crosscheckdeposited

Por Uma Arqueologia da Arquivística: Elementos Históricos de sua Constituição

DOI: http://dx.doi.org/10.18377/2316-7300/informacaoarquivistica.v3n2p6-28

http://www.aaerj.org.br/ojs/index.php/informacaoarquivistica 

downloadpdf

Thiago H. B. Barros1

  

Resumo: A Arquivística, assim como a Ciência da Informação e outras áreas das ciências sociais, passou por mudanças profundas nos últimos 40 anos. A Arquivística, tecnicamente tem se estruturado desde o fim do século XIX, e que a rearranjaram na década de 1950, foram fundamentais para o atual estágio da área. Busca-se com este artigo descrever elementos históricos do percurso da Arquivística, a fim de demarcar aspectos discursivo-conceituais da área que a constituem enquanto campo de atuação acadêmica e profissional. Aborda-se aspectos da Arquivística por meio da análise, discursivahistórica. Discute-se a respeito da ampliação e da multiplicidade mais recente da teoria arquivística, calcando-se majoritariamente no universo brasileiro, representando um território mais recente de desenvolvimento teórico e profissional e o universo canadense, representando um território de discussão teórica e aplicação prática dessas políticas pós-1980, mais consolidado. Enquanto aporte metodológico utiliza-se da análise do discurso, o conceito de formação discursiva, apropriado pela área da obra de Michel Foucault, buscando construir uma análise arqueológica da Arquivística. Assim, compreendendo a arquivística enquanto uma instância significativa e passível desta análise busca-se no seu passado compreender o atual momento de transição no qual ela se encontra.

Palavras-Chave: análise do discurso, história arquivística, epistemologia.

 

Abstract: The Archival Science field has experienced in the past 30 years profound changes in its practical and theoretical universe. These changes as well as those who established the discipline during the nineteenth century, and that the rearranged in the 1950s. Were fundamental to the current field stage. We seek with this article describe historical elements of the Archival Science in order to demarcate discursive and conceptual aspects of the field. We cover Archival Science aspects through analysis, sometimes historical, sometimes discursive by key authors  responsible in the first instance by the enunciation of archival theory and methodology and as part of a second phase, we  discuss about  the expansion and multiplicity of  the latest archival theory  exploring the Brazilian universe, representing a more recent territory of theoretical and professional development and the Canadian universe, representing an place with more consolidated theoretical discussion and practical application of the policies established post-1980.

Key words: discourse analysis, archival science history, epistemology.

 

1 Professor Adjunto da Universidade Federal do Pará (UFPA). Diretor da Faculdade de Arquivologia da UFPA. E-mail: thiagobarros@ufpa.br.

 

Literatura Citada

ASSOCIAÇÃO DOS ARQUIVISTAS HOLANDESES. Manual de arranjo e descrição de arquivos. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1973.

BRANDÃO, N.H.H. Introdução à análise do discurso. 2.ed. Campinas: Ed. da Unicamp, 1993

BARONAS, R. L. Ensaios em análise do discurso: questões analítico-teóricas. São Carlos: EdUFScar, 2011

BEARMAN, D. Automated systems for archives and museums : acquisition and implementation Pittsburgh: Archives & Museum Informatics, 1989.

CANADIAN COUNCIL OF ARCHIVES: Disponível em: <http://www.cdncouncilarchives.ca/intro.html> Acesso em 20 jan. 2013.

CHARAUDEAU, P.; MAINGUENEAU, D. Dicionário de análise do discurso. São Paulo: Contexto, 2004. p. 500

COOK, T. What is past is prologue: a history of archival ideas since 1898, and the future paradigm shift. Archivaria, v. 43, p.18-63, Spring 1997.

COOK, T. Macroappraisal in theory and practice: origins, characteristics, and implementation in canada, 1950-2000 Archival Science v. 2, n. 5, p. 101-161, 2005. https://doi.org/10.1007/s10502-005-9010-2

DOSSE, F. História do estruturalismo. Campinas: Ed da Unicamp, 1.v, 1993.

DOSSE, F. História do estruturalismo. Campinas: Ed da Unicamp, 2.v, 1994.

DOSSE, F. A História a prova do tempo: da História de migalhas ao resgates dos sentidos. São Paulo, Ed. da UNESP, 2001.

