Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Evolução do Emprego Formal e Informal no Brasil: 2002-2014

DOI: http://dx.doi.org/10.18361/2176-8366/rara.v8n2p237-260

http://www.periodicos.unir.br/index.php/rara/index 

downloadpdf

Amanda G. de S. Matos1 & José A. da Silva2

  

Resumo: No período que se estende de 2002 a 2014, ou seja, durante os governos presididos por Lula e Dilma, ocorreu uma forte redução da taxa de desemprego, em todos os indicadores que se propõe a avaliar a trajetória do mercado de trabalho no Brasil. Contudo, como o Brasil apresenta um grande setor informal, essa queda da taxa de desemprego pode ter sido seguida de uma alta precarização e aumento da informalidade no mercado de trabalho. Assim, o objetivo deste artigo é observar se de fato isso ocorreu na economia brasileira. Para isso, parte da seguinte pergunta de pesquisa: a redução da taxa de desemprego no Brasil ocorreu concomitante com o aumento do emprego informal? A hipótese de pesquisa é que ocorreu uma redução da economia informal no Brasil, no entanto, existem outros fatores que contribuíram para reduzir a informalidade no país. A metodologia consiste em uma análise descritiva, quantitativa e qualitativa, buscando observar as relações entre os diversos indicadores do setor formal e informal no Brasil. Após analisar os dados, constatou-se uma forte relação entre o crescimento do PIB e o aumento da formalização. A correlação do PIB com o emprego formal total observada foi de 71%, com construção civil foi de 70,8%, com o comércio de 78,7% e com a indústria foi de 67,8%.

Palavras-chave: Mercado de Trabalho; Emprego Formal; Emprego Informal.

 

Abstract: In the period extending from 2002 to 2014, i.e. during thegovernments chaired by Lula and Dilma, there was a strong reduction in the unemployment rate in all indicators that aims to assess the trajectory of the labor market in Brazil. However, as Brazil presents a large informal sector, this decrease in the unemployment rate may have been followed by a high precariousness and increased informality in the labor market. The objective of this article is to see if this fact occurred in the Brazilian economy. For this part of the following research question: the reduction in the unemployment rate in Brazil occurred concomitantly with the increase in informal employment? The research hypothesis is that there was a reduction of the informal economy in Brazil, however, there are other factors contributing to reduce informality in the country. The methodology consists of a descriptive analysis, quantitative and qualitative, seeking to observe the relationships between the various indicators of the formal and informal sector in Brazil. After analyzing the data, there was a strong relationship between GDP growth and increased formalization. The correlation of GDP with total employment formal observed was 71%, with construction was 70.8%, with 78.7% of trade and industry was 67.8%..

Key words: Labour Market; Formal employment; Informal Employment.

 

1 agsmatos@yahoo.com.br
2 josealderir16@hotmail.com

 

Literatura Citada

AMITRANO, C. R.; SQUEFF, G. C. Informalidade, crescimento e produtividade do trabalho no Brasil: desempenho nos anos 2000 e cenários contrafactuais.

AVILA, R. I.“Efeito-China” no comércio externo brasileiro e gaúcho pós 2000. Indicadores Econômicos, FEE, Porto Alegre, v. 39, n. 4, p. 83-92, 2012.

BALTAR et al. Moving towards decent work. Labour in the Lula government: reflections on recent Brazilian experience. In: Global Labour University Working Papers, v.9, 2010.

BARBOZA, R. de M. PIB e desemprego no Brasil. Valor Econômico, São Paulo, 16.1.2014.

BLANCHARD, O. Macroeconomia. 5ª Edição. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2011.

CARDOSO Jr., J. C. (2007). De volta para o futuro? As fontes de recuperação do emprego formal no Brasil e as condições para sua sustentabilidade temporal. Texto para Discussão, nº 1310, IPEA, Brasília, nov.

DORNBUSCH, R; FISCHER, S. Macroeconomia. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2002.

DIEESE (2016). Política de Valorização do Salário Mínimo: valor para 2016 é fixado em R$ 880,00. Nota Técnica Número 153 - Dezembro de 2015 e atualizada em janeiro de 2016.

