Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Desafios dos Pescadores Artesanais Amazônicos do Guaporé, Rondônia - RO, Brasil

DOI: http://dx.doi.org/10.18361/2176-8366/rara.v8n2p144-161

http://www.periodicos.unir.br/index.php/rara/index 

downloadpdf

Clodoaldo O. Freitas1, Ana P. S. Bertão2, Eliane S. Leite3, Josenildo S. Silva4 & Tânia O. Lima5

  

Resumo: Os recursos pesqueiros constituem uma importante fonte de renda, trabalho e permanência do indivíduo em seu território. O Brasil absorve mais de 970 mil pescadores organizados, estes vêm estabelecendo estratégias de enfrentamento e resistência aos patrimônios ambientais e pesqueiros. O Projeto Pirarucu-Gente (2010 – 2013) e o Programa Peixe-Vivo (2012 – 2015) desenvolveram pesquisas junto às Colônias de pescadores artesanais do Vale do Guaporé, associando a pesquisa-ação participativa, abordagem etnográfica e entrevistas semiestruturadas, com o propósito de traçar o perfil social dos pescadores e da pesca; conflitos socioambientais e estratégias de políticas públicas. Os dados mostraram que 60% dos pescadores possuem uma renda mensal menor que um salário mínimo, grande parte dos pescadores estudaram apenas até as séries iniciais, o que comprometeas atividades administrativas, como comercialização, marketing e inovações de mercado. As principais espécies capturadas são Pseudoplatystomafasciatum (Linnaeus, 1766) e o Cichlaspp (BLOCH; SCHNEIDER, 1801). Uma das problemáticas encontradas é o avanço do turismo sem gestão e a falta de manejo adequado para a Bacia em questão, desmatamento das margens e das nascentes que formam os rios, uso de agrotóxicos em atividades agropecuárias, diminuição do estoque pesqueiro, avanço e ocupação dos latifúndios nas áreas de desembarque e influência dos efeitos negativos da construção das hidroelétricas na produção pesqueira. Como forma de resistência, os camponeses procuram construir ações com auxílio dos projetos e programas mencionados, como também a negociação de políticas públicas para a região.

Palavras-chave: Desafio. Pescadores artesanais. Amazônia. Rondônia.

 

Abstract: Fishery resources are an important source of income, employment and residence of the individual in its territory. The Brazil accounts for more than 970,000 fishermen organized, they have established coping strategies and resistance to environmental and fishing heritage. The Pirarucu-Gente Project (2010 - 2013) and Fish Alive Program (2012 - 2015) developed surveys to colonies of fisherfolkGuaporé Valley, associating participatory action research, ethnographic approach and semi-structured interviews, with the purpose to trace the social profile of fishermen and fishing; environmental conflicts and public policy strategies. The data showed that 60% of fishermen have a monthly income lower than the minimum wage, most fishermen studied only until the initial series, which undertakes administrative activities, such as marketing, marketing and market innovations. The main species caught are Pseudoplatystomafasciatum (Linnaeus, 1766) and Cichlaspp (BLOCH; SCHNEIDER, 1801). One of the problems encountered is the unmanaged tourism advancement and lack of proper management for the basin in question, deforestation of banks and springs that form rivers, pesticide use in agricultural activities, decreased fish stocks, advance and occupation of landholdings in the areas of landing and influence of the negative effects of the construction of hydroelectric plants in fish production. As a form of resistance, farmers seek to build actions with the help of the projects and programs, as well as the negotiation of public policies for the region.

Key words: Challenge. Fisherfolk. Amazon. Rondonia.

 

1 clodoaldo.o.freitas@gmail.com
2 anabertaopaula@gmail.com
3 eleite2308@unir.br
4 josenildopeixe@gmail.com
5 tania_olinda@hotmail.com

 

Literatura Citada

ALBUQUERQUE, R. L; ARAÚJO, R. C. P.; FREITAS, K.S. Impactos socioeconômicos do complexo industrial e portuário do porto de Pecém (CIIP) sobre os pescadores artesanais, São Gonçalo do Amarante. In: CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL - SOBER, 47, 2009, Porto Alegre. Anais. Porto Alegre: SOBER, 2009. p. 21. Disponível em: <http://www.sober.org.br/palestra/13/260.pdf> Acesso em: 30 mai. 2014.