EASTWOOD, T. Going nowhere in par-ticular: the association of Canadian archivists ten years after. Archivaria, n.21, p.186-90, Winter 1985.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. 3.ed. São Paulo: Edições Loyola, 1996.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. 5.ed. Rio de Janeiro: Forense, 1997.

FOUCAULT, M. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

HOBSBAWM, E.J. A revolução francesa. São Paulo: Ed. Paz e Terra, 2008.

HORSMAN, P., KETELAAR, E & THOMASSEN, T. New respect for the old order: the context of the dutch manual. American Archivistic. n. 66, p.249-270, Winter/Spring 2003.

JARDIM, J.M. Sistemas e politicas públicas de arquivos no Brasil. Niterói: Ed. da UFF, 1995.

JARDIM, J.M.; FONSECA, O.M. A Formação do arquivista no Brasil. Niterói: Ed. da UFF, 1999.

JENKINSON, H. Selected writings of Sir Hilary Jenkinson. Gloucester: Alan Sutton, [1949] 1980.

JENKINSON, H. A manual of archive administration: including the problems of war archives and archive making. Oxford: The Clarendon Press, 1922.

LAMB, W. Kaye The Fine Art of Destruction. In: Albert Hollaender, ed., Essays in Memory of Sir Hilary Jenkinson: Chicago, 1962 ok

LIBRARY AND ARCHIVES CANADA. Disponível em: <http://www.collectionscanada.gc.ca/index-e.html > Acesso em: 20 Mar. 2013.

MARQUES, A.A.C. Os espaços e os diálogos da formação e configuração da Arquivística como disciplina no Brasil. 2007. 298 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da informação) – Universidade de Brasília, Brasília, 2007.

MARQUES, A.A.C. Interlocuções entre a Arquivologia nacional e a internacional no delineamento da disciplina no Brasil. 2011. 399 f. Tese (Doutorado) - Programa De Pós-graduação Em Ciência da informação, Universidade de Brasília, Brasília, 2011.

MALDIDIER, D. Elementos para uma História da Análise do discurso na França. In: ORLANDI, In: ORLANDI, E.P. Gestos de Leitura: da História no discurso. 2.ed. Campinas: Ed. da Unicamp, 1994. Cap.1, p.15-28.

MILLAR, L. Discharging our debt: the evolution of the total archives concept in English Canada Archivaria n. 46, p. 10346, Fall 1998.

NESMITH, T. What's History Got to Do With It?: Reconsidering the Place of Historical Knowledge in Archival Work, Archivaria, v. 57, p. 1-27, Spring 2004.

NESMITH, T. The Foundation of ACA. [mensagem pessoal] Mensagem recebida por: < <xxxxx@shaw.ca>;. em: 10 jan. 2013.

ORLANDI, P. Análise de discurso: princípios e procedimentos. 2. ed. Campinas: Pontes, 2007.

PÊCHEUX, M. Discurso: Estrutura ou acontecimento. Campinas: Pontes, 2008.

PÊCHEUX, M.; FUCHS, C. A propósito da análise automática do discurso: atualização e perspectivas (1975). In: GADET, F.; HAK, T. Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Campinas: Editora da Unicamp, 1997e, p.163-252.

RIDENER, J. From polders to postmodernism: a concise history of archival theory. Litwin Books: Duluth, 2009.

SCHELLENBERG, T.R. Arquivos Mo-dernos: princípios e técnicas. Tradução Nilza Teixeira Soares. 2.ed. Rio de Janeiro: FGV, 2002.

STAPLERTON, R. Jenkinson and Schellenberg: Comparison, Archivaria. n.17, p. 65-85, fall 1983.

STRATHERN, P. Foucault: philosophy in an hour. Harper press: London, 2000. Kidle Edition.

TAYLOR, H. Information ecology and the archives of the l980s. Archivaria, n.18, p. 25-37, Summer 1984.

TAYLOR, H. My very act and deed: some reflections on the role of textual records in the conduct of affairs. American Archivist, v.51, n.4, p. 456-69, Fall 1988. https://doi.org/10.17723/aarc.51.4.342243r44up30t35

TAYLOR, H. Recycling the future: the archivist in the age of ecology. Archivaria, n. 35, p. 203-13, Spring 1993.