Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Cursos Superiores de Tecnologia: Igualdade Jurídica e Dualidade da Escola

DOI: http://dx.doi.org/10.15600/2238-121X/comunicacoes.v21n2p145-160

https://www.metodista.br/revistas/revistas-unimep/index.php/comunicacao 

downloadpdf

Edson Detregiachi Filho1 & Neusa M. Dal Ri2

 

Resumo: Os cursos superiores de tecnologia, no Brasil, desde a última década do século XX, vêm apresentando uma enorme expansão em relação ao número de cursos e vagas oferecidos. Contudo, os altos índices de evasão escolar apresentados nestes cursos motivaram a realização de pesquisa com o intuito de desvendar os fatores que conduzem os alunos à evasão. A pesquisa faz uma análise histórica sobre a condução da educação profissional no Brasil mediante revisão bibliográfica e documental sobre o tema. Dessa forma, busca-se demonstrar, neste texto, que a condução das políticas públicas para a educação profissional exacerba a dualidade da escola. Porém, essa dualidade gera contradições entre as questões objetivas e aquelas subjetivas construídas pela ideologia disseminada pelas políticas públicas e ações governamentais em relação à educação profissional. Essas contradições acabam desnudando a inferioridade social da educação profissional e desestimulam a permanência dos alunos nos cursos. A igualdade jurídica imposta pela legislação entre os níveis de educação procura mediar a emergência dessas contradições. Contudo, apesar da igualdade jurídica, a igualdade social não é alcançada na implementação das políticas públicas, o que se traduz em elevado índice de evasão escolar.

Palavras-chave: educação profissional, dualidade da escola, igualdade jurídica

 

Abstract: Since the 1990s, higher education technology courses in Brazil have greatly expanded the offer of courses and places. However, the high dropout rates presented in these courses led to a research in order to uncover the factors that lead students to dropout. Through literature review and desk research, this study makes a historical analysis of how professional education is conducted in Brazil. This paper seeks to demonstrate that the implementation of public policies for professional education exacerbates the school’s duality. However, such duality generates contradictions between subjective and objective issues produced by the ideology disseminated by public policies and government actions in relation to vocational education. These contradictions end up unveiling the social inferiority of vocational education and discourage students from remaining in the courses. The legal equality between educational levels seeks to mediate the emergence of these contradictions. However, despite legal equality, social equality is not achieved in the implementation of public policies, leading to a high dropout rate.

Key words: history of Brazilian education, Portugal, 16th century, University of Coimbra

 

1 Doutor em Educação e professor do curso de Engenharia de Produção do UNIVEM – Marília – SP. engedson2009@gmail.com
2 Doutora em Educação e professora Livre-docente III do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Estadual Paulista - UNESP, Campus de Marília. neusamdr@terra.com.br

 

Literatura Citada

ALTHUSSER, L. Aparelhos ideológicos de Estado. 6. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1992.

ALVAREZ, L. Empresas estatais vetam profissionais formados em cursos tecnológicos. O Estado de São Paulo, São Paulo, 20 out. 2010. Caderno Educação, p. 3. Disponível em:<http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20101020/not_imp627132,0.php>. Acesso em: 4 nov. 2010.

BAUDELOT, C.; ESTABLET, R. La escuela capitalista em Francia. Madrid: Siglo Veintiuno, 1976.

BRASIL. Lei n.º 4.024, de 20 de Dezembro de 1961. Fixa as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. Educação profissional e Tecnológica: legislação básica – Graduação Tecnológica. 7. ed. Brasília: MEC, 2008. p. 17 – 21.

BRASIL. Lei n.º 9.394, de 20 de Dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. Educação profissional e Tecnológica: legislação básica – Graduação Tecnológica. 7. ed. Brasília: MEC, 2008. p. 28 – 56.

BRASIL. Decreto nº 2.208 de 17 de abril de 1997. Regulamenta o § 2º do art. 36 e os arts. 39 a 42 da Lei Federal nº 9.394/96, que estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmera de Educação Básica. Brasília, 1997. Legislação. Disponível em: <http://www.mec.gov.br/semtec/proep/legislacao/df2208.shtm> Acesso em: 28 nov. 2008.

BRASIL. Resolução CNE/CEB n. 4, de 8 de dezembro de 1999. Institui as Diretrizes Curriculares nacionais para a educação profissional de nível técnico. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rceb04_99.pdf> . Acesso em: 28 nov. 2004.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Federal de Educação. Parecer CFE n.º 60/1963. Aprova a criação do curso de Engenharia de Operação. Brasília: Documenta, n. 12, mar. 1963, p. 51-53.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Federal de Educação. Parecer CFE n.º 25/1965. Fixa o Currículo Mínimo para o Curso de Engenharia de Operação. Brasília: Documenta, n. 43, 1965.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. Parecer CNE/CES n.º 436/2001. Trata de Cursos Superiores de Tecnologia – Formação de Tecnólogos. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. Educação profissional e Tecnológica: legislação básica – Rede Federal. 7. ed. Brasília: MEC, 2008. p. 310 – 325.

