V.; TYNDALL, S. Family and professional perspectives on early intervention: an exploration using focus groups. TESCE, v. 17, n. 4, p. 535-456, 1997.

ZABALZA, M. A. Qualidade em educação infantil. Porto Alegre: Artmed, 1998.