crosscheckdeposited

A Argumentação Paulina em Discurso Dirigido a Judeus Não Convertidos de Antioquia da Pisídia

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-1078/er.v26n43p173-202

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/ER/index 

downloadpdf

Moisés O. Ferreira1

 

Resumo: A Nova Retórica, que revitalizou a importância que a Retórica possuía na antiguidade grecoromana, desenvolvida por Chaïm Perelman e seus sucessores (Meyer, Plantin, Reboul, Grácio, Mosca, entre outros), tem oferecido, em diálogo com a Análise do Discurso de linha francesa, significativo suporte para o exame das operações de persuasão encontradas nas mais diferentes modalidades discursivas, levando em conta o orador (êthos), o auditório (páthos) e o discurso (lógos), elementos esses constitutivos e indissociáveis, envolvidos no processo de interação. Com esse ferramental teórico, o presente artigo pretende examinar as noções e as ideias que permitem apreender a dimensão estratégica da argumentação e os papéis assumidos pelos sujeitos no corpus de Atos dos Apóstolos 13.14-41, para cuja tradução utilizamos o arcabouço teórico de Henrique Murachco.

Palavras-chave: Nova Retórica. Análise do Discurso. Discurso Religioso. Apóstolo Paulo. Atos dos Apóstolos.

 

Abstract: The New Rhetoric has revitalized the importance that the Rhetoric had in Greco-Roman times. Developed by Chaïm Perelman and his successors (Meyer, Plantin, Reboul, Grácio, Mosca and others), it has offered, in conjunction with the French Discourse Analysis, a significant support for the examination of the operations of persuasion found in different discursive modalities, taking into account the speaker (ethos), the audience (pathos) and the speech (logos), which are constituent and inseparable elements involved in the interaction process. Based on this theoretical tool, this paper examines the concepts and ideas that enable people to grasp the strategic dimension of the argument and the roles assumed by the subjects in the corpus of Acts 13.14-41, whose translation from Greek into Portuguese was performed using the theoretical framework of Henrique Murachco.

Key words: New Rhetoric. Discourse Analysis. Religious Discourse. Paul, the apostle. Acts.

 

1 Doutor em Letras (DLCV) pela Universidade de São Paulo. É coeditor da EID&A (Revista Eletrônica de Estudos Integrados em Discurso e Argumentação). Linhas teóricas de pesquisa: Antiga e Nova Retóricas, Argumentação, Análise do Discurso, Teoria e Análise Linguística. Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/1996403145530527. E-mail: moisesolim@usp.br.

 

Literatura Citada

ALEXANDRE JÚNIOR, M. Eficácia retórica: a palavra e a imagem. Revista Rhêtorikê, n. 0, p. 1-26, 2008. Disponível em: http://www.rhetorike.ubi.pt/00/pdf/alexandre-junioreficacia-retorica.pdf. Acesso em: 20.03.2010.

BIBLIA HEBRAICA STUTTGARTENSIA (BHS). Edited by K. Elliger and W. Rudoph of the Deutsche Bibelgesellschaft, Stuttgart, 4. Edition, 1990. In. Software Bible Works. 1992-2003, Michael S. Bushell and Michael D. Tan. BOURDIEU, P. O que falar quer dizer. Trad. de Wanda Anastácio. Algés: Difel, 1998.

BIBLIA HEBRAICA STUTTGARTENSIA (BHS). A economia das trocas linguísticas. Trad. de Sérgio Miceli et al. São Paulo: Edusp, 2008.

CHANTRAINE, P. Dictionnaire étymologique de la langue grecque. Paris: Librairie C. Klincksieck et Cie, 1999.

CROSSAN, J. D.; REED, J. L. Em busca de Paulo: como o apóstolo de Jesus opôs o Reino de Deus ao Império Romano. Trad. de Jaci Maraschin. São Paulo: Paulinas, 2007.

DEWEY, J. Textuality in an oral culture: a survey of the pauline traditions. Semeia 65: Orality and Textuality in Early Christian Literature. Atlanta: Society of Biblical Literature, p. 7-64, 1995.

DUCROT, O. Princípios de semântica linguística (dizer e não dizer). Trad. de Carlos Vogt et al. São Paulo: Cultrix, 1977.

DUCROT, O. O dizer e o dito. Trad. de Eduardo Guimarães. Campinas: Pontes, 1987.

GILDERSLEEVE, B. L. Syntax of Classical Greek. New York: American Book Company, s/d.

FERREIRA, M. O. As estratégias argumentativas do apóstolo Paulo na Epístola a Filemon. In. MODESTO, A. T. T. et al. (Orgs.). O gênero em diferentes abordagens discursivas. São Paulo: Paulistana, 2012. Disponível em: http://www.epedusp.org/IIIEepedlivro/capa.htm. Acesso em: 01.02.2012.

