Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

O Ensino e a Pesquisa em Odontopediatria: O Difícil Controle de Variáveis

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-1019/mud.v17n1p17-21

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/MUD/index 

downloadpdf

Gustavo S. Rolim1, Renata A. S. Rocha2 & Antonio B. A. Moraes2

 

Resumo: O ensino e a pesquisa em odontopediatria podem ser analisados em termos das recomendações e efeitos de estratégias comportamentais em tratamentos clínicos. No ensino, a transmissão é desvinculada da reflexão; é um aprendizado desprovido de teoria e da análise sistemática. Assim também, na pesquisa brasileiro/internacional, verifica-se que a situação odontológica, devido a seu caráter dinâmico e de longa duração, não apresenta um controle absoluto das variáveis de pesquisa. Tanto no ensino como na pesquisa são negligenciadas variáveis importantes para a implementação dos procedimentos e análise dos resultados. O primeiro objetivo desta comunicação é discutir/contrastar resultados encontrados em pesquisas empíricas e suas recomendações. Os efeitos de variáveis, tais como o controle restritivo indicado pelos guias e utilizado em pesquisa, são descartados no ensino e na pesquisa. Pode-se afirmar que não há estudo na área odontológica que sistematize um procedimento de intervenção e que avalie e indique recomendações adequadas a cada situação odontológica. O segundo objetivo é apresentar um procedimento preparatório e seus resultados como uma estratégia de ensino e de pesquisa viável para o estabelecimento de situações de enfrentamento. Isto é, é possível realizar estudos controlados e, a partir deles, propor intervenções comportamentais replicáveis, valorizando a importância da análise sistemática em psicologia aplicada.

Palavras-chave: Psicologia da saúde; experimentação; serviço de odontopediatria.

 

Abstract: Teaching and research in pedodontics may be analyzed in terms of recommendations and effects of behavior strategies in clinical treatments. In teaching, the transmission is unbound to reflection; it is a learning experience disconnected from theory and systematic analysis. In this sense, in the Brazilian/international research, we verify that the pedodontics situation, due to its dynamic character, does not present an absolute control of the research variables. Both teaching and research are important neglected variables to the implementation of the procedures and analysis of results. The first objective of this communication is to discuss/contrast the results found in empirical researches and its recommendations. The effects of the variables like restrictive control, indicated by the guides and used in research, are discarded in teaching and research. It is possible to state that there are no studies in the pedodontics area that systematize an intervention procedure and that evaluate and state recommendations suitable to each pedodontic situation. The second objective is to present a preparatory procedure and its results as a viable teaching and research strategy to the establishment of coping situations. This means it is possible to conduct controlled studies and from these to suggest replicable behavior interventions, valuing the importance of the systematic analysis in applied psychology.

Key words: Health psychology; experimentation; pedodontics service.

 

1 Faculdade de Ciências Médicas / Universidade Estadual de Campinas - gurolim@gmail.com
2 Faculdade de Odontologia de Piracicaba / Universidade Estadual de Campinas

 

Literatura Citada

Abrahamsson, K.; Berggren, U.; Hallberg, L.; & Carlsson, S. (2002). Dental phobic patients´ view of dental anxiety and experiences in dental care: A qualitative study. Scandinavian Journal of Oral Sciences, 16, 188-196. http://dx.doi.org/10.1046/j.1471-6712.2002.00083.x

Andrade, D.J.C. (2005) Odontopediatria: Relatório Pedagógico. Faculdade de Medicina Dentária. Universidade do Porto. <http://www.paediatricdentistry.com/relatorio_pedagogico.pdf>.

Brandenburg, O.; & Haydu, V.B. (2009). Contribuições da análise do comportamento à odontopediatria. Psicologia: Ciência e Profissão. 29(3): 462-475. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932009000300004

Costa Jr., A.L. (2005). Psicologia da saúde e desenvolvimento humano. (cap 9). Em MA Dessen e AL Costa Jr. (org.) A ciência do desenvolvimento humano Porto Alegre: Art Med.

Costa Jr., A. L. (2001). Análise de comportamentos de crianças expostas à punção venosa para quimioterapia. Brasília. Tese de doutorado. Instituto de Psicologia. Universidade de Brasília. Brasília / DF.