ALMEIDA, R. S.; PONTES, A. D.; SANTOS, C. J. S.A complexa tessitura da cadeia produtiva da pesca artesanal na comunidade tradicional Vila dos Pescadores de Jaraguá, Maceió/AL. In: Seminário Nacional de Geologia e Planejamento Territorial. Seminário do Geoplan. UFS. 2012.

ANDRADE, H. M. L. S.; SOUZA, R. C.; RAMOS, E. M. Metodologia participativa como ferramenta e estratégia utilizada pela INCUBACOOP para a inclusão social de grupos populares em Recife. Universidade Federal Rural de Pernambuco – UFRPE, Brasil. s. d. Disponível em: <http://www.cultura.ufpa.br/itcpes/documentos/metodologia_participativa_incubaccop.pdf> Acesso em: Mar. 2014.

BALDUINO, D. T. Conflitos no Campo Brasil Comissão Pastoral da Terra. É Um Organismo Ligado a Comissão para o Serviço da Caridade, da Justiça e da Paz, da CNBB, ISSN 1676-661X Goiânia – 2013.

BARTHEM, R. B. e FABRÉ, N. N. 2004. Biologia e Diversidade dos Recursos Pesqueiros da Amazônia. In: RUFFINO, M. L. (coord.).A Pesca e os Recursos Pesqueiros na Amazônia Brasileira. IBAMA/PROVÁRZEA. p. 17-62.

BAY, F.; SILVA J. S.; BERTÃO, A. P. S.; LIMA, T. O. PEIXE VIVO: Pesca Artesanal Amazônica Sustentável em Rondônia. Universidade Federal de Rondônia. ALAS.Recife, 2011.p. 21 Disponível em: <http//www.actacientifica.servicioit.cl/biblioteca/gt/GT15/GT15_SilvaLeite.pdf> Acesso em: 24 Abr. 2014.

BERTÃO, A. P. S.; et al. Pesca Artesanal Sustentável na Cooperativa de Produção de Pescado Em Rondônia – COOPPESCA. Associação Latino Americana de Sociologia – Recife, 2011.

BERTÃO, A. P. S.; et al. Análise Ambiental da Atividade Pesqueira, Colônia de São Francisco do Guaporé (Z-10). XVIII Congresso Brasileiro de Engenharia de Pesca- CONBEP. Resumo p 3. Paulo Afonso/BA, 20-24/10/2013.

BERTÃO, A. P. S. CONFLITOS SOCIOAMBIENTAIS: Estudo de Caso na Colônia Z-10, São Francisco do Guaporé-Rondônia, Brasil. (Tese de Monografia como requisito para obtenção do grau de Engenheiro de Pesca) Presidente Médici-RO, 2014.

CARVALHO, R. C. A.; CHOCRON, C.; CAVALCANTE, S. J.; LIMA, U. B. P.; SANTOS, M. F. e MENDES, R. O. S. (2008). Custos e Receitas de Embarcações Envolvidas em Pescarias Artesanais Marinhas no Município de Bragança, Estado do Pará, 2006-2007.Bol. Téc. Cient. CEPNOR,v. 8, n. 01. Belém.

CASIMIR, M. J. 1992. The dimensions of territoriality: An introduction. In Mobility and territoriality. M. J. Casimir and A. Rao, eds., 1-26. New York: Berg.

COSTA, L. S.; SILVA, R. J.; SILVA, F.: Análise da produção pesqueira na região norte do Brasil: uma abordagem através de modelos de regressão e componentes principais, em Observatorio de laEconomíaLatinoamericana, Número 191, 2013. Texto completo en <http://www.eumed.net/cursecon/ecolat/br/13/produzao-pesqueira.hmtl> Acesso 24 Abr. 2014.

