Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Características do Desenho de Um Sujeito Autista

DOI: http://dx.doi.org/10.15600/2238-121X/comunicacoes.v19n2p7-22

https://www.metodista.br/revistas/revistas-unimep/index.php/comunicacao 

downloadpdf

Maria F. Bagarollo1, Vanessa V. Ribeiro2 & Ivone Panhoca3

 

Resumo: No desenvolvimento infantil, o desenho é considerado forma de linguagem e precursor da escrita, sendo, portanto, fundamental para o processo de constituição humana e escolarização. Assim como as demais funções do desenvolvimento, o desenho constitui-se a partir das relações sociais. Os sujeitos autistas, por apresentarem peculiaridades em seu desenvolvimento e nas relações sociais, podem engajar-se no processo de desenvolvimento do desenho de maneira distinta. O presente trabalho teve por objetivo caracterizar e analisar os desenhos de uma criança autista a fim de discutir as especificidades dos processos figurativos deste sujeito e as implicações disso para o processo de alfabetização. Trata-se de um relato de pesquisa, qualitativo, com método de análise microgenética. O sujeito do estudo é uma criança do sexo masculino, de oito anos de idade e diagnóstico de autismo. Foram analisados oito desenhos produzidos pela criança durante sete sessões de terapia fonoaudiológica após a leitura, contagem e exploração de livros de histórias infantis e suas respectivas condições de produção. Foram analisados três eixos temáticos: grafia, significação dos desenhos e envolvimento da linguagem oral durante a produção dos desenhos.

Palavras-chave: autismo, desenho, desenvolvimento da linguagem, educação especial, linguagem

 

Abstract: In child development, drawing is considered a form of language and a precursor of writing, and is therefore basic to the process of human constitution and schooling. Like other development functions, drawing is the basis of social relations. Because autistic subjects present peculiarities in their development and social relations, their engagement in the process of drawing may be different.. The aim of the present study was to characterize and analyze the drawings of an autistic child in order to discuss the specificities of this subject’s figurative processes and the implications for the literacy process. This is a qualitative research report, with a microgenetic analysis. The subject is an eight-year old male child diagnosed with autism. We analyzed eight drawings produced by this child during seven sessions of speech therapy, after reading, counting and exploitation of children’s stories and the respective production conditions. Three topics were analyzed: spelling, the meaning of the drawings and the oral language during the production of drawings.

Key words: autism, drawing, language development, special education, language

 

1 Fonoaudióloga Mestrado em Educação pela Universidade Metodista de Piracicaba; Doutorado em Saúde da Criança e do Adolescente pela Universidade Estadual de Campinas maria.fer@uol.com.br
2 Fonoaudióloga Mestrando em Distúrbios da Comunicação Humana pela Universidade Federal de Santa Maria; vanessaribeirooo@hotmail.com
3 Graduação em Fonoaudiologia Mestrado e Doutorado em Estudos da Linguagem/UNICAMP i.panhoca@terra.com.br

 

Literatura Citada

ANDERSON, H. C. A pequena vendedora de fósforos. São Paulo: Record, 1972.

ANDERSON, H. C. Cinderela. São Paulo: Record, 1972.

ANDERSON, H. C. João e os feijões mágicos. São Paulo: Record, 1972.

ANDERSON, H. C. Polegarzinha. São Paulo: Record, 1972.

ARAÚJO, C. C. M.; LACERDA, C. B. F. Linguagem e desenho: uma parceria promissora na clínica de fonoaudiologia. Temas em Desenvolvimento, São Paulo, v. 11, n. 65, p. 10- 19, 2002.

BAGAROLLO, M. F.; PANHOCA, I. A constituição da subjetividade de adolescentes autistas: um olhar para as histórias de vida. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 16, n. 2, p. 231-250, 2010.

BAGAROLLO, M. F.; PANHOCA, I. História de vida deadolescentes autistas: contribuições para a Fonoaudiologia e a Pediatria. Revista Paulista de Pediatria, São Paulo, v. 29, n. 1, p. 100-07, 2011. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-05822011000100016

BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. 11. ed. São Paulo: Hucitec, 2004.

BARBOSA, M. R.; FERNANDES, F. D. Qualidade de vida dos cuidadores de crianças com transtorno do espectro autístico. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia, São Paulo, v. 14, n. 3, p. 482-86, 2009. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-80342009000400009

CARNEIRO, M. S. C. A deficiência mental como produção social: de Itard à abordagem histórico-cultural. In: BAPTISTA, C. R. Inclusão e escolarização. Porto Alegre: Mediação, 2006. p. 137-52 .

FAVERO, M. A.; SANTOS, M. A. Autismo infantil e estresse familiar: uma revisão sistemática de literatura. Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v. 18, n. 3, p. 358-69, 2005. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722005000300010

FERNANDES, F. D. Families with autistic children: international literature. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia, São Paulo, v. 14, n. 3, p. 427-32, 2009. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-80342009000300022

FERREIRA, S. Imaginação e linguagem no desenho da criança. Campinas: Papirus, 2003.

