Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Os Sentidos da Inclusão Escolar: Reflexões na Perspectiva da Psicologia Histórico-Cultural a Partir de Um Estudo de Caso

DOI: http://dx.doi.org/10.15348/1980-6906/psicologia.v16n3p172-183

http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/ptp/index 

downloadpdf

Claudia Gomes1 & Vera L. T. Souza2

 

Resumo: Subsidiada pela teoria da subjetividade de Gonzalez Rey, esta pesquisa, caracterizada como estudo de caso, teve como objetivo compreender e explicar o processo de subjetivação de uma aluna de 7 anos de idade, com deficiência física, inserida em uma classe regular do ensino fundamental. Os procedimentos metodológicos utilizados foram observações, sistemas conversacionais e entrevistas de aprofundamento, realizados ao longo de nove meses, tempo em que as pesquisadoras permaneceu no campo. As informações acessadas foram organizadas em três eixos de análise: 1. eficiência encobre a deficiência, 2. incluir-se é se equiparar aos melhores alunos e 3. para incluir-se, vale todo e qualquer esforço de superação. Com base na análise desenvolvida, conclui-se que as relações de subjetivação da aluna são configuradas pela negação de sua deficiência e alteridade, o que configura e subjetiva o processo de inclusão como uma forma de apropriar-se das formas de exclusão – inclusive de sua própria deficiência.

Palavras-chave: deficiência; educação inclusiva; psicologia histórico-cultural; subjetividade; psicologia escolar.

 

Abstract: Supported by the theory of subjectivity of Gonzalez Rey, this research is described as a case study aiming to understand and explain the process of subjectivities of a seven years old student, physically disabled, enrolled in a regular elementary school. The methodological procedures used were observation, conversation sessions and deepening interviews, conducted over nine months, when the researcher remained in the research field. Information accessed was organized into three areas of analysis: 1. efficiency disguises disability, 2. to be included is to match the best students and 3. any effort to overcome is worth to be included. Based on the developed analysis, it is concluded that the student’s relations of subjectivity are configured by thedenial of herdisability and herotherness, which denotes that she represents and subjectivizes the process of inclusion as a way of appropriating the forms of exclusion – including deleting her own disability.

Keywords: disability; inclusive education; historic-cultural psychology; subjectivity; school psychology.

 

1 Universidade Federal de Alfenas, Alfenas – MG – Brasil. Instituto de Ciências Humanas e Letras da Universidade Federal de Alfenas, Rua Tiradentes, 830, Centro – Alfenas – MG – Brasil. CEP: 37130-000. E-mail: cg.unifal@gmail.com
2 Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo – SP – Brasil

 

Literatura Citada

Aguiar, W. M. J., & Ozella, S. (2006). Núcleo de significação como instrumentopara a apreensão da constituição dos sentidos. Psicologia Ciência e Profissão, 26(2), 222-245. doi

Aguiar, W. M. J., & Ozella, S. (2013). Apreensão dos sentidos: aprimorando a proposta dos núcleos de significação. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 94(236), 299-322. doi

Almeida, M. A., Mendes, E. G., & Toyoda, C. Y. (2011). Inclusão escolar pela via da colaboração entre educação especial e educação regular. Educar em Revista, 41, 81-93.

Brasil. (2008). Política nacional de educação especial na perspectiva da inclusão. Brasília: Ministério da Educação e Cultura. Recuperado em 20 fevereiro, 2009, de http://www.portal.mec.gov.br.

Bueno, J. G. S. (2008). As políticas de inclusão escolar: uma prerrogativa da educação especial? In J. G. S. Bueno, G. M. L. Mendes & R. Santos (Orgs.). Deficiência e escolarização: novas perspectivas de análise (pp. 43-63). Araraquara: Junqueira e Marin.

Garcia, R. M. C. (2011). Política Nacional de Educação Especial nos anos 2000: a formação de professores e a hegemonia do modelo especializado. In K. R. M. Caiado, D. M. Jesus & C. R. Baptista. Professores e educação especial: formação em foco (pp. 65-78). Porto Alegre: Mediação.

Gonzalez Rey, F. (2002). Pesquisa qualitativa em psicologia – caminhos e desafios. São Paulo: Thomson.

Gonzalez Rey, F. (2003). Sujeito e subjetividade. São Paulo: Thomson.

Gonzalez Rey, F. (2004). O social na psicologia e a psicologia social – a emergência do sujeito. São Paulo: Vozes.

Gonzalez Rey, F. (2005). O valor heurístico da subjetividade na investigação psicológica. In F. Gonzalez Rey (Org.). Subjetividade, complexidade e pesquisa em psicologia (pp. 27-51). São Paulo: Thomson.

Gonzalez Rey, F. (2012). O social como produção subjetiva: superando a dicotomia indivíduo/sociedade numa perspectiva cultural-histórica. Ecos: Estudos Contemporâneos da Subjetividade, 2(2), 167-185.

Souza, V. L. T., & Andrada, P. C. (2013). Contribuições de Vygotsky para a compreensão do psiquismo. Estudos de Psicologia. Campinas, 30(3), 355-365. doi

Vygotsky, L. S. (1996). Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes.

Vygotsky, L. S. (1997). Los problemas fundamentales de la defectología contemporánea. In L. S. Vygotsky. Obras escogidas (Vol. 5). Madrid: Visor. (Obra original publicada em 1929).

Vygotsky, L. S. (2003). Psicologia pedagógica. Porto Alegre: Artmed.

Vygotsky, L. S. (2010). A questão do meio na pedologia (M. P. Vinha, Trad.). Psicologia USP, 21(4), 681-701.