Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Infância Desvalida: Trajetória Educacional das Acolhidas pelo Asilo de Órfãs da Santa Casa de Misericórdia de Campinas

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/1982-8993/ml.v3n1-2p50-71

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/ML/index 

downloadpdf

Ana M. M. Negrão1

 

Resumo: Este artigo objetiva perquirir quais as repercussões da educação recebida pelas acolhidas no Asilo de Órfãs da Santa Casa de Misericórdia de Campinas, sob os cuidados e propostas educacionais das Irmãs de São José de Chambéry, fundado para amparar centenas de órfãs desvalidas, em razão da epidemia de febre amarela queassolou Campinas em 1889. Busca este estudo detalhar o ideal de formação desejado na instituição para as meninas, bem como os destinos das asiladas. Por falta de políticas públicas de atendimento, o Asilo de Órfãs configurou-se como uma estratégia de política educativo-social, na elite campineira excludente, integrada pelas categorias sociais dominantes - Igreja, Imprensa e Oligarquia - representando para Campinas o único local de acolhimento às órfãs pobres e, em especial, às negras. As fontes constituem-se, basicamente, pelos anuários da Provedoria, livros de matrículas das órfãs, documentos e fotografias do acervo da Santa Casa de Misericórdia, biblioteca do Centro de Memória da UNICAMP, cadernos e, em especial, depoimentos de egressas a relatar como refletiu em suas vidas a educação recebida sob a égide Congregação de São José de Chambéry.

Palavras-chave: Asilo de Órfãs da Santa Casa de Misericórdia; crianças desvalidas; proposta educacional; história oral.

 

Abstract: This article aims inquired what the impact of education received by the received Orphan Asylum, Santa Casa de Misericordia de Campinas, under the care and educational proposals of the Sisters of St. Joseph of Chambéry, founded to support hundreds of helpless orphans, because of the epidemic yellow fever struck Campinas in 1889. Search this study detailing the training you want in the ideal institution for girls, and the destinations of asylum seekers. For lack of public policies on attendance, the Orphan Asylum was configured as a strategy for education and social policy in Campinas exclusive elite, composed of the dominant social categories - Church, Press and Oligarchy - representing the only place to Campinas to host orphaned and poor, especially the niger. The sources were, basically, by the Institucional yearbooks, enrollment of orphaned books, documents and photographs from the collection of the Santa Casa de Misericordia, library, Memory Center, UNICAMP, notebooks, and in particular, statements with alumni reporting reflected in their lives to education received under the aegis of the Congregation of St. Joseph of Chambéry.

Key Words: Orphanage Asylum of Santa Casa de Misericórdia; very poor childhood, educational proposal, oral history.

 

1 Doutora pela Faculdade de Educação/UNICAMP, Pesquisadora do CMU; Professora de Sociologia Jurídica da PUC-Campinas e Coordenadora do Curso de Direito/UNISAL/Campus Liceu Salesiano/ Campinas. E-mail: anamarianegrao@terra.com.br

 

Literatura Citada

BAUDELOT, C., ESTABLET, R. A escola primária segrega. Paris:Maspéro, 1975.

BERTAUX, Daniel. L'approche Biografique: sa validité methodologique, ses potencialités. Cahiers internationaux de Sociologie. [S.l.: s.n], v. LXIX, 1980.

BOSI, Ecléa. Memória e sociedade - lembrança de velhos. 7.ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

BOURDIEU. Pierre. O poder simbólico: memória e sociedade. Lisboa: Difel, 1989.

BOURDIEU. Pierre; PASSERON, Jean C. A Reprodução. 3.ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1992.

CAPELATO, M. Helena R. Multidões em cena propaganda política no varguismo e peronismo. Campinas: Papirus, 1988.

CORAZZA, Sandra Mara. História da infância sem fim. Rio Grande do Sul: UNIJUÍ, 2000.

CHARTIER, Roger A. A história cultural: entre práticas e representações. Lisboa: Difel, 1990.

