Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Fatores de Risco e de Proteção para Câncer de Mama na Mulher

DOI: http://dx.doi.org/10.18024/1519-5694/revuniandrade.v14n1p45-64

http://uniandrade.br/revistauniandrade/index.php/revistauniandrade/index 

downloadpdf

Viviane B. S. Bellini1, Cristiane Santos& Gleidson B. Oselame1,2

 

Resumo: O câncer de mama é uma doença crônica e degenerativa que se caracteriza por um longo período de latência sem apresentar sintomas e sua etiologia pode estar associada a diversos fatores de risco e de proteção. O objetivo do presente estudo é apresentar os fatores de risco e de proteção para o câncer de mama feminino que mais se destacam na literatura científica. Trata-se de um estudo de revisão, desenvolvido inicialmente na base de dados Scielo pelo descritor “câncer de mama”, em todos os índices, durante os dias 11 e 12 de março de 2012. Foram encontrados 509 artigos, dos quais, lidos os resumos, foram selecionados inicialmente 40 artigos que junto com suas referências, compuseram o corpus da revisão. Observou-se que os fatores (terapia de reposição hormonal, idade, menarca precoce, aleitamento materno, fator genético e menopausa tardia), figuraram em mais de 25% dos trabalhos analisados. Conclui-se que diversos fatores podem ser considerados como protetores ou de risco, de acordo com o estilo de vida adotado pelas mulheres.

Palavras-chave: Neoplasias da Mama; Fatores de Risco; Prevenção Primária

 

Abstract: Breast cancer is a chronic degenerative disease that is characterized by a long latency period without symptoms, and its etiology may be associated with several risk and protective factors. The aim of this study was to analyze risk and protection factors for female breast cancer that stand out most in the scientific literature. This is a review study, initially developed in the SciELO database descriptor for "breast cancer" at all levels during the March 11th and 12th 2012. We found 509 articles, of which, read the abstracts, and were initially selected 40 articles that, together with their references, composed the corpus of the review. It was observed that the factors Hormone replacement therapy, age, early menarche, breastfeeding, late menopause and Genetic Factor featured in more than 25% of the studies analyzed. It is concluded that several factors may be considered as protective or risk, according to the lifestyle adopted by women.

Key words: Breast Neoplasms; Risk Factors; Primary Prevention.

 

1 Centro Universitário Campos de Andrade, Curitiba-PR.
2 Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR). E-mail: goselame@ics.curitiba.pr.gov.br

 

Literatura Citada

Veras R. Envelhecimento populacional e as informações de saúde do PNAD: demandas e desafios contemporâneos. Cad. Saúde Pública. 2007; 23(10): 2463- 2466.

Instituto Nacional de Câncer (BR). Estimativa 2010: Incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro (RJ): INCA; 2009.

Carvalho MVB, Merighi MAB. O cuidar no processo de morrer na percepção de mulheres com câncer: uma atitude fenomenológica. Rev. Latino-am. Enfermagem.2005; 13(6): 951-959.

Carvalho CMRG, Brito CMS, Nery IS, Figueiredo MLF. Prevenção de câncer demama em mulheres idosas: uma revisão. Rev. bras. enferm. 2009; 62(4): 579-582.

Instituto Nacional de Câncer (BR). Câncer: INCA lança estimativas de câncer 2012 prevendo cerca de 520 mil novos casos da doença para 2012, com sete novas localizações de tumores. Disponível em: http://www.news.med.br/p/saude/249140/cancer-inca-lanca-estimativas-de-cancer-2012-prevendo-cerca-de-520-mil-novos-casos-da-doenca-para-2012-com-setenovas-localizacoes-de-tumores.htm. Acesso em: 16 out. 2012.

Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Estimativa 2010: incidência de câncer no Brasil / Instituto Nacional de Câncer. Rio de Janeiro: INCA; 2009.

Dutra MC, Rezende MA, Andrade VP, Soares FA, Ribeiro MV, Cândido PE et al . Imunofenótipo e evolução de câncer de mama: comparação entre mulheres muito jovens e mulheres na pós-menopausa. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. 2009; 31(2): 54- 60.

Instituto Nacional do Câncer (BR). Ações de enfermagem para o controle do câncer: uma proposta de integração ensino-serviço. 3ª ed. Rio de Janeiro (RJ): INCA; 2008.

Instituto Nacional do Câncer. http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/tiposdecancer/site/home/mama, acessado em 25-09-2012 as 24h31minh.

Cangussu RO, Soares TBC, Barra AA, Nicolato R. Sintomas depressivos no câncer de mama: Inventário de Depressão de Beck - Short Form. J. Bras. Psiquiatr. 2010; 59(2): 106-110.

Pardini D. Terapia hormonal da menopausa. Arq Bras Endocrinol Metab. 2007: 51(6): 938-942.

Nahas EAP, Lindsey SC, Uemura G, Nahas-Neto J, Dalben I, Véspoli HL et al . Influência da terapêutica hormonal prévia sobre os indicadores de prognóstico do câncer de mama em mulheres na pós-menopausa. Rev. Bras. Ginecol. Obstret. 2012; 27(3): 112-117.

Rozenfeld S. Terapia hormonal para a menopausa (TH): múltiplos interesses a considerar. Ciênc. saúde coletiva. 2007; 12(2): 437-442.

