Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

O Lugar do Sujeito na Contemporaneidade e na Psicanálise: Questões Éticas

DOI: http://dx.doi.org/10.15600/2236-9767/impulso.v21n52p65-74

https://www.metodista.br/revistas/revistas-unimep/index.php/impulso/index 

downloadpdf

Conceição A. C. Azenha1

 

Resumo: A proposta deste artigo é contribuir para o debate em torno das formas de subjetivação contemporâneas. Nessa direção, faz-se a necessária distinção entre a psicanálise em intenção e a psicanálise em extensão. Situa-se, a partir da teoria lacaniana, a “ética do bem dizer” e discute-se a tese freudiana sobre o declínio da imago do pai na cultura e seus efeitos nas formas de subjetivação dos sujeitos modernos. Faz-se um breve percurso histórico sobre o questionamento do lugar simbólico do pai e da família com o objetivo de estabelecer uma diferença entre a imago paterna e a função paterna, esta última fundamental na estruturação subjetiva, a partir das formulações lacanianas. Nesse sentido, coloca-se em cena o atual debate entre os psicanalistas adeptos da nova economia psíquica (NEP), por um lado, e a posição daqueles que não concebem a noção de sujeito do inconsciente como homóloga à noção de subjetividade, por outro, pondo em relevo o objeto da psicanálise. Assim, aponta- -se para a necessária discussão e problematização do conceito de sujeito para a psicanálise. A conclusão privilegia a escansão do caráter sincrônico da estruturação subjetiva, a despeito da diacronia a que estão sujeitas as subjetividades, e para a necessidade de, a partir de certa concepção de sujeito, fazer a teoria psicanalítica trabalhar em suas conexões com outros campos do saber humano.

Palavras-chave: sujeito da psicanálise, subjetividades, ética psicanalítica.

 

Abstract: This article is a contribution to the debate on contemporary forms of subjectivation. In this sense, a distinction is made between psychoanalysis in intention and in extension. Based on the Lacanian theory, the “ethics of saying well” is approached. Freud’s theory regarding the decline of the father imago in modern-day culture is also discussed, as well as some of the ensuing consequences on current forms of subjectivation. A brief historical rundown is provided on the question of the father and the family’s symbolic place, distinguishing between father imago and paternal function, being the latter, according to Lacan, essential to subjective structuring. The text discusses the current debate between psychoanalysts of the nouvelle économie psychique, on the one hand, and, on the other, the stand of those who do not see the notion of the subject of the unconscious as homologous to the notion of subjectivity, since the latter tends to give greater emphasis to the object of psychoanalysis. Arguments are presented regarding the need to discuss and debate the concept of subject for psychoanalysis. Finally, the conclusion points to the scansion of the synchronic character of subjective structuring, despite the diachrony to which subjectivities are submitted. Conclusion also stresse the need, based on a certain conception of subject, to bring psychoanalytic theory into articulation with other fields of human knowledge.

Key words: subject of psychoanalysis, subjectivities, psychoanalytic ethics.

 

1 Universidade Metodista de Piracicaba (Unimep). cissazenha@terra.com.br 

 

Literatura Citada

AMAZONAS, M. C. L. A.; BRAGA, M. G. R. Uma redescrição da família e da função paterna. Encontro: Revista de Psicologia, 2004. Disponível em: <http://www.unia.br/revistaencontro/revista10.pdf>. Acesso em: 06/11/2005.

AZENHA, C. A. C. Lia: do nome ao verbo. 2006. 177 f. Dissertação (Mestrado em Linguística. Área de concentração: Linguagem e Psicanálise). Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas, São Paulo.

COSTA, J. Ordem médica e norma familiar. Rio de Janeiro: Ed. Graal, 1979. Desafios da Ciência. Folha de São Paulo. Editoriais. Caderno Opinião. 24 jun. 2001, p. A-2. Fleig, M. A tese do declínio da imago social do pai e o deslocamento da autoridade. Anais do II Colóquio do LEPSI. p. 28, 2000.

FREITAS, I. Apresentação. In: TEIXEIRA, A. (Org.). Especificidades da ética da psicanálise. Salvador: Associação Científica Campo Psicanalítico, 2005. https://doi.org/10.1590/s0101-32622005000100001

FREUD, S. O mal-estar na civilização. Obras psicológicas completas. Edição standard brasileira. Vol. XXI. Rio de Janeiro: Imago, 1996.

GROSSMAN, D. On Killing: The Psychological Cost of Learning to Kill in War and Society Boston: Little, Brown and Company, 1996.

KANT, I. Fundamentação da metafísica dos costumes. São Paulo: Abril Cultural, 1974.

KHEL, M. R. Sobre ética e psicanálise. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

KHEL, M. R. Função fraterna. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 2000.

KHEL, M. R. Radicais, Raciais, Racionais: a grande fratria do rap na periferia de São Paulo. São Paulo Perspec. [Online]. July/Sept. 1999, vol.13, no.3 [cited 31 January 2006], p.95-106. Available from World Wide Web: Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-88391999000300013&lng=en&nrm=iso>. ISSN 0102-8839, 1999. Acesso em: 04 mar 2011.

LACAN, J. Outros Escritos, Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

LACAN, J. Os complexos familiares. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002.

LACAN, J. Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

LACAN, J. O seminário, livro 7: A ética da psicanálise, 1959-1960 (A. Quinet, trad.). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1988.

LAJONQUIÈRE, L. Figuras do infantil. A psicanálise na vida cotidiana com as crianças. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

LEBRUN, P. Um mundo sem limite: ensaio para uma clínica psicanalítica do social. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, 2004.

PORGE, E. Um sujeito sem subjetividade. Trad. Viviane Veras Revista Literal, Campinas, n. 12, p. 152-156, 2009. Roudinesco, E. A família em desordem. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

SAFATLE, A política do real de Slavoj Zizek. Posfácio. In: ZIZEK, S. Bem-vindo ao deserto do real. São Paulo: Boitempo, 2003.

ŽIŽEK, S. Bem-vindo ao deserto do Real. Cinco ensaios sobre o 11 de setembro. São Paulo: Boitempo Editorial, 2003.

ŽIŽEK, S. Eles não sabem o que fazem: o sublime objeto da ideologia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1992.

ŽIŽEK, S. O mais sublime dos histéricos: Hegel com Lacan. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1991.