Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

A Relação do Jovem em Conflito com a Lei e a Escola

DOI: http://dx.doi.org/10.15600/2236-9767/impulso.v20n49p31-42

https://www.metodista.br/revistas/revistas-unimep/index.php/impulso/index 

downloadpdf

Aline F. Dias1 & Elenice M. C. Onofre2

 

Resumo: A análise histórica revela que a violência e o desvalor em relação a crianças e jovens são tão antigos quanto à chegada dos europeus ao Brasil. Apesar das conquistas no plano legislativo, as ações públicas voltadas à democratização do acesso à escola têm demonstrado dificuldades para acolher os adolescentes que estão em conflito com a lei e fazer com que nela permaneçam. Esse fato é corroborado por estudos que mostram que o fracasso e evasão escolar são fenômenos comuns na vida de adolescentes infratores, e que uma parte significativa deles se encontra fora da escola. O presente texto tem a intenção de contribuir com algumas reflexões acerca da relação entre o jovem autor de ato infracional e a escola, a partir de perspectiva teórica que entende a educação como possibilidade de libertação, em oposição a relações de opressão e dominação. Para tanto, utiliza-se, como referência de diálogo, Ernani Maria Fiori, Enrique Dussel e Paulo Freire, autores preocupados com as especificidades dos fenômenos sociais no contexto da América Latina e com a inclusão social de indivíduos marginalizados da sociedade.

Palavras-chave: jovem autor de ato infracional e escola; direito à educação; educação libertadora.

 

Abstract: Historical analysis shows that the violence and depreciation of children and adolescents are as old as the arrival of Europeans in Brazil. In spite of the advances at legislative level, public actions aiming the democratization of the access to school have difficulty admitting adolescents that are in conflict with the law, and making them stay in school. This fact has been corroborated by studies that demonstrate that failure and school dropout are common phenomena in the infracting adolescents´ life, and that a significant part of them are out of school. The present text intends to contribute with some thoughts about the relationship of the young author of an infractional acts and school, from the theoretical perspective that sees education as a possibility of liberation, as opposed to relationships of oppression and domination. Our references were Ernani Maria Fiori, Enrique Dussel and Paulo Freire, authors who are concerned about the specificities of the social phenomena in the context of Latin America and the social inclusion of those who are set aside from society.

Key words: law-defying youth and school; right to education; liberating education.

 

1 Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) alinefavaro@gmail.com
2 Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) linocam@uol.com.br

 

Literatura Citada

Abramovay, M.; Rua, M. G. Violências nas escolas: versão resumida. Brasília, UNESCO Brasil, REDE PITÁGORAS, Instituto Ayrton Senna, UNAIDS, Banco Mundial, USAID, Fundação Ford, CONSEG, UNDIME, 2003.

ADORNO, S. “A experiência precoce da punição”. In: MARTINS, J. S. (org.). O massacre dos inocentes. A criança sem infância no Brasil. São Paulo: HUCITEC, 1993, p. 181-208.

ARROYO, M. G. “Quando a violência infanto-juvenil indaga a pedagogia”. Educação e Sociedade, v. 28, n. 100, p. 787-807, out. 2007. https://doi.org/10.1590/S0101-73302007000300008

Assis, S. G. Traçando caminhos em uma sociedade violenta: a vida de jovens infratores e de seus irmãos não infratores. 2. ed. Rio de Janeiro: Fiocruz, 1999.

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente. 4. ed. Brasília: Câmara dos Deputados, Coordenação de Publicações, 2003.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Home Page. 19/10/2007. Disponível em: <http://www.promenino.org.br/Legisla%C3%A7%C3%A3o/tabid/66/Ferramentas/Conteudo/tabid/77/ConteudoId/50319541-62a6-4c5c-961b-d8f054c6ebc8/Default.aspx#_top>. Acessado em 17 jun. 2009.

COSTA, A. C. G.; LIMA, I. M. S. O. Estatuto e LDB: Direito à Educação. Documento, 02/2003. Disponível em: <http://www.abmp.org.br/textos/303.htm >. Acesso em 16 jun. 2009, s/d.

COTES, P. Sudeste: pólo do movimento nacional pelo ECA. Home Page. 24/11/2005 Disponível em: <http://www.promenino.org.br/Ferramentas/Conteudo/tabid/77/ConteudoId/24985b2c-3d31-494f-8f41-14128c6b3f26/Default.aspx>. Acesso em 15 jun. 2009, 2005.

