Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Mapeamento Geológico da Bacia de Sergipe, na Região de Propriá e São Francisco: Uma Contribuição para o Conhecimento da Fase Pré-Rifte/Rifte

DOI: http://dx.doi.org/10.12702/MP-000000001

 downloadpdf

Flávia A. Pedrosa1, Míviam G. M. Rodrigues1, Iraclézia G. de Araújo1 & Mário F. de Lima Filho2

 

Resumo: A Bacia de Sergipe está localizada no Nordeste do Brasil, é classificada como uma bacia do tipo rifte, originada durante a abertura do Atlântico Sul. Seus limites vão desde o Alto de Japoatã ate a Falha de Vaza Barris. O foco deste trabalho esta entre a cidade de Propriá e a de São Francisco. Na área de mapeamento geológico, encontramos sedimentação Paleozóica, composta pela Formação Batinga, (Membro Boaciaca) e Formação Aracaré. Já as formações Bananeiras e Serraria (ambas do Andar Local Dom João), são de idade Jurássica, representam a fase Pré-Rifte da bacia, com mergulho para SE. A Sequência Paleozóica e o Pré – Rifte localizam-se na borda oeste da área mapeada; Na fase Rifte, encontram-se as formações Feliz Deserto, Barra de Itiúba, Coqueiro Seco e Morro do Chaves. A sequência Rifte, é melhor representada pelas formações Feliz Deserto e Barra de Itiúba. Em campo, há uma grande dificuldade de separar a Formação Feliz Deserto da Formação Barra de Itiúba, porque são concordantes entre si e há uma enorme semelhança litológica , já que ambas são compostas por folhelhos cinza esverdeado e arenitos lacustre – deltaicos. Logo, para um melhor entendimento da bacia Sergipe, optamos por adotar o termo “Formação Feliz Deserto/Barra de Itiúba” neste mapeamento. As formações Coqueiro Seco e Morro do Chaves aparecem apenas ás margens do Rio São Francisco, próximo as falhas de borda NE-SW. Deste modo, esta carta difere em vários aspectos da carta geológica da folha Japoatã (SC 24-Z-B-II-3), de 1975, produzido por uma parceria do DNPM e a Petrobras.

Palavras-chave: Bacia de Sergipe, Formação Serraria, Formação Feliz Deserto, mapeamento geológico, Pré Rifte/Rifte

 

Abstract: The Sergipe Basin is located in the Northeast of Brazil. It is classified as a rift basin formed during the opening of the South Atlantic. Their limits range from Alto Japoatã to the Vaza Barris Fault. The focus of this paper is the geological mapping between the city of São Francisco and Propriá. In geological mapping area, we found Paleozoic sedimentation, composed of the Batinga Formation, (Member Boaciaca) and Aracaré Formation. As for the Bananeira and Serraria formations (Dom João Stage), are of Jurassic age, represent the pre-rift phase of the basin, with dip to Southeast. The Paleozoic sequence and the Pre - Rift phase located on the western edge of the mapped area. In the Rift phase, are the Feliz Deserto, Barra de Itiúba, Coqueiro Seco and Morro do Chaves formations. The rift sequence is best represented by the Feliz Deserto and Barra de Itiúba formations. There is great difficulty of separating Feliz Deserto Formation and Barra de Itiúba Formation, because they are concordant with each other and there is an enormous similarity lithological, as both are composed of greenish gray shales and lacustrine deltaic sandstones. Therefore, for a better understanding of Sergipe basin, we chose to adopt the term "Feliz Deserto/Barra de Itiúba Formation" in this mapping. The Coqueiro Seco and Morro do Chaves formations appears only on the margins of the São Francisco River, near the breakaway faults (NE/SW). Thus, this map differs in several aspects of the geological map of Japoatã (SC-24 ZB-II-3), 1975, produced by a partnership between Petrobras and DNPM.

Key words: Sergipe Basin, Serraria Formation, Feliz Deserto Formation, geological mapping, Pre-Rift/Rift

 

1 Programa de Pós –graduação em Geociências, UFPE. E-mail: flaviapedrosa.geo@gmail.com
2 Departamento de Geologia e Pós-graduação em Geociências

 

Literatura Citada

Allard, G. O., Hurst, V.J. Brazil-Gabon geologic link supports continental drift. Science, v. 163, p. 528-532, 1969.

Asmus, H. E., Ponte, F. C. Bacias da Margem Continental Brasileira. Rio de Janeiro: Petrobras.Dexpro. Divex, 1970. 67f. (Relatório interno, n. 3641).

Borba, C.; Paim, P .S. G.; Garcia, A. J. V. 2011. Estratigrafia dos depósitos iniciais do rifte no Campo de Furado, região de São Miguel dos Campos, Bacia de Sergipe-Alagoas. Revista Brasileira de Geociências, volume 41 (1), 2011.

Branner, J.C. The Cretáceous and Terciary Geology of the Sergipe – Alagoas Basin of Brazil. Transactions of the American Philosophical Society. New series 16(3), 369 – 434 Philadelphia, 1913.

Bueno G.V. 2004. Diacronismo de eventos no rifte Sul Atlântico. Boletim Geociências da Petrobras, 12(2):203-229.

Cainelli, C. 1987. Histórico e Evidencias da Presenca de Regime Transtensional/ Transpressional na Bacia de Sergipe-Alagoas. In: Seminário de Tectonica da Petrobras, 1., Rio de Janeiro, 1987. Tectos – I. Rio de Janeiro: Petrobras, 1987. p. 311-331.