Oliveira VM, Aldrighi JM. Androgênios e câncer de mama. Rev. Assoc. Med. Bras. 2003; 49(1): 4-5.

Tiezzi, DG. Epidemiologia do câncer de mama. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. 2009;31(5): 213-215.

Silva EP, Pelloso SM, Carvalho MDB, Toledo MJO. Exploração de fatores derisco para câncer de mama em mulheres de etnia Kaingáng, Terra Indígena Faxinal,Paraná, Brasil, 2008. Cad. Saúde Pública. 2009; 25(7): 1493-1500.

Campiolo DJ, Medeiros SF. Tromboembolismo venoso e terapia de reposiçãohormonal da menopausa: uma análise clínico-epidemiológica. Arq Bras EndocrinolMetab. 2003; 47(5): 534-542.

Lima MG, Koifman S, Scapulatempo IL, Peixoto M, Naomi S, Amaral MC.Fatores de risco para câncer de mama em mulheres indígenas Teréna de área rural,Estado do Mato Grosso do Sul, Brasil. Cad. Saúde Pública. 2001; 17(6): 1537-1544.

Cibeira GH, Guaragna RM. Lipídio: fator de risco e prevenção do câncer de mama. Rev. Nutr. 2006; 19(1): 65-75.

Rea MF. Os benefícios da amamentação para a saúde da mulher. J Pediatr (Rio J). 2004; 80 (5 Supl): 142-S146.

Inumaru LE, Silveira EA, Naves MMV. Fatores de risco e de proteção para câncer de mama: uma revisão sistemática. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro.2011; 27(7): 1259-1270.

Batiston AP, Tamaki EM, Souza LA, Santos MLM. Conhecimento e prática sobre os fatores de risco para o câncer de mama entre mulheres de 40 a 69 anos. Rev. Bras. Saúde Mater. Infant. 2011; 11(2): 163-171.

Felden JBB, Figueiredo ACL. Distribuição da gordura corporal e câncer demama: um estudo de caso-controle no Sul do Brasil. Ciênc. saúde coletiva.2011; 16(5): 2425-2433.

Olaya-Contreras P, Pierre B, Lazcano-Ponce E, Villamil-Rodriguez J, Posso-Valencia HJ. Factores de riesgo reproductivo asociados al cáncer mamario enmujeres colombianas. Rev. Saúde Pública. 1999; 33(3): 237-245.

Ministério da Saúde (BR). Saúde Brasil 2005: uma análise da situação de saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2005.

Oliveira VM, Adrighi JM, Rinaldi JF. Quimioprevenção do câncer de mama. Rev.Assoc. Med. Bras. 2006; 52(6): 453-459.

Moura-Gallo CV. Mutações no gene TP53 em tumores malignos de mama: associação com fatores de risco e características clínico-patológicas, inclusive risco de óbito, em pacientes residentes no Rio de Janeiro . Rev. bras. epidemiol. 2004; 7(2): 167-175.

Ribeiro-Silva A, Garcia SB, Chaud F, Zucoloto S. Impacto prognóstico da expressão imuno-histoquímica do BRCA1 nos carcinomas mamários esporádicos . J. Bras. Patol. Med. Lab. 2005; 41(3): 197-203.

Dufloth RM, Carvalho S, Heinrich JK, Shinzato JY, Santos CC, Zeferino LC et al . Análise de mutações nos genes BRCA1 e BRCA2 em pacientes brasileiros com carcinoma de mama e história familiar positiva. São Paulo Med. J. 2005; 123(4): 192-197.

Lima FEL, Fisberg RM, Slater B. Desenvolvimento de um Questionário Quantitativo de Freqüência Alimentar (QQFA) para um estudo caso-controle de dieta e câncer de mama em João Pessoa - PB. Rev. bras. epidemiol. 2003; 6(4): 373-379.

Tiezzi DG. Câncer de mama: um futuro desafio para o sistema de saúde nos países em desenvolvimento. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. 2010; 32(6): 257-259.

Amorim VMSL, Barros MBA, Chester LGS, Carandina L, Goldbaum M. Fatores associados a não realização da mamografia e do exame clínico das mamas: um estudo de base populacional em Campinas, São Paulo, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro. 2008; 24(11): 2623-2632.

Lima Costa MF, Matos DL. Prevalência e fatores associados à realização da mamografia na faixa etária de 50-69 anos: um estudo baseado na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (2003). Cad. Saúde Pública 2007; 23(7): 1665- 1673.

Louveira MH, Kemp C, Ramos MM, Freitas A, Castro IM, Szejnfeld J. Densidade mamográfica assimétrica: como investigar? Radiol Bras, São Paulo. 2004; 37(3): 199-205.

Macchetti AH, Marana HRC. Densidade mamográfica como fator de risco para o câncer de mama. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. 2007; 29(10): 493-496.

Cangussu RO, Soares TBC, Barra AA, Nicolato R. Sintomas depressivos no câncer de mama: Inventário de Depressão de Beck - Short Form. J. bras. psiquiatr. 2010; 59(2): 106-110.

Hardy EE, Pinotti JA, Osis MJD, Faúndes A. Variáveis reprodutivas e risco para doenças benignas de mama: estudo caso-controle. Rev. Saúde Pública. 1990; 24(5): 387-393.