crosscheckdeposited

Elementos Humanizadores no Ensino Superior: Docência para Fisioterapia e Terapia Ocupacional

DOI: http://dx.doi.org/10.15602/1983-9480/cmedh.v14n28p9-20

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ipa/index.php/EDH/index 

downloadpdf

Janaisa G. D. Oliveira1, Zayanna C. L. Lindôso2, Claus D. Stobäus3 & Juan J. M. Mosquera4

 

Resumo: A Fisioterapia e a Terapia Ocupacional são profissões da área da saúde criadas com o intuito de minimizar os efeitos da primeira guerra mundial, propondo atendimento de reabilitação dos incapacitados físicos e mentais que retornavam dos campos de batalha. A humanização pode ser compreendida como uma forma de percepção da condição do paciente no contexto dos serviços de saúde, o qual enfoca a situação de fragilidade e vulnerabilidade vivenciada pelo paciente. Este estudo pretende tecer algumas reflexões sobre a promoção de um ensino mais humanizado junto a estas profissões relativamente jovens da área da saúde, e propor algumas alternativas para serem utilizadas em futuras reflexões de alternativas de mudanças no ensino nas áreas.

Palavras-chave: Fisioterapia - Terapia Ocupacional - Ensino humanizado - Educação.

 

Abstract: Physiotherapy and occupational therapy are healthcare professions that were created to minimize the effects of World War II, proposing rehabilitation care of physical and mental disabled who returned from the fields of battle. The humanization can be understood as a form of perception of patient’s condition in the context of health services, which focuses on the situation of fragility and vulnerability experienced by the patient. This study aims to weavesome thoughts on the promotion of a more humanized teaching along these young professions in the area of health, and propose some alternatives to be used in future reflections about alternative teaching change.

Key words: Physiotherapy - Occupational therapy - Humanized teaching - Education.

 

1 Doutoranda em Gerontologia Biomédica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul – PUCRS. Endereço para correspondência: Janaisa Gomes de Oliveira, e-mail: janaisaoliveira@hotmail.com
2 Doutoranda em Gerontologia Biomédica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul – PUCRS
3 Pós-doutor em Psicologia pela Universidad Autónoma de Madrid- Espanha, Doutor em Ciências Humanas- Educação, Professor Titular, Faculdade de Educação PUCRS, professor do Centro Universitário La Salle.
4 Pós-doutor em Psicologia pela Universidad Autónoma de Madrid, Livre Docente em Psicologia da Educação, Doutor em Pedagogia, Professor Titular, Faculdade de Educação e de Letras da PUCRS.

 

Literatura Citada

AFONSO, M. R.; STOBAUS, C. D. Reflexões sobre a Educação Médica. In: FRANCO, M. E. D. P.; KRAHE, E. D. (orgs). Pedagogia universitária e áreas de conhecimento. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2007.

ALMEIDA, M. H. M.; CASTIGLIONI, M. C. ensino da ética ao profissional de saúde na USP: a formação ética do terapeuta ocupacional. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo, v. 16, n. 2, p. 75- 81, maio/ago. 2005.

BARROS, F. B. M. A formação do Fisioterapeuta na UFRJ e a profissionalização da fisioterapia. Dissertação (Mestrado) - Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro (RJ), 2002.

BATESON, G. Natureza e Espírito: uma unidade necessária. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1987.

BORDAS, M. C. A interdisciplinaridade na universidade: possibilidades e limites. In: FRANCO, M. E. D. P.; KRAHE, E. D. (orgs). Pedagogia universitária e áreas de conhecimento. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2007.

BOTOMÉ, S. P. Contemporaneidade, Ciência, Educação e Verbalismo! Erechim: Editora da URI, 1994.

BRASIL, Ministério da Saúde. HumanizaSUS: política nacional de humanização: a humanização como eixo norteador das práticas de atenção e gestão em todas as instâncias do SUS. Brasília: Ministério da Saúde, 2004.

CAPRA, F. O Ponto de Mutação. São Paulo: Cultrix, 1982.

CRUZ, D. M. C. C.; CAMPOS, I. O. A opinião de estudantes de Terapia Ocupacional sobre o processo de sua formação profissional. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCAR, v. 12, n. 2, p. 105- 114, 2004.

DE CARLO, M. M. R. P.; BARTALOTTI, C. C. Caminhos da Terapia Ocupacional. In: DE CARLO, M. M. R. P.; BARTALOTTI, C. C. (Orgs). Terapia Ocupacional no Brasil: fundamentos e perspectivas. São Paulo: Plexus Editora, 2001.

FONTES, O. L. Educação nas ciências da saúde e novas configurações epistêmicas. Saúde em Revista, v. 3, n. 5, p. 15- 22, 2001.

FREIRE, P. Educação e Mudança. 21. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1979.

FREIRE, P. Conscientização: Teoria e Prática. 3.ed. São Paulo: Moraes, 1980.

GAVA, M. V. Cliente: Sujeito ou Objeto? Revista Fisio e Terapia, n. 19, p.16- 17, 2000.

HAGEDORN, R. Fundamentos da Prática em Terapia Ocupacional. São Paulo: Dynamis Editorial, 1999.

LEITÃO, A. A fisiatria Clínica: bases clínicas, fisiológicas e terapêuticas. Rio de Janeiro: Atheneu, 1979.

MATURANA, H. A árvore do conhecimento: as bases biológicas da compreensão humana. São Paulo: Palas Athena, 2001.

MEC – Ministério da Educação. Busca Interativa. Disponível em: < http://emec.mec.gov.br/> Acesso em: 2 mai 2011.

MOSQUERA, J. J. M.; STOBÄUS, C. D. Educação para a Saúde. 2. ed. Porto Alegre: D. C. Luzzatto, 1984.

MOREIRA, A. B. Terapia Ocupacional: história crítica e abordagens territoriais/comunitárias. Vita et Sanitas, v. 2, n. 2, p. 80- 91, 2008.

MORIN, E. Introdução ao Pensamento Complexo. Lisboa: Piaget, 1990.

MORIN, E. Como aproximar o homem do conhecimento. Revista do Conselho Federal de Medicina, p. 26- 27, 1999.

MORIN, E. Os sete saberes necessários à Educação do Futuro. 11. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

REBELATTO, J. R.; BOTOMÉ, S. P. Fisioterapia no Brasil: fundamentos para uma ação preventiva e perspectivas profissionais. 2. ed. São Paulo: Manole, 1999.

SANCHES, E. L. Histórico da Fisioterapia no Brasil e no mundo: Atualização Brasileira em Fisioterapia. São Paulo: Panamed,1984.

STOBÄUS, C. D.; MOSQUERA, J. J. M. Humanismo e criatividade em educação para a saúde. Educação, n. 21, p. 17- 40, 1991.