COWX, I. G.; ALMEIDA, O.; Bene, C.; BRUMMETT, R.; BUSH, S.; DARWALL, W.; PITTOCK, J. & VAN BRAKEL, M. (2010). A valoração da pesca em águas continentais.Novos Cadernos NAEA v. 13, n. 1. Recuperado de <http://www.periodicos.ufpa.br/index.php/ncn/article/view/448/695.>

DECRETO 7.655, DE 23/12/2011. SALÁRIO MÍNIMO de 2012,DOU 26/12/2011, Disponível em: <http://www.trt3.jus.br/informe/calculos/minimo.htm>, Acesso 10 Jun. 2014.

DIEGUES, A. C. S. Biodiversidade e Comunidades Tradicionais no Brasil. NUPAUB-USP, PROBIO – MMA, CNPq. SÃO PAULO. 2000, p. 201. Disponível em: <http://livroaberto.ibict.br/bitstream/1/750/2/Biodiversidade%20e%20comunidades%20tradicionais%20no%20Brasil.pdf> Acesso em: 03 Maio 2014.

DINIZ, M. B.; et al. Atividade Pesqueira Na Amazônia: Limites e Possibilidades Para o Desenvolvimento Local. Anais- XLIV Congresso de Sociedade Brasileira de Economia e Sociologia Rural. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ, BELÉM - PA – BRASIL, 2006. Disponível em: <http://www.sober.org.br/palestra/5/1207.pdf>Acesso em: 06 Jun. 2014.

DYSON-HUDSON, R. e SMITH E. A. 1978. Human territoriality: Anecological reassessment. American Anthropologist 80(1): 21-41.

ESPÍRITO-SANTO, R.V.; ISAAC, V.J. (2012). Desembarque da Pesca de Pequena Escala no Município de Bragança – PA, Brasil: esforço e produção. Boletim do Laboratório de Hidrobiologia, 25. Disponível em: <http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/blabohidro/article/.../106>

FAO - Organización de las Naciones Unidas para La Alimentación y La Agricultura. 2014. El estado mundial de La pesca y La acuicultura – Oportunidades y desafios. ISBN 978-92-5-308275-9 (ediciónimpresa) E-ISBN 978-92-5-308276-6 (PDF). Roma 2014. Disponível em: <http://www.fao.org/3/a-i3720s.pdf>

HABTEC. 2011. Teste de longa duração e desenvolvimento da produção de Waimea, no bloco BM-C-41, Bacia de Campos. Diagnóstico Ambiental. Disponível em <http://licenciamento.ibama.gov.br/Petroleo/TLD%20de%20Waimea,%20Bl%20BM-C-41,%20Bacia%20de%20Campos/EIA-RIMA> Acesso em 15 Out. 2013.

IBGE, INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Cidades, 2013. Disponível em: <http://cidades.ibge.gov.br/xtras/uf.php?coduf=11> Acesso em: 23 mar. 2014.

IVO, C. T. C.; FONTELES FILHO, A. A.; SILVA, A.C. e VIEIRA, R. H. S. F. (2013). Cadeia Produtiva da Lagosta nas Regiões Nortes e Nordestes do Brasil. RDS Gráfica e Editora. Fortaleza

KUMMER. L. Metodologias Participativas no Meio Rural: Uma visão interdisciplinar- conceitos, ferramentas e vivencias. GTZ e Desenvolvimento Local. Salvador, 2007.

LEITE, E. S. et al. Pesca Artesanal: e os Caminhos para a Sustentabilidade. Congresso Latino Americano de Sociologia, Santiago – Chile. 2013. Disponível em: <http://actacientifica.servicioit.cl/biblioteca/gt/GT15/GT15_SilvaLeite.pdf> Acesso em: 19 de Jun. 2014.

LITTLE, P. E. Territórios Sociais e Povos Tradicionais no Brasil: Por Uma Antropologia da Territorialidade. Brasília, 2002.

