Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Representações Sociais e Estereótipos Sobre AIDS e Pessoas que Vivem com HIV/AIDS

DOI: http://dx.doi.org/10.15348/1980-6906/psicologia.v16n3p43-57

http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/ptp/index 

downloadpdf

Larissa Antunes1, Brigido V. Camargo2 & Andréa B. S. Bousfield1

 

Resumo: Este estudo teve como objetivo verificar os estereótipos presentes nas representações sociais de adolescentes sobre a aids e sobre as pessoas que vivem com HIV/Aids. Participaram 300 estudantes de escolas públicas e particulares de Florianópolis, Santa Catarina. Utilizou-se como instrumento um questionário autoaplicado, composto por questão de evocação livre, questões abertas e fechadas, e uma escala. Para análise dos dados, utilizaram-se estatística descritiva e relacional, análises lexicográficas e análise de similitude. Os resultados mostraram que as representações sociais sobre pessoas que vivem com HIV/Aids apareceram permeadas de estereótipos e elementos negativos, que remetem a aspectos emocionais e atributos físicos, e o elemento “preconceito” aparece como organizador dessa representação. Os participantes responsabilizaram as pessoas com HIV/Aids pela sua condição e rejeitaram situações em que há contato mais próximo com elas. A aids também foi citada como doença que traz sofrimento e morte e que é permeada pelo preconceito.

Palavras-chave: aids; representação social; adolescentes; estereótipos (psicologia); preconceito

 

Abstract: This study had the purpose of verifying the stereotypes in the social representations of the adolescents about aids and people living with HIV/Aids. The participants were 300 students from public and private schools of Florianópolis, Santa Catarina. A self-administrated questionnaire was used, and included an evocation test, objective and open ended questions and a scale. The data analysis involved descriptive and relational statistics, lexicographic analysis and similarity analysis. The results indicated that the social representation about people living with HIV/Aids is permeated of stereotypes and negative elements, which involved emotional aspects and physical attributes, and the element “prejudice” manifests as an organizer of that representation. The participants considered that people living with HIV/Aids are responsible by their condition and rejected situations of close contact with them. Further, aids was referred to as a disease that brings suffering and death, and are permeated by the prejudice.

Keywords: aids; social representation; adolescents; stereotypes (psychology); prejudice.

 

1 Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis – SC – Brasil. Rua João Pio Duarte Silva, 94 – Florianópolis – SC – Brasil. CEP: 88037-000. E-mail: larissantunes@gmail.com.

 

Literatura Citada

Abric, J. C. (2003). Abordagem estrutural das representações sociais: desenvolvimentos recentes. In P. H. F. Campos & M. C. S. Loureiro (Orgs.). Representações sociais e práticas educativas (pp. 37-57). Goiânia: Editora da UCG.

Abric, J. C. (2005). A zona muda das representações sociais. In D. C. O. Oliveira & P. H. F. Campos. Representações sociais: uma teoria sem fronteiras (pp. 23-34). Rio de Janeiro: Museu da República.

Allport, G. W. (1979). The nature of prejudice. New York: Basic Books.

Bousfield, A. B. S., & Camargo, B. V. (2011). Divulgação do conhecimento científico sobre Aids e representações sociais. Acta Colombiana de Psicología, 14(1), 31-45. Recuperado em abril, 2014, de http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0123-91552011000100004.

Camargo, B. V. (1997). Communication et prévention du Sida. Tese de doutorado, École des Hautes Études em Sciences Sociales, Paris, França.

Camargo, B. V., Barbará, A., & Bertoldo, R. B. (2005). Um instrumento de medida da dimensão informática da representação social da Aids. In IV Jornada Internacional e II Conferência Brasileira sobre Representações Sociais. Textos Completos da IV Jornada Internacional e II Conferência Brasileira sobre Representações Sociais, João Pessoa, PB, Brasil, 1385-1395.

Camargo, B. V., Bertoldo, R. B., & Barbará, A. (2009). Representações sociais da Aids e alteridade. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 9(3), 710-723. doi

Collani, G. V., Grumm, M., & Streicher, K. (2010). An investigation of the determinants of stigmatization and prejudice toward people living with HIV/Aids. Journal of Applied Social Psychology, 40(7), 1747-1766. doi

Galvão, A. C. (2009). Os muros (in)visíveis do preconceito: um estudo das representações sociais das pessoas que vivem com HIV/Aids. Dissertação de mestrado, Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

Jodelet, D. (2001). Representações sociais: um domínio em expansão. In D. Jodelet (Org.). As representações sociais (pp. 187-203). Rio de Janeiro: Eduerj.

Jodelet, D. (2013). Culture and health practices. In A. S. de Rosa (Org.). Social representations in the social arena (pp. 153-165). New York: Routledge.

Labra, O. (2013). Social representations of HIV/Aids in mass media: some important lessons for caregivers. International Social Work, 0(0), 1-11. doi

Ministério da Saúde (2013, dezembro). Programa Nacional de DST e Aids. Boletim Epidemiológico – Aids e DST. 2(1-16). Brasília.

Moliner, P., & Vidal, J. (2003). Stéréotype de la catégorie et noyau de la représentation sociale. Revue Internationale de Psychologie Sociale, 1, 157-175.

Moriya, T. M., Gir, E., & Hayashida, M. (1994). Escala de atitude frente à Aids: uma análise psicométrica. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 2(2), 37-53. doi

Moscovici, S. (2012). A psicanálise, sua imagem e seu público. Petrópolis: Vozes. (Obra original publicada em 1961).

Sá, C. P. (1996). Núcleo central das representações sociais. Petrópolis: Vozes.

Seidl, E. M. F., Ribeiro, T. R. A., & Galinkin, A. L. (2010). Opiniões sobre pessoas com HIV/Aids. Psico-USF, 15(1), 103-112. doi

Tajfel, H. (1982). Grupos humanos e categorias sociais (Vol. 1). Lisboa: Horizonte. Vala, J. (2006). Representações sociais e psicologia social do conhecimento quotidiano. In J. Vala & M. B. Monteiro (Orgs.). Psicologia social (7a ed., pp. 457-502). Lisboa: Calouste Gulbenkian.