FEIJO, A.C. Desvendando a heterogeneidade do setor informal brasileiro: uma contribuição a discussão de políticas públicas de combate à informalidade (Revista de economia contemporânea, vol. 13, n. 2, pp 329-354, IE/UFRJ, Rio de Janeiro) 2011.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Indicadores, Pesquisa Mensal de Emprego <http://www.ibge.gov.br>. Acesso em: 01/05/2016.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (IPEADATA). Disponível em: <http://www.ipeadata.gov.br/> Acesso: 01/05/2016.

KOGLIN, C. J.; STEINTHALER, C. S.; CASTRO NETO, J.C.P. O Desemprego Diante do Investimento em Tecnologia e do Desempenho da Renda Nacional na Primeira Década do Plano Real. RNTI. Revista Negócios e Tecnologia da Informação (Online) , v. 2, p. 51-70, 2007.

KOMATSU, B. K., Salário Mínimo, Desigualdade e Informalidade, dissertação de mestrado, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

KREIN, J. D. As transformações no mundo do trabalho e as tendências das relações de trabalho na primeira década do século XXI no brasil.Revista NECAT - Ano 2, nº 3, Jan-Jun de 2013.

KRUGMAN, P. Vendendo Prosperidade: sensatez e insensatez econômica na era do conformismo. Rio de Janeiro: Editora Campus, 1997.

LUSTIG, N.; LOPEZ-CALVA, L. F.; ORTIZ-JUAREZ, E. “Declining inequality in Latin America in the 2000s: the cases of Argentina, Brazil, and Mexico”, World Development, v. 44, p. 129-141, 2013.

MANKIW, G. Macroeconomia. São Paulo: LTC, 1996.

MOOSA, I. A. A Cross-Country Comparison of Okun's Law. Journal of Comparative Economics, v. 24, p. 335-356, 1997.

OKUN, A. Potencial GDP: Its Measurement and Significance. Proceedings of the Business and Economic Statistics Section. Washington: American Statistical Association, p. 98-104, 1962.

PAES, N. Reflexos do simples nacional no emprego e na formalização do mercado de trabalho no Brasil. Economía, Sociedad y Territorio, vol. xv, núm. 49, 2015, 639-663 xv, núm. 49, 2015, 639-663.

PRACHOWNY, M. F. J. Okun's Law: Theoretical Foundations and Revised Estimations. The Review of Economics and Statistics, v. 75, n. 2, p. 331-336, May 1993.

Relação Anual de Informações (RAIS). Disponível em: <http://www.rais.gov.br/> acesso em: 01/05/2016.

SABOIA, J.; KUBRUSLY, L. S. Indicadores para o mercado de trabalho metropolitano no Brasil. Texto para Discussão n. 021/2014, Instituto de Economia - UFRJ, Rio de Janeiro, 2014.

SABOIA, J.; Neto, J. H. Salário Mínimo e Distribuição de Renda no Brasil a partir dos Anos 2000. Texto para Discussão n. 002/2016, Instituto de Economia - UFRJ, Rio de Janeiro, 2016.

SABOIA. J. Baixo crescimento econômico e melhora do mercado de trabalho – Como entender a aparente contradição? Revista Estudos Avançados 28 (81), 2014.

SCHALK, H. J. & UNTIEDT, G. Regional investment incentives in Germany: Impacts on factor demand and growth, The Annals of Regional Science 34, 173-195, 2000.

SILVA, J. A. O Crescimento e a Desaceleração da Economia Brasileira (2003-2014) na Perspectiva dos Regimes de Demanda Neokaleckianos. Revista da Sociedade Brasileira de Economia Política, 44 / junho 2016 – setembro 2016.

SIMÃO, A. Sistema de vigilância e fiscalização do trabalho no Brasil: efeitos sobre a expansão do emprego formal no período 1999-2007. Boletim Mercado de Trabalho - Conjuntura e Análise, Rio de Janeiro, IPEA, n.39, maio 2009.