CURY, C. R. J. “Direito à educação: direito à igualdade, direito à diferença”. Cadernos de Pesquisa, n. 116, p. 245-262, jul. 2002.

DIAS, F. C. S. “Educar e punir. Um estudo sobre educação no contexto da internação do adolescente autor de ato infracional: dilemas contemporâneos”. 2007. 202f. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo. https://doi.org/10.11606/t.48.2007.tde-29012009-151044

DUSSEL, E. Transmodernidad e interculturalidad (Interpretación desde la filosofia de la Liberación). México: UAM-Iz, 2005.

DUSSEL, E. “A Pedagógica Latino-Americana (A antropológica III)”. In: DUSSEL, E. Para uma ética da libertação Latino-Americana. São Paulo: Loyola, 1977, p. 153-281.

FIORI, E. M. “Aprender a dizer a sua palavra”. Prefácio de Pedagogia do Oprimido,17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2009

FIORI, E. M. Textos escolhidos v. II: educação e política. Porto Alegre: L&PM, 1991.

FIORI, E. M. “Conscientização e educação”. Educação e Realidade, v. 1, n.11, jan/jun. 1986, p. 3-10.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2009.

FREIRE, P. Política e Educação. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2007. (Coleção Dizer a Palavra).

FREIRE, P. Pedagogia da Esperança: um reencontro com a Pedagogia do Oprimido. 11. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2003.

Gallo, A. E. “Adolescentes autores de Ato infracional: perfil e intervenção”. 2006. 300fl. Tese (Doutorado em Educação Especial), Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.

GIMENO SACRISTÁN, J.; PÉREZ GÓMEZ, A. I. Compreender e transformar o ensino. Porto Alegre: Artmed, 2000.

LOPES, R. E.; SILVA, C. R.; MALFITANO, A. P. S. “Adolescência e Juventude de grupos populares urbanos no Brasil e as políticas públicas: apontamentos históricos”. Revista HISTEDBR on-line,Campinas, n. 23, set. 2006, p. 114-130.

MENDÉZ, E. G. “Evolución histórica del derecho de la infancia: ¿Por que una historia de los derechos de la infancia?”. In: ILANUD; ABMP; SEDH; UNFPA (Orgs.). Justiça, adolescente e ato infracional. São Paulo: ILANUD, 2006, p. 7-23.

Njaine , K.; Minayo, M. C. S. “Violência na escola: identificando pistas para a prevenção”. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, v. 7, n. 13, ago. 2003, p. 119-134.

NUNES, R. G. “Educação e Filosofia da Libertação”. Educação e Filosofia, v. 4, n. 8, jan/jun. 1990, p. 61-74.

Oliveira, M. B., Assis, S. G. “Os adolescentes infratores do Rio de Janeiro e as instituições que os “ressocializam”. A perpetuação do descaso”. Caderno Saúde Pública, v. 4, n. 5, 1999,p-831-844.

Pereira, I.; Mestriner, M. L. Liberdade assistida e prestação de serviços à comunidade: medidas de inclusão social voltadas a adolescentes autores de ato infracional. IEE/PUC São Paulo e FEBEM/ São Paulo. São Paulo: Vox, 1999.

SANTANA, J. S. S. “O processo de exclusão de adolescentes no Brasil: sua origem na infância desvalorizada”. In: RAMOS, F. R. S.; MONTICELLI, M.; NITSCHKE, R. G. (Orgs.). Um encontro da enfermagem com o adolescente brasileiro. Brasília: Ministério da Saúde/ABEn Nacional, v. 1, 2000, p. 15-36.

SARAIVA, L. G. “Medidas sócio-educativas e a escola: uma experiência de inclusão”. 2006. 173fl. Dissertação (Mestrado em Educação na Ciência), Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, Ijuí.

SILVA, C. R. “Políticas públicas, educação, juventude e violência da escola: quais as dinâmicas entre os diversos atores envolvidos?”. 2007. 194fl. Dissertação (Mestrado em Educação), Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.

Torezan, S. A. B. “Ser jovem em meio à violência: identidade x singularidade no confronto com a lei”. 2005. 154fl. Dissertação (Mestrado em Educação), Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

UNICEF. O direito de aprender: potencializar avanços e reduzir desigualdades. Situação da Infância e da Adolescência Brasileira 2009. Brasília, DF: UNICEF, 2009.

VOLPI, M. O adolescente e o ato infracional. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2008.