Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Estratégias de Coping e o Impacto Sofrido Pela Família Quando um dos Seus Está em Tratamento Contra o Câncer

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-1019/mud.v19n1-2p11-18

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/MUD/index 

downloadpdf

Carolina B. S. Martins1, Nelson Silva Filho2 & Maria L. N. Pires3

 

Resumo: O estudo pretendeu analisar o impacto sofrido por 40 familiares ao descobrir que um dos seus foi diagnosticado com câncer, analisar as estratégias de coping utilizadas pela família em relação à doença do paciente e as perspectivas de futuro em relação a ele. Utilizou-se o Inventário de Estratégias de Coping de Folkman e Lazarus. Os resultados mostram que a maioria dos acompanhantes é formada por filhos dos pacientes, casados, com média de idade de 45,7 (dp=12.67) anos e que exercem atividade remunerada além dos cuidados dispensados ao familiar. Familiares relataram o impacto negativo da notícia do diagnóstico, predominando sentimentos de tristeza e medo da perda. Apesar disso, expressam uma perspectiva positiva quanto ao futuro, esperando a cura ou recuperação do paciente. Em relação às estratégias de enfrentamento funcionais, a mais utilizada foi a resolução de problemas, seguida de suporte social; a menos utilizada foi a de reavaliação positiva. Quanto às estratégias disfuncionais, a mais utilizada foi fuga e esquiva e a menos utilizada foi a de aceitação de responsabilidade. Conclui-se que mesmo sofrendo com o impacto negativo da notícia, os familiares mantêm o otimismo quanto ao futuro do paciente e procuram utilizar estratégias que resolvam o problema de maneira efetiva, além de não se culpar pelo adoecimento do familiar.

Palavras-chave: Câncer, família, estratégias, enfrentamento, impacto

 

Abstract: The aim of the present study was to analyze the impact suffered by 40 people when discovering that one of their family members was diagnosed with cancer, to analyze their coping strategies and expectations towards the patient’s illness and future. The study made use of the Coping Strategies Inventory by Folkman and Lazarus. Results show that most of the patients’ caregivers are their married children, with an average age of 45.7 (dp=12.67), and gainfully employed. These family members reported the negative impact of the diagnosis, with the predominant feelings of sadness and fear of loss, even though they had a positive perspective about the future, expecting the patient’s recovery. As to the functional coping strategies, the most used were the resolution of problems, followed by social support; the least used was positive revaluation. As to the dysfunctional strategies, the most used ones were escape and avoidance and the least used was taking the responsibility for the illness. Conclusions are that despite suffering with the negative impact of the disease, the family members are optimistic about the patient’s future and seek to use strategies that solve the problem effectively, without blaming themselves for the patient’s illness.

Key words: Cancer, family, strategies, coping, impact

 

1 Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" – Faculdade de Ciências e Letras de Assis. Graduanda do curso de Psicologia da Faculdade de Ciências e Letras – UNESP – Campus de Assis
2 Universidade Estadual Paulita "Júlio de Mesquita Filho" – Faculdade de Ciências e Letras de Assis. Professor Assistente Doutor junto ao Departamento de Psicologia Clínica da Faculdade de Ciências e Letras – UNESP – Campus de Assis
3 Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" – Faculdade de Ciências e Letras de Assis. Professora Assistente Doutora junto ao Departamento de Psicologia Experimental e do Trabalho da Faculdade de Ciências e Letras – UNESP – Campus de Assis

 

Literatura Citada

Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia (Abrale). Doenças e tratamento: câncer. Recuperado em 04 de novembro de 2009 de http://www.abrale.org.br/doencas/cancer/index.php?area=cancer.

Antoniazzi, A. S.; Dell’Anglio, D. D. & Bandeira, D. R. (1998). O conceito de coping, uma revisão teórica. Revista Estudos de Psicologia, 3(2), 273-294. https:/doi.org/10.1590/S1413-294X1998000200006

Beck, A. R. M. & Lopes, M. H. B. M. (2007). Tensão devido ao papel de cuidador entre cuidadores de crianças com câncer. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, 60(5), 513-518. https:/doi.org/10.1590/S0034-71672007000500006

Borges, C. G. (2007). Estratégias de enfrentamento e qualidade de vida de pacientes acometidos por acidente vascular encefálico em processo de reabilitação. Dissertação de Mestrado em Ciências da Saúde, Universidade de Brasília, Brasília.

Colleto, M. & Câmara, S. (2009). Estratégias de coping e percepção da doença em pais de crianças com doenças crônicas: o contexto do cuidador. Revista Diversitas – Perspectivas em Psicologia, 5(1), 97-110.

Costa, J. C. & Lima, R. A. G. (2002). Crianças/adolescentes em quimioterapia ambulatorial: implicações para a enfermagem. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 10(3), 321-333. https:/doi.org/10.1590/S0104-11692002000300007

Culver, J. L. et al. (2002). Coping and distress among women under treatment for early stage breast cancer: comparing African Americans, Hispanics and Non-Hispanic whites. Psycho-Oncology; 11, 495-504. https:/doi.org/10.1002/pon.615

Cunha, M. L. R. (2009). Incerteza e sofrimento: o sacrifico na vida familiar invadida pelo câncer da criança. Tese de Doutorado em Enfermagem, Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo, São Paulo.