FERREIRA, M. O. Hermes está entre nós! O discurso de S. Paulo em Listra. EID&A – Revista Eletrônica de Estudos Integrados em Discurso e Argumentação, Ilhéus, v. 1, p. 104- 116, 2011. Disponível em: http://www.uesc.br/revistas/eidea/index.php?item=conteudo_revistas_eletronicas.php. Acesso em: 01.02.2012.

FERREIRA, M. O. persuasão em risco: as divergências de tradução dos aspectos verbais e as diferentes influências sobre o auditório. In. Estudos Linguísticos, São Paulo, v. 38, n. 3, p. 509-519, 2009a. Disponível em: http://www.gel.org.br/estudoslinguisticos/volumes/38/EL_V38N3_40.pdf. Acesso em: 01.02.2012.

FERREIRA, M. O. Estudo do discurso religioso sob a perspectiva da nova retórica. In. GARCIA, B. R. V. et al. (Orgs.). Análises do discurso: o diálogo entre as várias tendências na USP. São Paulo: Paulistana, 2009b. Disponível em: http://www.epedusp.org/livro_eped_I/11.pdf. Acesso em: 01.02.2012.

GRÁCIO, R. A. A interacção argumentativa. Coimbra: Grácio Editor, 2010.

GRÁCIO, R. A. Consequências da Retórica. Para uma revalorização do múltiplo e do controverso. Coimbra: Pé de Página Editores, 1998.

KELLEY, P. H. Hebraico bíblico. Uma gramática introdutória. Trad. de Marie Ann Wangen Krahn. 4. ed. São Leopoldo: Sinodal, 2003.

KIRST, N. et al. Dicionário hebraico-português e aramaico-português. 18. ed., São Leopoldo: Sinodal/Vozes, 2004.

KOCH, I. V. Argumentação e linguagem. 7. ed. rev. São Paulo: Cortez, 2002.

LIDDELL, H.G.; SCOTT, R. Greek-English lexicon. Oxford: The Clarendon Press, 1992.

LOUWAND J. P.; NIDA, A. (Eds.). Greek-English Léxicon Based on Semantic Domains. 2. ed. New York: United Bible Societies, 1988.

MEYER, M. A retórica. Trad. de Marly N. Peres. São Paulo: Ática, 2007. (Série Essencial).

MOSCA, L. L. S. Velhas e novas retóricas: convergências e desdobramentos. In.

MOSCA, L. L. S. (Org.). Retóricas de ontem e de hoje. 3. ed., São Paulo: Humanitas, 2004. p. 17- 54.

MURACHCO, H. G. Língua grega: visão semântica, lógica, orgânica e funcional. 2. ed., vol. 1 e 2. Petrópolis: Vozes/Discurso, 2003.

OLÉRON, P. L’argumentation. Paris: P.U.F., 1993. (Coleção: Que sais-je?, 2087).

PATTE, D. Paulo, sua fé e a força do evangelho: introdução estrutural às cartas de São Paulo. Trad. de José Raimundo Vidigal. São Paulo: Paulinas, 1987.

PERELMAN, C.; OLBRECHTS-TYTECA, L. Tratado da argumentação: a nova retórica. 1. ed. Trad. de Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

PERELMAN, C. Argumentação. In. Enciclopédia Einaudi, Imprensa Nacional, Casa da Moeda, v. 11, 1987.

PLANTIN, C. L’argumentation. Paris: Seuil, 1996. (Coleção : Mémo, 23).

PLATÃO. Leis. In. Perseus Digital Library. Disponível em: http://www.perseus.tufts.edu/hopper/text?doc=Perseus:abo:tlg,0059,034:792e&lang=original. Acesso em 14.04.2011.

REBOUL, O. Introdução à retórica. Trad. De Ivone Castilho Benedetti. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

SCHOKEL, Luís Alonso e CARNITI, Cecília. Salmos I (Salmos 1-72). Trad. de João Rezende Costa. São Paulo: Paulus, 1996.

SEPTUAGINTA (LXX). Edited by Alfred Rahlfs. Württembergische Bibelanstalt/Deutsche Bibelgesellschaft, Stuttgart, 1935. In. Software Bible Works. Edited by Michael S. Bushell and Michael D. Tan, 1992-2003.

TAYLOR, W. C. Introdução ao estudo do Novo Testamento grego. 9.. ed. São Paulo: Batista Regular, 1990.

THE GREEK NEW TESTAMENT (GNT). Edited by Kurt Aland et al. 4. edition. United Bible Societies (UBS), 1966, 1968, 1975 and Deutsche Bibelgesellschaft, 1993, 1994. In. Software Bible Works. Edited by Michael S. Bushell and Michael D. Tan, 1992-2003.