Campos Neto O.P., Souza Lima W., Cruz F.E.G. 2007. Bacia de Sergipe Alagoas. Boletim de Geociências da Petrobras (Cartas Estratigráficas), 15(2):405-415.

Chagas, L.S., Chiossi, D.S.N., 1993. Evolução tectono-estratigráfica do rifte da Bacia Sergipe-Alagoas e novas perspectivas exploratórias. Aracaju. Petrobrás. Relatório Interno.

Chang H.K., Kowsmann R.O., Figueiredo A.M.F., Bender A.A. 1992. Tectonics and Stratigraphy of the East Brazil Rift System: an overview. Tectonophysics, 213:97-138.

Chiossi D.S.N. 1997. Estratigrafia de seqüências e condicionamento tectono-climático num rifte continental (Bacia de Sergipe-Alagoas). Dissertação de Mestrado, UFRGS, 204 p.

Destro, N. 1994. Release Fault: A variety of Cross Fault in Linked Extensional Fault Systems, in the Sergipe-Alagoas Basin, NE Brazil. Journal of Structural Geology, Vol. 17, No 5, pp. 615-629.

Destro N. 1994. Tectonism, Stratigraphy, and Sedimentation in Sergipe and Alagoas Basins, NE Brazil: an overview. In: IAS Congress, 14, Recife, Abstracts, p.G25-G26.

Feijó F.J. e Vieira, R.A.B., 1990. Sequências cretácicas das bacias de Sergipe a Alagoas. In: Simpósio de Geologia do Cretáceo, 1. Rio Claro, UNESP.

Feijó F.J., 1992. Sequencias Continentais das fases pré-rift e rift da sub-bacia de Alagoas Central. Porto Alegre, UFRGS. Dissertação de Mestrado, 165p.

Feijo, F. J. 1994. Bacias de Sergipe e Alagoas. Bol. Geoci. Petrobras, Rio de Janeiro, 8 (1): 149-161.

Galm P.C. & Santos D.F. 1994. Caracterização de uma discordância de idade Pré-Aratu (Eocretáceo) na Bacia de Sergipe-Alagoas. Acta Geologica Leopoldensia, 39(2):555-562.

Garcia A.J.V. 1991. Estratigrafia, sedimentação e diagênese dos arenitos da Formação Serraria, Cretáceo Inferior da Bacia de Sergipe-Alagoas, Nordeste do Brasil. Tese de Doutoramento em Geociências, IG, UFRGS, 305 p.

Jardim de Sa, E. F.; Antunes, A. F.; Alves da Silva, F. C.; Almeida, C. B. – 2006 – O Inicio do Estagio Rifte na Bacia Sergipe-Alagoas. In: Anais 43th Congresso Brasileiro de Geologia, Aracaju. 10p.

Lana, M.C. 1985. Rifteamento na Bacia Sergipe-Alagoas, Brasil. Dissertacao de Mestrado, Departamento de Geologia, UFOP, Ouro Preto, 124p.

Mendes, J. M. C., 1994. Analise Estratigrafica da Seção Neo-Aptiana/Eocenomaniana (Fm. Riachuelo) na Área do Alto de Aracaju e Adjacencias, Bacia de Sergipe-Alagoas. Dissertação de Mestrado, UFRGS, 166p.

Miall, A.D., 1978. Lithofacies types and vertical profile models of braided rivers: A summary. Fluvial Sedimentary. 597-604. N.5. New York, Springer-Verlag.

Miall, A.D., 1995. The Geology of fluvial deposits: Sedimentary facies Basin analysis and petroleum geology. New York, Springer-Verlag, 582p.

Moraes Rego, L.F., 1933. Notas sobre a geologia, a geomorfologia e os recursos minerais de Sergipe. An. Escola de Minas de Ouro Preto, n. 24, p. 31-84.

Schaller, H. 1969. Revisao Estratigrafica da Bacia de Sergipe/Alagoas. Rio de Janeiro, Bol. Tec. PETROBRAS, V. 12, n. 1 p. 21-86.

Schlische, R.W., 1991. Geometry and origino f faut –related folds in extensional settings. AAPG Bulletin, v 79(11), p. 1661 – 1678.

Silva, A.J.C.L.P., Aragão, M.A.N.F., Magalhães, A.J.C. 2008. Ambientes de Sedimentação Siliciclástica do Brasil. Editora Becca. P. 103-130. Rio de Janeiro.

Silva, A. N., 2007. Mapeamento Geológico da Região do Domo de Igreja Nova (Área Oeste), AL: Contribuição à Estratigrafia e à Tectônica da Bacia Sergipe-Alagoas. Relatório de graduação, UFRN.

Souza-Lima, W.; Andrade, E. J.; Bengtswon, P.; Galm, P. C. 2002. A Bacia de Sergipe-Alagoas: evolucao Geologica, Estratigrafia e Conteudo Fossil. Fundacao Paleontologica Phoenix. Edicao Especial, 34p.

Suguio, K. 2003. Geologia Sedimentar. Editora Afiliada. P. 220-246. São Paulo.

Weidmann, O. H.; Formoso, S. Aspectos estruturais e sua relação com as acumulações de hidrocarbonetos no Campo de Pilar. In: Seminário de tectônica da petrobras, 1987, Rio de Janeiro: PETROBRAS, 1987. p. 442-458.