Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Mulheres e Artesanato: Um ‘Ofício Feminino’ no Povoado do Bichinho/Prados-MG

DOI: http://dx.doi.org/10.15668/1807-8214/artemis.v17n1p141-152

http://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/artemis 

downloadpdf

Vera L. B. Correio1 & Maria I. D. Correio2

 

Resumo: Este artigo inscreve-se na temática dos estudos culturais latino-americanos e trata a questão da mulher artesã no cenário da cultura material local. Buscaremos refletir acerca do trabalho feminino e o fazer artesanal frente à ambivalência da cultura ocidental. Mais especificamente, no cenário brasileiro onde se constrói historicamente o ofício de artesão como atividade feminina atrelado a conceitos socioculturais ambíguos de diferenciação valorativa: manual e intelectual; homem e mulher. É analisada aqui a experiência das artesãs do povoado do Bichinho/Prados-MG, buscando entender a trajetória e o significado que dão ao ofício a partir do cotidiano.

Palavras-chave: estudos culturais latino-americanos, mulher, artesanato, trabalho feminino

 

Abstract: This article inserts itself in the Latin American cultural studies, discussing the artisan woman immerse in her local cultural scenario. We discuss feminine work and the process of handicraft making through the ambivalent lenses of occidental culture. More specifically, in the Brazilian scenery, where the craftwork as an occupation has historically been a feminine activity, we identify ambiguous sociocultural conceptions of value differentiation both in terms of manual and intellectual work, men`s and women`s activities. We focus on the experience of some women artisans of Bichinho/Prados-MG, trying to understand the trajectory and the meaning they give to their trade through the lenses of daily life.

Key words: latin-americans cultural studies, woman, craft, feminine work

 

1 Mestre em Psicossociologia de Comunidades e Ecologia Social do Programa EICOS - IP. UFRJ. E-mail: veraermida@yahoo.com.br
2 Professora Titular da Universidade Federal do Rio de Janeiro. E-mail: inadavila@gmail.com

 

Literatura Citada

APPADURAI, Arjun. (2008). A Vida Social das Coisas. Niterói: EdUFF.

BRUSCHINI, Cristina et al. (2008). “Mercado de trabalho e gênero; comparações internacionais”. In: COSTA, et al. Mercado de trabalho e gênero; comparações internacionais. Rio de janeiro: Editora FGV, pp. 14-33.

CANCLINI, Nestor García. (1983). As culturas populares no capitalismo. São Paulo, São Paulo, Brasil: Brasiliense.

CARVALHO, José Jorge De. (julho de 2001). O olhar etnográfico e a voz subalterna. Disponível em <http://www.scielo.br.ez29.periodicos.capes.gov.br/pdf/ha/v7n15/v7n15a05.pdf>. Acesso em: 15 Jan. 2013.

CARVALHO, Vania Carneiro. (2000-2001). “Museu Paulista da USP”. Disponível em Anais do Museu Paulista. Disponível em: <http://www.scielo.br.ez29.periodicos.capes.gov.br/pdf/anaismp/v8-9n1/09.pdf>. Acesso em: 14 abr. 2013.

CERTEAU, Michel de. (1994). A invenção do cotidiano. Artes de fazer. Petrópolis, Rio de Janeiro, Brasil: Editora Vozes.

D’ÁVILA, Maria Inácia. (1994). O autoritarismo e a mulher: o jogo da dominação macho-fêmea no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Artes e Contos.

D’ÁVILA, Maria Inácia & PIRES, Cintia. (2001). “Empowerment or powersharing? Considerations on the project of gender equity in Brazil”. In: KEARNEY, Mary-Louise. (Org.). Women, Power and the Academy-From Rethoric to Reality. 1ªed. New York: Berghahn Books and UNESCO Publishing, v. 1, pp. 52-59.

DURAND, Jean-Yves. (2006). Bordar: masculino, feminino. Disponível em <http://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/5480/3/BORDAR.pdf>. Acesso em: 28 abr. 2013.

ESCOSTEGUY, Ana Carolina. (2010). Cartografia dos estudos culturais: uma versão latino-americana. Estudos Culturais. Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil: Autêntica Editora LTDA.

FIGUEIREDO, Luciano. (2006). “Mulheres nas Minas Gerais”. In: DEL PRIORE, Mary. História das Mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, pp. 141-188.

FONTES, Sheila Rachid. (Agosto de 2006). Turismo e artesanato: o caso do artesanato do Bichinho. Disponível em: <http://www.mestradoemtma.com.br/wp-content/uploads/2010/06/TURISMO-E-ARTESANATO-OCASO-DO-ARTESANATO-DO-BICHINHO.pdf>. Acesso em: 29 abr. 2012.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). (2004-2007). IBGE. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/noticia_visualiza.php?id_noticia=980>. Acesso em: 14 fev.13.

HIRATA, Helena. (set./dez. de 2007). “Novas configurações de divisão sexual do trabalho”. Cadernos de Pesquisa [0100-1574] vol: 37. n. 132, pp. 595-609.

HIRATA, Helena & KERGOAT, Daniele. (2008). “Divisão sexual do trabalho profissional e doméstico: Brasil, França, Japão”. In: COSTA, A. et al. Mercado de trabalho e Gênero: comparações internacionais. Rio de Janeiro: FGV, pp. 263-278.

JOLY, Martine. (1999). Introdução à Análise da Imagem. Campinas - SP: Papirus Editora.

LAGES, Sônia Regina Corrêa. (2007). Mulheres na encruzilhada: encontros e desencontros no discurso de mulheres possuídas pela entidade da Pomba-Gira Cigana na Umbanda. Tese de Doutorado- UFRJ. IP. Programa Eicos. Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRADOS - MG. (2007). PREFEITURA MUNICIPAL DE PRADOS SECRATERIA DE TURISMO E CULTURA. Disponível em: <http://prados.mg.gov.br>. Acesso em: 24 jan. 2013.

SARTI, Cíntia. (2003). Vida en familia: casa, comida y vestido en la Europa moderna. Barcelona: Crítica.

SENNETT, Richard. (2008). Craftsman. First published in de United States of America by Yale University. Penguim Books.

SENNETT, Richard. (2010). Ce que sait la main: La culture de l’artisanat. Editions Albin Michel.

SENNETT, Richard. (2012). O Artífice. Rio de Janeiro: Editora Record.

STROMQUIST, Nelly. (1997). “La busqueda Del empoderamiento: en qué puede contribuir el campo de la esducación”. In: LEÓN, Magdalena. Poder y empoderamiento de las mujeres. Bogotá: MT Editores, pp. 75-95.