Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Trabalho e Religião: O Papel da Mulher na Sociedade Faraônica

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-0985/mandragora.v17n17p157-173

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/MA/index 

downloadpdf

Glória M. D. L. Pratas1

 

Resumo: A descrição das mulheres egípcias como um grupo detentor de direitos iguais aos dos homens ainda é muito comum na literatura. Apesar da contestação de vários estudiosos quanto a isso e a vários fatores, ou polêmicas à parte, as mulheres do Egito gozavam de uma situação jurídica e social privilegiada, se comparado a outras civilizações antigas, conforme os documentos analisados. Mas, afinal, qual era o verdadeiro papel da mulher na sociedade faraônica? O que mudou – se mudou – nos tempos atuais? Esses e outros questionamentos poderão ser conhecidos e vistos imageticamente, neste artigo, acerca da mulher pertencente a uma sociedade cujo país é envolvido por mistérios e descobertas históricas que atravessam eras.

Palavras-chave: Trabalho, religião, gênero, Egito Antigo, arte egípcia, sociedades antigas.

 

Abstract: The description of Egyptian women as a group holds equal rights with men is still very common in the literature. Despite the opposition of various scholars on the subject of equal rights and a number of factors or polemics aside, the women of Egypt enjoyed a privileged legal and social situation compared to other ancient civilizations as the documents analyzed. But ultimately, what was the true role of women in pharaonic society? What has changed in modern times? These and other questions can be known and imagery seen in this article about woman belonging to a society whose country is surrounded by mysteries and historical findings that cross eras.

Key words: Work, religion, gender, Old Egypt, Egyptian art, old societies.

 

1 É graduada em Teologia e Mestre em Ciências da Religião na área de Bíblia (Antigo Testamento), pela Universidade Metodista de São Paulo.

 

Literatura Citada

BAINES, John, MALIK, Jaromir. Cultural Atlas of Ancient Egypt, revised. Oxford:; Ed. Andromeda Oxford Limited, 2004, 2008.

BUDGE, E. A. Wallis. A magia egípcia: pedras, amuletos, fórmulas, nomes e cerimônias mágicas. Tradução Laura Gláucia Ceciliato. São Paulo: Madras, 2003.

CARDOSO, Ciro F. S. Trabalho compulsório na antiguidade. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2003.

EL NAGGAR, Mona. Trabalho, mas não liberdade, para as egípcias. Disponível em: <http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/nyt/trabalho+mas+nao+liberdade+para+as+egipcias/n1237722955758.html>. Acesso em The New York Times (19/07/2010, 16h29). Pesquisa efetuada em 002 de Junho de 2010 no site: http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/nyt/trabalho+mas+nao+liberdade+para+as+egipcias/n1237722955758.html.

JACQ, Christian. O Egito dos Grandes grandes Faraósfaraós. Porto: ASA, 1999.

JACQ, Christian. As egípcias: retratos de mulheres do Egito Faraônico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000.

LESKO, Bárbara. The Remarkable women of Ancient Egypt. United States of America: Scribe Publications, 1987.

MORLEY, Jacqueline. SALARIYA, David. How Would You Survive As an Ancient Egyptian? – Publisher: Orchard/Watts Group, 1999.

NOBLECOURT, Christiane Desroches. A mulher no tempo dos faraós. Campinas: Papirus, 1994.

ROBINS, G. “Some Principals of Compositional Dominance and Gender Hierarchy in Egyptian”. In: Journal of the American Research Center in Egypt. The American Research Center in Egypt, v. XXXI, 1994, p. 36.

ROBINS, Gay. Las Mujeres en el Antiguo Egipto. Madrid: Akal, 1996.

SALLES, Catherine. Larousse das Civilizações Antigas. vol. I (Dos Faráos à Fundação de Roma). São Paulo: Larousse, 2006.

SOUZA, Anna Cristina Ferreira de. Nefertiti: sacerdotisa, deusa e faraó: androginia e poder nas imagens de Amarna. Dissertação. Mestrado. Niterói: UFF, 2003

WIEDEMANN, Amanda. A questão de gênero na literatura egípcia do II milênio a.C. Niterói. 358 f. Tese. Doutorado em História. Instituto de Ciências Humanas e Filosofia. Niterói: UFF, 2007.