MATSUURA, Y. Analise Economica da Produção da Sardinha na Região Sudeste do Brasil. Bol. Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo. São Paulo. 1981. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/bioce/v30n1/v30n1a08>

MPA. Balança Comercial do Pescado. Coordenação-geral de comercialização e promoção comercial. 2009. Disponível em <ftp://ftp.sp.gov.br/ftppesca/bal_comer_pesc09.pdf>. Acesso em: 29 Out. 2013.

MPA. Balança Comercial do Pescado. Boletim da Pesca Artesanal, Publicado em Segunda, 29 agosto 2011.

MPA. Balança Comercial do Pescado. O potencial Pesqueiro de 2010. Disponível em: <http://www.mpa.gov.br/#imprensa/2010/AGOSTO/nt_AGO_19-08-Producao-de-pescado-aumenta> Acesso em: 20 Jan. 2011.

PEDROSA, R. A. Pesca perfil socioeconômico e percepção ecológica dos pescadores artesanais de Porto de Galinhas – PE. 2007. 87 f. Dissertação (mestrado em oceanografia) - Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2007.

PINHEIRO, L. S. e FRÉDON, F. L. Caracterização geral da pesca industrial desembarcada no estado do Pará.Revista Científica da UFPA, Vol 4, abr. 2004.Revista académica de economíacon el Número Internacional Normalizado de Publicaciones Seriadas ISSN 1696-8352.

RAMALHO, C. W. N. “Ah, esse povo do mar!”: um estudo sobre trabalho e pertencimento na pesca artesanal pernambucana. São Paulo: Polis – Campinas, SP: CERES (Centro de Estudos Rurais do IFCH – UNICAMP), 2006.

RIBEIRO, M. S.; FEITAS, H. L. C.; SOUSA, J. S; FONSECA, S. M.; SILVA, F. L. Emergente processo produtivo da aquicultura: Um panorama brasileiro e mundial. 1° Semana de Integração Ciência, Arte e Tecnologia- I SICAT. IFPA Castanhal. 2011.

SACK, R. D. 1986. Human territoriality: Its theory and history. Cal. mbridge: Cambridge University Press.

SILVA, J. R., COSTA, L. K. S., SILVA, F. L.Técnicas de análise multivariada no agrupamento e classificação dos estados brasileiros segundo a produção pesqueira nacional. Observatorio de laEconomíaLatinoamericana, Número 190, 2013. Disponível em: <http://www.eumed.net/cursecon/ecolat/br/13/pesca-nacional.hmtl> Acesso em: 17 Out. 2013.

SILVA, J. S. Diagnóstico e Planejamento Participativo na Perspectiva de manejo Sustentável dos Recursos Naturais e da Biodiversidade. Projeto Perimetral Norte/Seaf. Jul. 2009.

SILVA, J. S; LEITE, E. S.; FREITAS, C. O. Economia e Legislação Pesqueira: A pesca e conflitos no Vale do Guaporé. XI Reunião científica do Instituto de Pesca. Presidente Médici-RO. 2012.

SIQUEIRA, A. M. Quem são os extrativistas? – perfil dos pescadores e da atividade pesqueira na Reserva Extrativista Marinha do Corumbau - BA, 85 f. Dissertação (Mestrado em Ecologia e Recursos Naturais), Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2006.

THIOLLENT, M. J. M. Metodologia da pesquisa-ação. 4. ed. São Paulo: Cortez, (Coleção Temas básicos), 1988. 108 p.USP, PROBIO – MMA, CNPq. SÃO PAULO. 2000, p. 201. Disponível em:<http://livroaberto.ibict.br/bitstream/1/750/2/Biodiversidade%20e%20comunidades%20tradicionais%20no%20Brasil.pdf> Acesso em: 03 Mai. 2014.

VASCONCELLOS, H. S. R. A pesquisa-ação em projetos de educação ambiental, In: PEDRINI, A. G. (Org.). Educação ambiental: reflexões e práticas contemporâneas. Petrópolis: Vozes, 123 p. 1998.

VERDEJO, M. E. Diagnóstico Rural Participativo - Guia prático, DRP. Ministério do Desenvolvimento Agrário. Brasília, 2006.