Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

A Etnografia Crítica da Recepção: Miniaturistas em Campo

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2175-7755/cs.v24n39p33-50

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/CSO 

downloadpdf

Veneza V. M. Ronsini1

 

Resumo: Com base na antropologia hermenêutica, o texto sintetiza as principais características do método compreensivo aplicado aos estudos qualitativos de audiência, mapeando algumas das contribuições e alguns dos limites da etnografia crítica da recepção dos meios de comunicação de massa. Apresenta o ponto de vista que constrói o objeto comunicacional sob o enfoque da linha de recepção, enfatizando os processos sociais contemporâneos e o papel das classes subalternas. Finalmente, propõe observar a relação dos grupos sociais com os meios massivos de forma a entender a organização espacial e temporal do cotidiano com base nas mediações cotidianidade familiar, competência cultural e temporalidade social.

Palavras-chave: Etnografia – Recepção – Cotidiano.

 

Abstract: Drawing on hermeneutic anthropology, the text sums up the main characteristics of comprehensive method applied to qualitative audience studies, pointing out some of the contributions and limitations of the critical ethnography of mass media reception. It presents the way by which reception model constructs the object of investigation, emphasizing the role of subaltern classes on contemporary social process. Finally, it proposes to observe the relation between social groups and mass media to understand everyday life structure in time and space, based on family daily life, cultural competence and social temporality.

Key words: Ethnography – Reception – Everyday life.

 

1 Mestre em Ciências da Comunicação pela ECA-USP e doutora em Sociologia pela FFLCH-USP, com bolsasanduíche da Capes na University of California (UCLA/EUA). Professora de Telejornalismo na Faculdade de Comunicação Social da Universidade Federal de Santa Maria (RS) e coordenadora do grupo de pesquisa Mídia, recepção e consumo cultural, que abriga duas linhas de investigação: Processos de recepção e consumo dos meios de comunicação tecnológicos e Produção midiática e audiência. O texto é um resumo da reflexão metodológica de um projeto de pesquisa em andamento sobre o consumo cultural em grupos juvenis, financiado pela Fapergs e pelo CNPq. E.mail: roma5@zaz.com.br.

 

Literatura Citada

APEL, Karl-Otto. La transformación de la filosofía. Tomo II. Madrid: Taurus, 1985.

BILTEREYST, Daniel. Qualitative audience research and transnational effects: a new paradigm? European Journal of Communication, v. 10, n. 2, p. 245- 265, june 1995. http://dx.doi.org/10.1177/0267323195010002005

CANCLINI, Néstor G. Consumidores e cidadãos. Rio de Janeiro: UFRJ, 1997.

CASTELLS, Manuel. O poder da identidade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1999.

GEERTZ, Clifford. Observando el Islam. Barcelona: Paidós, 1994.

GEERTZ, Clifford. Nova luz sobre a Antropologia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

GRIMBAUM, Ricardo. Para ativistas, Alca é neocolonialismo. Folha de S. Paulo, p. A14, 22 abr 2001.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Vértice/Ed. Revista dos Tribunais, 1990.

HARVEY, David. Condição pós-moderna. São Paulo: Loyola, 1993.

HERLINGHAUS, Hermann. Hacia una hermenéutica de la comunicación. Diálogos de la Comunicación, n. 59-60, p. 281-291, oct 2000.

JENSEN, Klaus B.; ROSENGREN, Karl E. Five traditions in search of the audience. European Journal of Communication, v. 5, n. 2-3, p. 207-238, june 1990.

JENSEN, Klaus B. The social semiotics of mass communication. London: Sage, 1995.

McQUAIL, Denis. Audience analysis. Thousand Oaks (CA): Sage, 1997.

MAGNANI, José G. C. Festa no pedaço: cultura popular e lazer na cidade. São Paulo: Brasiliense, 1984.

MARTÍN-BARBERO, Jesús. De los medios a las mediaciones. Barcelona: Gustavo Gili, 1987.

MONTERO, Paula. Questões para a etnografia numa sociedade mundial. Novos Estudos Cebrap, n. 36, p. 161-177, jun 1993.

MOORES, Shaun. Interpreting audiences: the ethnography of media consumption. New York: Sage, 1998.

MORLEY, David. Family television: cultural power and domestic leisure. London: Routledge, 1991.

MORLEY, David. Televisión, audiencias y estudios culturales. Buenos Aires: Amorrortu, 1996.

O’CONNOR, Alan. The problem of american cultural studies. Critical Studies In Mass Communication, v. 6, n. 4, p. 405-461, december 1989.

O’CONNOR, Alan. The emergence of cultural studies in Latin America. Critical Studies In Mass Communication, v. 8, n. 4, p. 60-73, december 1991.

PEIRANO, Marisa. A favor da etnografia. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1995.

RABELO, Desirée C. Da linguagem às mediações.In: MARQUES DE MELO, José; DIAS, Paulo da Rocha (orgs.). Comunicação, cultura e mediações: o percurso intelectual de Jesús-Martín Barbero. São Bernardo do Campo: Umesp, 1999. p. 75-97.

RONSINI, Veneza M. Entre a capela e a caixa de abelhas: identidade cultural de gringos e gaúchos. São Paulo, 2000. Tese (Doutorado em Sociologia) – FFLCH-USP

SANTOS, Milton. Por uma outra globalização. Rio de Janeiro: Record, 2000.

SCHRÆDER, Kim C. Convergence of antagonist traditions? The case of audience research. European Journal of Communication, v. 2, n. 1, p.7-31, march 1987. http://dx.doi.org/10.1177/0267323187002001002

SILVERSTONE, Roger. Why study the media? London: Sage, 1999.

SILVERSTONE, Roger. Television and everyday life. London: Routledge, 1994.

ZALUAR, Alba. Para não dizer que não falei de samba: os enigmas da violência no Brasil. In: SCHWARCZ, Lilia Moritz (org.). História da vida privada no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1998, v. 4. p.245-318.

WALLERSTEIN, Immanuel. A cultura como campo de batalha ideológico no sistema mundial moderno. In: FEATHERSTONE, Mike. Cultura global. Petrópolis, 1994. p.41-67.