FICHTNER, E. Introdução na abordagem histórico-cultural de Vygotski e seus colaboradores. In: INTRODUÇÃO À ABORDAGEM HISTÓRICO-CULTURAL DE VYGOTSKY E SEUS COLABORADORES, 1., 2010, São Paulo. Anais Eletrônicos… São Paulo: USP, 2010. Disponível em: <http://www3.fe.usp.br/secoes/inst/novo/agenda_eventos/docente/PDF_SWF/226Reader%20Vygotskij.pdf>. Acesso em: 10/10/2012.

GINZBURG, C. Mitos, emblemas, sinais: morfologia ehistória. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

GÓES, M. C. R. A abordagem microgenética na matriz histórico-cultural: uma perspectiva para o estudo da constituição da subjetividade. Caderno Cedes, Campinas, v. 20, n. 50, p. 09-25, 2000.

GÓES, M. C. R. Relações entre desenvolvimento humano, deficiência e educação: contribuições da abordagem histórico-cultural. In: OLIVEIRA, M. K.; SOUZA, D. T.; REGO, T. C. Psicologia, educação e as temáticas da vida contemporânea. São Paulo: Moderna, 2002. p. 95-114. 

GRIMM, I. Branca de neve. São Paulo: Record, 1972.

GRIMM, I. Chapéuzinho vermelho. São Paulo: Record, 1972.

GRIMM, I. João e Maria. São Paulo: Record, 1972.

KANNER, L. Os distúrbios autísticos do contanto afetivo. In: ROCHA, P. S. Autismos. São Paulo: Escuta, 1997. p. 111-170.

KLIN, A. Autismo e síndrome de Asperger: uma visão geral. Revista Brasileira de Psiquiatria, São Paulo, v. 28, n. 1, p. 03-11, 2006.

LUCHESI, K. F.; REILY, L. O papel do desenho naclínica fonoaudiológica: profissionais falam de sua prática. Distúrbios da Comunicação, São Paulo, v. 19, n. 1, p. 51-61, 2007.

LURIA, A. R. O desenvolvimento da escrita na criança. In: VIGOSKI, L. S.; LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. N. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. 8. ed. São Paulo: Ícone, 2003.

MATTOS, L. K.; NUERNBERG, A. H. Reflexões sobre a inclusão escolar de uma criança com diagnóstico de autismo na educação infantil. Revista Educação Especial, Santa Maria, v. 24, n. 39, p. 129-42, 2011.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 8. ed. São Paulo: Hucitec, 2004.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (OMS). Classificação de transtornos mentais e de comportamento da CID 10. 10. ed. Porto Alegre: Artmed, 1993.

ORRÚ, S. E. Contribuciones del abordaje histórico-cultural a la educación de alumnos autistas. Revista Humanidades Médicas, Cuba, v. 10, n. 3, p. 01-11, 2010.

PEREIRA, P. F. A.; PENTEADO, R. Z. Desenhos edepoimentos: recursos para investigação da percepção e do conhecimento vocal. Revista CEFAC, São Paulo, v. 9, n. 3, p. 383-96, 2007. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-18462007000300012

PINO, A. As marcas do humano: as origens da constituição cultural da criança na perspectiva de Lev S. Vigotski. São Paulo: Cortez, 2005.

REILY, L. Armazém de imagens. Campinas: Papirus, 2001.

SACKS, O. Um antropólogo em marte. São Paulo:Companhia das Letras, 1995.

SCHMIDT, C.; DELL’AGLIO, D. D.; BOSA, C. A. Estratégias de coping de mães de portadores de autismo: lidando com dificuldades e com a emoção. Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v. 20, n. 1, p. 124-31, 2007. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722007000100016

SILVA, R. A.; LOPES-HERRERA, S. A.; DE VITTO, L. P. M. Distúrbio de linguagem como parte de um transtorno global do desenvolvimento: descrição de um processo terapêutico fonoaudiológico. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia, São Paulo, v. 12, n. 4, p. 322-28, 2007.

SILVA, S. M. C. A constituição social do desenho da criança. Campinas: Mercado de Letras, 2002. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-80342007000400012

SILVA, S. M. C. Social conditions of the constitutions of infantile drawing. Psicologia USP, São Paulo, v. 9, n. 2, p. 205-20, 1998. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-65641998000200008

SPROVIERI, M. H.; ASSUMPÇÃO-JUNIOR, F. B. Dinâmica familiar de crianças autistas. Arquivos de Neuropsiquiatria, São Paulo, v. 59, n. 2, p. 230-37, 2001. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X2001000200016

VIGOTSKI, L. S. Fundamentos de defectologia. In: VYGOTSKI, L. S. Obras escogidas. 5. ed. Madrid: Visor, 1997.

VIGOTSKI, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 2000a.

VIGOTSKI, L. S. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2000b.

WESSON, M.; SALMON, K. Drawing and showing: helping children to report emotionally laden events. Applied Cognitive Psychology, v. 15, n. 3, p. 301-19, 2001. http://dx.doi.org/10.1002/acp.706