CHRONIQUES de la Congrégation des Soeurs de Saint-Joseph de Chambéry. Chambéry: Impriméries Réunies, 1936.

CONSTITUIÇÕES das religiosas de São José de Chambéry, sob a Proteção da Imaculada Mãe de Deus. Roma: Casa Generalícia, 1951.

DERMATINI, Zeila de B. F. Trabalhando com relatos orais: reflexões a partir de uma trajetória de pesquisa. In: LANG, Alice B. da S. G. (org.). Reflexões sobre a pesquisa sociológica. São Paulo: CERU, 1992. (Coleção Textos. Série 2, 3)

DUARTE, Rafael. Campinas de outrora. São Paulo: Andrade & Mello, 1905.

DUBOIS, Philippe. O Ato Fotográfico. Campinas/SP: Papirus, 1999.

FERREIRA, Marieta de Moraes. História Oral: um inventário das diferenças. In: Entrevistas: abordagens e usos da História Oral. Rio de Janeiro: FGV, 1994. FOUCAULT, M. Vigiar e punir. Petrópolis: Vozes, 1999.

FERREIRA, Marieta de Moraes. História da sexualidade, 2: o uso dos prazeres. Rio de Janeiro: Graal, 1990.

FERREIRA, Marieta de Moraes. As palavras e as coisas. Tradução de Salma Iannus Muchail. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

FRANCA, Leonel. O método pedagógico dos jesuítas. “Ratio Studiorum”. Rio de Janeiro: Agir, 1952.

HALBWACHS, M. A Memória Coletiva. São Paulo: Vértice, 1990.

KENSKI, Vani Moreira. Memória e Prática Docente (p. 101-114). In: BRANDÃO, Carlos Rodrigues (Org.). As faces da memória. Campinas: Centro de Memória, UNICAMP, 1995.

LAPA, José Roberto do Amaral. Os cantos e os antros. São Paulo: EDUSP, 1995.

LANG, Alice Beatriz da Silva Gordo; CAMPOS, Maria Christina S. de Souza; DEMARTINI, Zeila de B. Fabri. História oral e pesquisa sociológica: a experiência do CERU. S Paulo: Humanitas, 1998.

LEFÈBVRE, H. La vida cotidiana en el mundo moderno. Madri: Alianza, 1972.

LEFÈBVRE, H. Critique de la vie quotidienne. Paris: l’ Arche Editeur, 1958.

LEGOFF, Jacques. História e memória. Campinas: Unicamp, 1990.

MACIEL, C. da S. Discriminações raciais: negros em Campinas (1888-1921). Campinas: Editora da UNICAMP, 1987.

MARCÍLIO, Maria Luiza. História social da criança abandonada. São Paulo: HUCITEC, 1998.

MARCÍLIO, Maria Luiza. (Org.). Família, mulher, sexualidade e igreja na história do Brasil. São Paulo: Loyola, 1993. v. 3.

McLAREN, Peter. Rituais na escola, em direção a uma economia política de símbolos e gestos na educação. Traduzido por Juracy Marques e Ângela M. B. Biaggio. Petrópolis: Vozes, 1992.

NEGRÃO, Ana Maria M. Infância, Educação e Direitos Sociais – Asilo de Órfãs (1870-1960). Campinas, SP: UNICAMP/CMU, 2004.

NEGRÃO, Ana Maria M. Educar para a cidadania através de valores cristãos. In: DEMARTINI, Zeila de Brito F. (coord.). Memórias da Educação: Campinas (1860-1850). Campinas: UNICAMP, 1999.

POLLAK, M.. Memória, esquecimento, silêncio. Rio de Janeiro: Estudos Históricos, v. 2, n. 3, pp. 3-15, 1989.

PRIORE, Mary del (Org.). História das crianças do Brasil. São Paulo: Contexto, 1999.

SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE CAMPINAS. Primeiro centenário MDCCCLXXI-MCMLXXI. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1972.

SIMSON, Olga R. M. Von (Org.). Experimentos com histórias de vida: Itália-Brasil. S P: Vértice, 1988.