Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

O Ninho da Fênix: Sobre as Relações Objetais de Pacientes em Transplante Cardíaco

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-1019/mud.v15n1p73-80

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/MUD/index 

downloadpdf

Ana A. M. Pereira1 & José T. Rosa2

 

Resumo: Estudos anteriores demonstram que fatores psicológicos intervêm nos resultados de um transplante cardíaco. Diferem, em seus achados, em função dos paradigmas a que estão vinculados, que incluem ou não o campo intersubjetivo nos quais os fenômenos emergem. Nesta investigação objetivamos descrever o funcionamento mental de pacientes candidatos ao transplante, a partir de suas relações objetais inconscientes, delimitando uma vivência emocional comum nesta situação, bem como, buscamos averiguar se existem diferenças entre os pacientes, em função da realização ou não da cirurgia. Utilizou-se, como procedimento, o Teste de Relações Objetais de H. Phillipson (TRO), aplicado em 63 cardiopatas com indicação ao procedimento. O material clínico proveniente do acompanhamento psicológico destes pacientes também é utilizado para completarmos as observações. Os resultados apontam a presença de indicadores psicopatológicos, de acordo com a classificação de Grassano para depressão clínica em 60 casos. Em dois casos observaram- se indicadores para psicopatia e um caso para funcionamento psicótico, com repercussões negativas sobre o vínculo com o tratamento. Constataram-se diferenças estatisticamente significantes na performance dos pacientes frente às lâminas BG e C2, mas não podemos afirmar que as dificuldades de ajuste perceptual nestas lâminas, mais freqüentes entre aqueles que não fazem a cirurgia, seja fator de obstáculo ao procedimento. Sugerimos, como hipótese teórica deste trabalho, a presença de refúgios psíquicos, de acordo com Steiner como estratégia de sobrevivência psíquica, nesta situação, tendo em vista o predomínio, regressivo, de relações de objeto persecutórias, em virtude da extrema ansiedade depressiva. Assim, neste refúgio (ninho da Fênix), o paciente abriga-se da dor da perda (luto pela vida, pelo coração a ser retirado) e da aniquilação (devastação da doença, risco cirúrgico e da imunossupressão), conseguindo enfrentar o processo de transplante cardíaco. Caso contrário, o paciente sucumbe ao quadro depressivo.

Palavras-chave: transplante cardíaco; relações objetais; psicanálise; psicologia da saúde; intervenção terapêutica

 

Abstract: Previous studies demonstrate that psychological factors intervene in the results of a cardiac transplant. They differ, in its findings, function of the paradigms the one that are tied, that they include or not it intersubjective field in which the phenomena emerge. In this inquiry we objectify to describe the mental functioning of patient candidates to the transplant, from its relations you object unconscious, delimiting a common emotional experience in this situation, as well as, we search to inquire if differences between the patients exist, in the function accomplishment or not surgery. As main procedure, the Phillipson’s Object Relations Test (ORT) was applied to 63 subjects with cardiopathy, and subscribed to the transplant. The clinical material proceeding from the psychological follow-up of these patients also is used to complete the comments. The results point the presence of psychopathological symptoms, in accordance with the Grassano classification with respect to clinical depression in 60 cases. In two cases they had observed indicating for psychopath and a case for psychotic functioning, with negative repercussions on the bond with the treatment. Significant differences in the performance of the patients had been evidenced statistical front to the blades BG and C2, but we cannot affirm that the difficulties of perceptual adjustment in these blades, more frequent between that do not make the surgery, either factor of obstacle to the procedure. We suggest, as theoretical hypothesis of this work, the presence of psychic shelters, in accordance with Steiner as strategy of psychic survival, in this situation, in view of the predominance of regressive, of persecutory object relations, and in extreme virtue of depressive anxiety. Thus, in this Phoenix nest shelter, the patient takes shelter from the pain loss (I fight for the life, for a removed heart) and the destruction (the illness devastation, surgical risk and the suppressive immunology), obtaining to face the cardiac transplantation process. In case that contrary, the patient loses to the depressive picture.

Key words: cardiac transplant; object relations’ theory; psychoanalysis; health psychology; therapeutical intervention.

 

1 Doutora em Psicologia Clínica, Curso de Pós-graduação em Psicologia Clínica da Universidade de São Paulo. Pesquisadora científica do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia e membro da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo.
2 Membro das divisões Health Psychology (39) e Psychoanalytic Psychology (40) da American Psychological Association; Professor titular da Faculdade de Psicologia e Fonoaudiologia; professor orientador do Programa de Pós-graduação em Psicologia da Saúde da Universidade Metodista; professor doutor do Departamento de Psicologia Clínica, Instituto de Psicologia, USP.

 

Literatura Citada

Blanchi, H. (1996). O eu e o tempo. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Chacko, R. C. (1996). Psychiatric interview and psychometric predictors of cardiac transplant survival. American Journal of Psychiatry, 153, 1607-1612. http://dx.doi.org/10.1176/ajp.153.12.1607

Dew, M. A. (1994). Psychosocial predictors of vulnerability to distress in the year following heart transplantation. Psychological Medicine, 24(929-945). http://dx.doi.org/10.1017/S0033291700029020

Fiorini, H. J. (1978). Teoria e Técnicas de Psicoterapias (C. Sussekind, Trans. 2ª ed.). Rio de Janeiro: Francisco Alves.