Folkman, S. et al. (1987). Age differences in stress and coping processes. Psychology and Aging, 2(2), 171-184. https:/doi.org/10.1037/0882-7974.2.2.171

Folkman, S. & Lazarus, R. S. (1985). If it changes it must be a process: study of emotion and coping during three stages of a college examination. Journal of Personality and Social Psychology, 48(1), 150-170. https:/doi.org/10.1037/0022-3514.48.1.150

Fonseca, N. R; Penna, A. F. G. & Soares, M. P. G. (2008). Ser cuidador familiar: um estudo sobre as consequências de assumir esse papel. Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 18(4), 727-743. https:/doi.org/10.1590/s0103-73312008000400007

Fundação Pio XII – Hospital do Câncer de Barretos. Recuperado em 31 de março de 2010 de http://www.hcancerbarretos.com.br/.

Girardon-Perlini, N. M. O. (2009). Cuidando para manter o mundo da família amparado: a experiência da família rural frente ao câncer. Tese de Doutorado em Enfermagem, Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo, São Paulo.

Instituto Nacional de Câncer (Inca). O que causa o câncer. Recuperado em 04 de novembro de 2009 de http://www.inca.gov.br/conteudo_view.asp?id=81.

Kim, Y. & Given, B. A. (2008). Quality of life of family caregivers of cancer survivors: across the trajectory of the illness. Cancer Supplement, 112(11), 2556-2568. https:/doi.org/10.1002/cncr.23449

Lazarus, R. S. & DeLongis, A. (1983). Psychological stress and coping in aging. American Psychologist, 38, 245-254. https:/doi.org/10.1037/0003-066X.38.3.245

Matos, J. S. & Santos, C. T. S. (2002). A influência das reações emocionais de familiares na recuperação de pacientes com câncer. Recuperado em 31 de março de 2010 de http://www.nead.unama.br/bibliotecavirtual/revista/lato/pdf/lato41a20.pdf.

Mesquita Melo et al. (2007). Comportamento da família diante do diagnóstico do câncer de mama. Rev. Enfermería Global, 10, 1-10.

Messias, D. X. (2005). A experiência da família frente ao idoso com câncer. Dissertação de Mestrado em Enfermagem, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto. https:/doi.org/10.11606/d.22.2005.tde-07022006-094125

Milanesi, K. et al. (2006). Sofrimento psíquico da família de crianças hospitalizadas. Revista Brasileira de Enfermagem, 59(6), 769-774. https:/doi.org/10.1590/S0034-71672006000600009

Molina, M. A. S. & Marconi, S. S. (2006). Mudanças nos relacionamentos com amigos, cônjuge e família após o diagnóstico de câncer na mulher. Revista Brasileira de Enfermagem, 59(4), 514-520. https:/doi.org/10.1590/S0034-71672006000400008

Nijeboer, C. et al. (1998). Cancer and caregiving: the impact of the caregiver’s health. Psycho-Oncology, 7, 3-13. https:/doi.org/10.1002/(SICI)1099-1611(199801/02)7:1<3::AID-PON320>3.0.CO;2-5

Oliveira, J. F.; Watanabe, C. E. & Romano, B. W. (2007). Estratégias de enfrentamento (“coping”) dos familiares de pacientes internados em unidade de terapia intensiva. Rev. Soc. Cardiol. Estado de São Paulo, 17(supl.3A), 4-9.

Savóia, M. G. (2000). Instrumentos para avaliação de eventos vitais e de estratégias de enfrentamento (coping) em situação de estresse. In Gorenstein, C.; Andrade, L. H. S. G. & Zuardi, A. W. (Eds.). Escalas de avaliação clínica em psiquiatria e psicofarmacologia. (pp. 377-386). São Paulo: Lemos.

Savóia, M. G.; Mejias, N. P. & Santana, P. R. (1996). Adaptação do inventário de estratégias de coping de Folkaman e Lazarus para o português. Psicologia USP, São Paulo, 7(1/2), 183-201.

Soares, M. (2007). Cuidando da família de paciente em situação de terminalidade internados na unidade de terapia intensiva. Revista de Terapia Intensiva. 19(4), 481-484. https:/doi.org/10.1590/S0103-507X2007000400013

Stolagli, V. P.; Evangelista, M. R. B. & Camargo, O. P. (2008). Implicações sociais enfrentadas pelas famílias que possuem pacientes com sarcoma ósseo. Octa. Ortop. Bras., 16(4), 242-246. https:/doi.org/10.1590/S1413-78522008000400011

Taylor, S. E.; Lichtman, R. R. & Wood, J. V. (1984). Attributions, beliefs about control, and adjustment to breast cancer. Journal of Personality and Social Psychology, 46(3), 489-502. https:/doi.org/10.1037/0022-3514.46.3.489

Weitzner, M. A. et al. (2000). The family caregiver of the older cancer patient. Hematology/Oncology Clinics of North America, 14(1), 269-281. https:/doi.org/10.1016/S0889-8588(05)70288-4