BRASIL. Parecer CNE/CEB n. 20, de 17 de julho de 2002. Consulta sobre competências do Sistema de Ensino para habilitação profissional de aluno de curso técnico em contabilidade. Aprovado em 8 de maio de 2002. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2002. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CEB020_2002.pdf >. Acesso em: 15 jun. 2010.

BRASIL. Parecer CNE/CEB n. 12 de 2005. Consulta quanto à legalidade do exercício da docência dos profissionais da área de saúde. Aprovado em 2 de agosto de 2005. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2005. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/pceb012_05.pdf>. Acesso em13 jun. 2010.

BRASIL. Parecer CNE/CP n. 6, de 6 de abril de 2006. Solicita pronunciamento sobre Formação Acadêmica X Exercício Profissional. Aprovado em 6 abr. 2006. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2007. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/pcp006_06.pdf>. Acesso em: 18 jun. 2010.

CHRISTOPHE, M. A legislação sobre a educação tecnológica, no quadro da educação profissional brasileira. Rio de Janeiro: IETS, 2005. Disponível em: <http://www.iets.org.br/biblioteca/A_legislacao_sobre_a_educacao_tecnologica.pdf>. Acesso em: 9 jun. 2010.

CHRISTOPHE, M. A legislação sobre a educação tecnológica, no quadro da educação profissional brasileira. Rio de Janeiro: IETS, 2005. Disponível em: <http://www.iets.org.br/biblioteca/A_legislacao_sobre_a_educacao_tecnologica.pdf>. Acesso em: 9 jun. 2010.

DAL RI, N. M. Educação democrática e trabalho associado no contexto político-econômico do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. 2004. 315f. Tese (Livre-Docência em Educação) – Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília.

DILMA 13. Educação e desenvolvimento. 2010. Disponível em: <http://www.dilma13.com.br/paginas/o-brasil-mudou/educacao-e-desenvolvimento/>. Acesso em: 12 out. 2010.

ENGUITA, M. F. A face oculta da escola: educação e trabalho no capitalismo. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989.

FEPESP – FÓRUM DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DO ESTADO DE SÃO PAULO. 2011, São Paulo. Slides. São Paulo: CPS CETEC. Disponível em: <http://www.cpscetec.com.br/fepesp/pdf/ifsp_manha.pdf>. Acesso em: 30 ago. 2011.

FRIGOTTO, G.; CIAVATTA, M. O estado-da-arte das políticas de expansão do ensino médio técnico nos anos 1980 e de fragmentação da educação profissional nos anos 1990. In: FRIGOTTO, G.; CIAVATTA, M. (Orgs.). A formação do cidadão produtivo: a cultura de mercado no ensino médio técnico. Brasília: Inep, 2006. Disponível em: <http://www.publicacoes.inep.gov.br/arquivos/%7B2CE88044_7714_4383_9E13-90FDC8D6517C%7D_miolo_A%20formacao%20do%20cidadao%20produtivo_4a%versao_ULTIMO.pdf>. Acesso em: 7 jul. 2010.

GRAMSCI, A. Maquiavel, política e o estado moderno. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

INEP – INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Censo da Educação Superior 2004. – Resumo Técnico. 2005. Disponível em: <http://www.inep.gov.br/download/superior/2004/censosuperior/Resumo_tecnico-Censo_2004.pdf>. Acesso em: 7 jul. 2010.

INEP – INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Censo da Educação Superior 2008. – Dados Preliminares. 2009. Disponível em: <http://www.inep.gov.br/download/?censo/2008/resumo_tecnico_2008_15_12_09.pdf.> Acesso em: 7 jul. 2010.

MÉSZÁROS, I. A educação para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2005.

PONCE, A. Educação e luta de classes. 22. ed. São Paulo: Cortez, 2007.

RODRIGUES, G. M. Como matar uma boa idéia. Revista Ensino Superior. São Paulo, n. 49, 2002. Disponível em: <http://revistaensinosuperior.uol.com.br/textos.asp?codigo=10493>. Acesso em: 2 mar. 2011.

SERRA 45 PRESIDENTE DO BRASIL. Propostas Educação. 2010. Disponível em: <http://serra45.com.br/proposta/educacao>. Acesso em: 12 out. 2010.

ZIBAS, D. M. L. A reforma do ensino médio nos anos de 1990: o parto da montanha e as novas perspectivas. In: PARDAL, L.; VENTURA, A.; DIAS, C. (Orgs.). Ensino médio e ensino técnico no Brasil e em Portugal: raízes históricas e panorama atual. Campinas: Autores Associados, 2005. p. 3-42. http://dx.doi.org/10.1590/s1413-24782005000100003

WESTIN, R. Dilma e Serra têm concepções opostas sobre ensino técnico. Folha de S. Paulo. Caderno Poder. São Paulo, 11 out. 2010. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/poder/812788-dilma-e-serra-tem-concepcoes-opostas-sobre-ensino-tecnico.shtml>. Acesso em: 14 nov. 2010.