Gotzmann, L. (2004). «Is it me, or isn’t it?» - transplanted organs and their donors as transitional objects. The American Journal of Psychiatry, 64(3), 279-289. http://dx.doi.org/10.1023/b:tajp.0000041262.36839.fd

Grandi, S. (2001). Psychological evaluation after cardiac transplantation: the integration of different criteria. Psychoterapy and Psychosomatic, 70(176-183). http://dx.doi.org/10.1159/000056250

Grassano, E. N. (1996). Indicadores Psicopatológicos nas Técnicas Projetivas (L. S. L. P. C. Tardivo, trad.). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Hulak, S. & Lederman, G. (1992). Psicossomática Hoje. Porto Alegre, RS: ArtMed.

Khun, W. F. (1990). Psychiatric distress during stages of the heart transplant protocol. The Journal of Heart and Lung Transplantation, 9, 314-323.

Khun, W. F. (1998). Psychopathology in heart transplant candidates. The Journal of Heart and LungTransplantation, 7, 223-226.

Levenson, J. L., & Olbrisch, M. E. (1991). Psychosocial evaluation of heart transplant candidates: an international survey of process, criteria and outcomes. The Journal of Heart and Lung Transplant, 10(6), 948-955. http://dx.doi.org/10.1016/S0033-3182(93)71865-4

Levenson, J. L., & Olbrisch, M. E. (1993). Psychosocial evaluation of organ transplant candidates: a comparative survey of process, criteria and outcomes in heart, liver and Kidney transplantation. Psychosomatics, 34, 314-327.

Maricle, R. A. (1991). The lack of predictive value of preoperative psychologic distress for postoperative medical outcome in heart transplant recipients. Journal of Heart and Lung Transplantation, 10, 942-947. http://dx.doi.org/10.2190/MT1M-X5P4-JV20-8FQX

Maricle, R. A., Burt, A. R., & Hosenpud, J. D. (1991). Correlations of cardiac function and SCL-90-R in heart transplantation candidates. International Journal of Psychiatric Medicine, 21, 127-134.

McKinney, M., & Leary, K. (1999). Integrating quantitative and qualitative methods to study multifetal pregnancy reduction. J Womens Health, 8(2), 259-268. http://dx.doi.org/10.1089/jwh.1999.8.259

Pereira, A. A. M. (2000). Configurações vinculares em candidatos a transplante cardíaco. USP, São Paulo.

Pereira, A. A. M. (2000). Considerações éticas sobre papel dos profissionais de saúde mental que atuam junto a centros de transplante cardíaco. Mudanças - Psicoterapia e Estudos Psicossociais, 8, 59-71.

Pereira, A. A. M. (2006). Transplante Cardíaco - O Ninho da Fênix. Um estudo sobre as relações objetais de pacientes em processo de transplante cardíaco. Unpublished Doutorado, Instituto de Psicologia, USP, São Paulo.

Pereira, A. A. M., & Rosa, J. T. (1998). Abuso de bebida alcóolica em cardíacos: fatores psicológicos para inclusão no programa de transplante cardíaco. Revista da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo, 8(Suplem 6A), 1-9.

Pereira, A. A. M., Rosa, J. T., & Haddad, N. (2002). Adaptação psicológica, fatores de risco e probabilidade de sobrevida em transplante cardíaco. Mudanças - Psicologia da Saúde, 10(1), 41-61.

Pereira, A. A. M., Rosa, J. T., & Haddad, N. (2002). Dificuldades psicológicas para o processo de incorporação do coração transplantado: repercussões sobre a vinculação do paciente ao programa de transplante cardíaco. Revista da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo, Suplem 2A, 8-13.

Phillipson, H. (1981). Test de Relaciones Objetales. Buenos Aires: Paidos.

Phipps, L. (1997). Psychiatric evaluation and outcomes in candidates for heart transplantation. Clinical Investigation of Medicine, 20, 388-395.

Rosa, J.T. & Silva, J.C.V.V.V (2005a). Atualizações clínicas do Teste de Relações Objetais de Phillipson. São Paulo: Vetor Editora.

Rosa, J.T. & Silva, J.C.V.V.V (2005b). Desenvolvimentos na pratica clínica com o Teste de Phillipson. São Paulo: Vetor Editora.

Simon, R. (1986). Psicologia Clínica Preventiva: novos fundamentos. São Paulo: EPU.

Skotzko, C. E. (1999). Psychiatric disorders and outcome following cardiac transplantation. Journal of Heart and Lung Transplantation, 18(952-956). http://dx.doi.org/10.1016/S1053-2498(99)00065-0

Steiner, J. (1997). Refúgios Psíquicos - Organizações Patológicas em Pacientes Psicóticos, Neuróticos e Fronteiriços. São Paulo: Imago.

Vaisberb, T.M.J.A. & Machado, M.C.L. Structural diagnosis of personality in psychoanalytical psychopathology. Psicol. USP [online]. 2000, vol. 11, no. 1 [cited 2008-02-06], pp. 29-48. doi

Winnicott, D. W. (1951-1993). Objetos transicionais e fenômeno transicional. In D. W. Winnicott (Ed.), Textos Selecionados - Da Pediatria à Psicanálise. Rio de Janeiro: Francisco Alves.