Fracasso, M. de L. C.; Rios, D.; Provenzano, M. G. A.; & Goya, S. (2005). Efficacy of an oral health promotion program for infants in the public sector. Journal of Applied Oral Science. 2005;13(4):372-376. http://dx.doi.org/10.1590/S1678-77572005000400011

Freitas, V.P.; Carvalho, R.B.; gomes, M.J.; Figueiredo, M.C.; & Faustino-Silva, D.D. (2009). Mudança no processo ensino-aprendizagem nos cursos de graduação em odontologia com utilização de metodologias ativas de ensino e aprendizagem. Revista da Faculdade de Odontologia – Passo Fundo. 14 (2):163-167.

Ingersoll, B.D. (1982). Gives guidelines on how dentists should detect and handle certain situations dealing with patients. Em B.D. Ingersoll & W.R. Cutcehgon (Org.), Behavioral Aspects in Dentistry. (pp. 40-64). N. York:Appleton-Century-Crofts.

Locker, D.; & Liddell, A. (2000). Changes in levels of dental anxiety as a function of dental experience. Behavior Modification, 24, 57-68. http://dx.doi.org/10.1177/0145445500241003

Milgrom, P.; Weinstein, P.; Kleinknecht, R.; & Getz, T. (1985). Treating fearful dental patients. Reston, V.A: Reston Publishing Co.

Moraes, A. B. A.; & Pessotti I . (1985). Psicologia aplicada a odontologia. Sarvier. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722004000100010

Moraes, A. B. A.; Sanchez, K. A. S.; Possobon, R. F.; & Costa Júnior, A. L. (2004). Psicologia e Odontopediatria: a contribuição da análise funcional do comportamento. Psicologia Reflexão e Crítica, 17(1), 75-82.

O’Callaghan, P.M.; Allen, K.D.; Powell, S.; & Salama, F. (2006). The efficacy of noncontingent escape for decreasing children’s disruptive behavior during restorative dental treatment. Journal of Applied Behavior Analysis,. 39, 161-171. http://dx.doi.org/10.1901/jaba.2006.79-05

Rolim, G.S.; Moraes, A.B.A.; & Costa Jr. A. L. (2008). Efeitos do Controle Aversivo no Contexto de Tratamento Odontopediátrico. Interação em Psicologia, 12(1), p. 51-68 http://dx.doi.org/10.5380/psi.v12i1.7921

Rolim, G. S.; Moraes, A. B. A.; César, J.; & Costa Junior, A. L. (2004). Análise do comportamento do odontólogo no contexto de atendimento infantil. Estudos de Psicologia, 9, 533-541. http://dx.doi.org/10.1590/s1413-294x2004000300016

Silva, L. P. P.; Moraes, A. B. A.; & Rolim, G. S. (2008). Efeitos de procedimento de distração não-contingente em tratamento odontopediátrico. Revista Interação em Psicologia. 12)2): 179-187.

Singh, K.S.; Moraes, A.B.A.; & Cesar, J (2002). Análise funcional do comportamento do dentista no contexto de sua atuação profissional. Acta Comportamentalia, 10,181-198.

Singh, K.A.; Moraes, A.B.A.; & Ambrosano GM. (2000). Medo, ansiedade e controle relacionados ao tratamento odontológico. Pesquisa Odontológica Brasileira. 14 (2): 131-136. http://dx.doi.org/10.1590/S1517-74912000000200007

Stark, L. J.; Allen, K. D.; Hurst, M.; Nash, D. A.; Rigney, B.; & Stokes, T. F.(1989). Distraction: its utilization and efficacy with children undergoing dental treatment. Journal of Applied Behavior Analysis, 22, 297-307. http://dx.doi.org/10.1901/jaba.1989.22-297

Weiner, A.; & Sheehan, D. (1990). Etiology of dental anxiety: Psychological trauma or CNS chemical imbalance? General Dentistry, 22, 39-43.

Weinstein, P., Getz, T., Ratener, P., & Domoto, P. (1982). The effect of dentist’s behaviors on fear-related behaviors in children. Journal of American Dentistry Association, 104 (1), 32-38. http://dx.doi.org/10.14219/jada.archive.1982.0117